Black League: porções de rock, heavy metal e insanidade

Resenha - Ghost Brothel - Black League

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

9


Provavelmente alguns desconheçam, mas assim que o Sentenced começou a crescer, o vocalista Taneli Jarva decidiu abandonar seu posto para posteriormente montar esta excelente banda em 1998. O Sentenced continuou sua escalada ao sucesso com Ville Laihiala até encerrar dignamente suas atividades em 2005, enquanto o The Black League permaneceu atuando mais a nível underground mesmo.

Após dois anos trabalhando em estúdio, "Ghost Brothel" é um quinto álbum que mostra o The Black League mais maduro do que nunca, consequência direta de a formação se manter estável desde seu último registro, "A Place Called Bad", liberado em 2005. E, quanto ao leitor que não possui intimidades com esta banda, não vá tirar a precipitada conclusão de que sua sonoridade seja similar ao velho e condenado Sentenced...

publicidade

Ainda que o repertório de seu debut, "Ichor" (00), fosse uma verdadeira colcha de retalhos, a proposta do The Black League foi rapidamente tomando forma e atualmente é o que podemos chamar simplesmente de Rock´n´Roll, próximo do Stoner pesadão e viajandão, acrescentando aí outra gigantesca gama de influências setentistas muito bem amarradas, o que garante ainda mais credibilidade ao disco.

publicidade

Aliás, o próprio The Black League dá a dica de sua receita: 1 porção de Rock (AD/CD - Hendrix - Hurriganes - Skynyrd - Stooges), 1 porção de Heavy Metal (Motorhead - Sabbath - COC - Danzig) e 1 porção de insanidade (Floyd - Doors - King Crimson - Cave - Cohen - Waits). Nada mal! E, além de toda a fertilidade em boas melodias e groove, a tão característica e maltratada voz rosnada de Jarva conta muito a favor. Selecionar destaques é uma sacanagem, mas na ocasião em estes linhas foram escritas, admito que "Malabarista", "Bones 'N' Thangs" e "Until We Sail" deixaram este escriba tão entusiasmado que sua audição se repetiu a todo o momento...!

publicidade

Fugindo das tendências pela qual o Rock e Heavy Metal se enveredaram ao longo dos anos, "Ghost Brothel" é totalmente recomendável aos amantes daquele certo tradicionalismo que consegue fugir do previsível. E fica a sugestão de, preferencialmente, escutar estas canções acompanhado de duas doses de um bom uísque! Ok, e uma boa garota nunca é demais, não é mesmo?

publicidade

Contato:
http://www.theblackleague.fi
http://www.myspace.com/theblackleague

Formação:
Taneli Jarva - voz
Maike Valanne - guitarra
Kimmi ‘Heavy’ Hiltunen - guitarra
Ilkka Tanska - baixo
Rale Tiiainen - bateria

publicidade

The Black League - Ghost Brothel
(2009 / Brainbomber Records - importado)

01. Zero Providence (Intro)
02. Southern Scars & Curse
03. Malabarista
04. Bones 'N' Thangs
05. Misfortune
06. The Beast Is A Riddle
07. Bipolar Meltdown
08. No Parole
09. Ghost Brothel
10. Until We Sail
11. Vin Mariani
12. Joke's Over
13. Heavy Downer




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Postura: 12 coisas que você nunca deve dizer a um músicoPostura
12 coisas que você nunca deve dizer a um músico

Iron Maiden: as dez melhores músicas, segundo a LoudwireIron Maiden
As dez melhores músicas, segundo a Loudwire


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin