Stone Temple Pilots: banda domada e um Scott mais comedido

Resenha - Stone Temple Pilots - Stone Temple Pilots

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Anderson Nascimento, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos


Nascida na Califórnia, durante a ebulição sonora provocada por uma certa banda de Seattle, o Stone Temple Pilots já parecia ter um destino certo, o fim precoce. Estourados na MTV, onde em 1993 ganharam o prêmio de "Banda Revelação", e impulsionados pelo sucesso do primeiro CD, "Core", que vendeu mais de sete milhões de cópias, a banda foi rapidamente convocada pela emissora pra gravar o seu "Unplugged".

Stone Temple Pilots: homenagem da viúva a Weiland e breve parecer de fã sobre Nº 4Lista: as dez melhores músicas para se ouvir na estrada

Esse repentino e inesperado sucesso começou a ruir na hora em que a banda vinha colhendo os frutos de seu instantâneo sucesso, em plena turnê de seu terceiro disco, com os problemas de seu front-man Scott Weiland com as drogas, o que levou a banda a cancelar uma série de shows.

Em 2003, a banda anunciou o seu fim, após o lançamento de uma coletânea com os hits da banda, o que acabou acontecendo devido às prisões e pesados envolvimentos do vocalista com as drogas.

Com o fim da banda Scott virou o vocalista da banda formada por ex-integrantes do Guns and Roses, "Velvet Revolver", e seus amigos de banda viraram produtores musicais. Ao deixar o Velvet, Scott foi deixando pistas na imprensa de que a banda estaria voltando, o que de fato aconteceu, resultando em uma turnê pelos EUA em 2008, obviamente sugerindo a gravação de um novo disco.

Nesse primeiro disco desde a sua volta, temos uma banda mais adocicada, domada, e um Scott mais comedido. O grande atrativo desse álbum é justamente esse, a forma dispar ao formato ao qual a banda é historicamente reconhecida.

E isso não é um demérito, pelo contrário, é uma prova de que os membros da banda ganharam um precioso tempo para amadurecer sua sonoridade, caprichando principalmente nas melodias das suas doze canções. As letras, recheadas de amargas inspirações que vão do recente divórcio de Weiland à morte de seu irmão, talvez também acabem contribuindo para a sonoridade mais melancólica do álbum.

Mesmo assim, o primeiro single "Between The Lines", busca nas raízes da banda o som ideal que represente a sua volta, o que funcionou bastante bem, pois a banda atingiu o primeiro lugar da Billboard com a mesma. Essa busca ao seu tradicional som também ocorre em "Fast As I Can", mais um dos poucos momentos em que a banda lembra o seu som original.

Já na segunda faixa e segundo single do disco, "Take a Load Off" ,a banda convida o ouvinte a conhecer o novo "Stone Temple Pilots", com melancolia espalhada ao longo da canção, que destaca-se por vocais em côro que emula os anos sessenta.

O mesmo acontece em "Hickory Dichotomy", anos sessenta puro, mais precisamente algo entre a harmonia vocal dos Beatles e a pegada dos Kinks, ou ainda na adocicada e ensolarada "Cinnamon", que inclui inclusive os "Come on, come on", tão populares nos anos sessenta.

Esse mesmo estilo também volta a rolar no disco em "First Kiss on Mars" , cançãozinha de três minutos com um impressionante apelo pop, lembrando as músicas mais cantaroláveis do Weezer.

Os baladões, que funcionam incrivelmente bem na voz de Weiland, também estão presentes também no álbum, como em "Dare If You Dare", com um riff chupado da versão de Eric Clapton para "Little Wing". As baladas inclusive dão o tom de despedida do álbum ao aparecer no encerramento do disco com a canção "Maver".

Assumidamente calcado nos anos sessenta e setenta, o auto-intitulado novo álbum do Stone Temple Pilots, é um prato cheio para aqueles que gostam de uma boa diversão, mas é bom que saibam que aquela banda de meados dos anos noventa não é mais a mesma.

Faixas:
1. Between the Lines
2. Take a Load Off
3. Huckleberry Crumble
4. Hickory Dichotomy
5. Dare If You Dare
6. Cinnamon
7. Hazy Daze
8. Bagman
9. Peacoat
10. Fast as I Can
11. First Kiss On Mars
12. Maver


Outras resenhas de Stone Temple Pilots - Stone Temple Pilots

Stone Temple Pilots: resenha do novo álbum, Stone Temple PilotsStone Temple Pilots: após 9 anos, novo álbum não empolga




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Stone Temple Pilots"


Stone Temple Pilots: homenagem da viúva a Weiland e breve parecer de fã sobre Nº 4

Scott Weiland: Slash homenageou o saudoso vocalista no dia do aniversárioScott Weiland
Slash homenageou o saudoso vocalista no dia do aniversário

Em 27/10/1967: nascia Scott WeilandStone Temple Pilots: encerrando terceira perna da turnê americana 2019Stone Temple Pilots: relançamento luxuoso de Purple chega ao streamingStone Temple Pilots: cover do The Beach Boys em relançamento do PurpleScott Weiland: citado por Howard Stern na rádio; "sinto muita falta dele"Stone Temple Pilota: depois de 20 anos, tocando no show a canção "Ride The Cliche"STP: em turnê pelos EUA, abrindo show com a rara música "Coma"Stone Temple Pilots: iniciando terceira perna da turnê americana

Grunge: Top 05 melhores músicas que abrem um álbumGrunge
Top 05 melhores músicas que abrem um álbum

Scott Weiland: vocalista é encontrado morto em ônibus de turnêScott Weiland
Vocalista é encontrado morto em ônibus de turnê

Scott Weiland: Art Of Anarchy era uma enganação desde o começoScott Weiland
Art Of Anarchy era "uma enganação desde o começo"


Lista: as dez melhores músicas para se ouvir na estradaLista
As dez melhores músicas para se ouvir na estrada

Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os temposRock Progressivo
As 25 melhores músicas de todos os tempos

Filmes sobre rock: A história do gênero no cinemaFilmes sobre rock
A história do gênero no cinema

Punk Rock: seja feio, beba muito, e nunca penteie o cabeloPunk Rock
Seja feio, beba muito, e nunca penteie o cabelo

Bruce Dickinson: vocalista elege seus 5 álbuns preferidosBruce Dickinson
Vocalista elege seus 5 álbuns preferidos

Linkin Park: a fortuna que vale o direito musical de Chester BenningtonLinkin Park
A fortuna que vale o direito musical de Chester Bennington

Megadeth: Mustaine revela que música foi inspirada na série VikingsMegadeth
Mustaine revela que música foi inspirada na série Vikings


Sobre Anderson Nascimento

Anderson Nascimento é Analista de Sistema e Professor Universitário de profissão, tendo cursado Pós-Graduação em Análise, Projeto e Gerência de Sistemas na PUC-RJ. Sua grande paixão é a música, começou a colecionar discos ainda na época do vinil, em 1986, com o álbum Abbey Road dos Beatles. Esse foi o primeiro passo para esse hobby que viria a se tornar tão importante em sua vida. Entre as várias atividades no meio musical, Anderson é compositor e integrou a banda de rock Projeto:Paradoxo entre 1996 e 2004. Anderson é um ávido colecionador de discos e também escreveu sobre música em vários veículos de comunicação.

Mais matérias de Anderson Nascimento no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336