Raven: quantidades cavalares de energia e honestidade

Resenha - Walk Through Fire - Raven

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Igor Natusch
Enviar correções  |  Ver Acessos


Para os mais versados no Heavy Metal oitentista, o nome Raven é praticamente uma instituição. Surgida na explosão da NWOBHM, a banda capitaneada pelos irmãos Gallagher (não aqueles que andaram brigando esses dias, claro) construiu uma sonoridade bastante pessoal e sobreviveu por cerca de duas décadas, meio aos trancos e barrancos, gravando discos como se não houvesse amanhã. E eis que, depois de um silêncio de nove anos, a banda volta do nada com um disco novo, no qual faz o que todo mundo esperava que fizesse - e, consequentemente, deixa seus fãs bastante felizes.

Iron Maiden: curiosidades sobre o "The Number Of The Beast"Metal: as bandas e sub-gêneros mais odiados pelos metalheads

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Walk Through Fire" traz de volta os irmãos Mark (G) e John Gallagher (V/B) ao lado do baterista Joe Hasselvander, que já tocou com milhares de bandas e ultimamente andou gravando e excursionando com o histórico Blue Cheer. O grupo não esteve exatamente parado durante a última década, mas tinha meio que deixado de lado as gravações, concentrando-se em shows eventuais e na produção de DVDs e coletâneas antes de receber a proposta para gravar um novo trabalho de originais. Lançado originalmente apenas no Japão, o novo CD conta com quinze músicas ao todo, nas quais todas as características típicas do som do Raven surgem sem nenhum disfarce. O que é natural: aqui entre nós, que gravadora do planeta faria uma banda da NWOBHM voltar depois de quase uma década sem gravar pedindo que eles fizessem algo totalmente fora dos seus padrões? Só uma que gostasse de rasgar dinheiro - o que, convenhamos, não costuma ser o caso dos japoneses.

Discussões mercadológicas à parte, "Walk Through Fire" é um disco do Raven do tipo que qualquer pessoa ligada na banda pode imaginar muito antes de colocar a bolachinha para rodar. O trio sempre foi tido como um dos precursores do Thrash Metal, e é um comentário até justo - mas quem não conhece e espera ouvir algo tipo Metallica e Exodus vai quebrar a cara. Na verdade, a muito ridicularizada alcunha "Athletic Rock", criada pela banda para descrever o seu som, me parece muito adequada - é o típico Hard / Heavy britânico tocado num estilo "sem frescuras", com muita energia, repleto de bom humor e sem muitas pausas para respirar. É uma sonoridade direta, mas razoavelmente técnica e com boas ideias sempre bem distribuídas entre as composições, o que dá um dinamismo especial a algo que, tratado com menos cuidado, seria com certeza um tanto bobo e até maçante.

As influências do Raven surgem fácil em várias composições: "Trainwreck" remete a Sweet, a intro de "Long Day's Journey" é total AC/DC e tem até um cover de "Space Station # 5" do Montrose, que é para não deixar dúvidas. De qualquer modo, para quem não conhece a banda, o novo disco é quase um resumo do que eles fazem desde sempre. Desde canções velozes como "Attitude" e "Under Your Radar", passando por temas mais cadenciados como "Bulldozer" e músicas cheias de dinamismo como "Against the Grain" e "Running Around In Circles", esse trabalho mostra os ingleses fazendo o que sabem fazer melhor e pouco se lixando para todo o resto. Riffs bem sacados, baixo marcante e inventivo, bateria precisa e vocais ríspidos e cheios de agudos - isso é o Raven, e eles não fazem questão nenhuma de esconder.

Ainda bem. Pois, ainda que não traga inovação alguma para o cenário, "Walk Through Fire" contém em si quantidades cavalares de coisas tão importantes quanto isso - energia, honestidade, empolgação, fidelidade a princípios e todos aqueles outros valores que podem parecer abstratos, mas que fazem muito sentido para apreciadores mais dedicados de boa música. Trata-se antes de tudo de um trabalho coeso e divertido - de fato, bem mais coeso e muito mais divertido do que os álbuns gravados por eles no final dos anos 90, alguns bastante fracos para falar a verdade. Como apreciador da banda, acho que desde "Life's a Bitch" e "Nothing Exceeds Like Excess" a banda não fazia algo tão bacana - e acredite, isso é sem dúvida uma boa notícia.

RAVEN - Walk Through Fire (King Records - imp. - 2009)

01. Intro
02. Against the Grain
03. Breaking You Down
04. Under Your Radar
05. Walk Through Fire
06. Bulldozer
07. Long Day's Journey
08. Trainwreck
09. Grip
10. Running Around In Circles
11. Hard Road
12. Armageddon
13. Attitude
14. Necessary Evil
15. Space Station #5 (Montrose cover)


Outras resenhas de Walk Through Fire - Raven

Raven: Nono disco enfim ganha versão nacional




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Raven"


Heavy Metal: as 10 capas mais de macho de todos os temposHeavy Metal
As 10 capas mais "de macho" de todos os tempos

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1983Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1983


Iron Maiden: curiosidades sobre o The Number Of The BeastIron Maiden
Curiosidades sobre o "The Number Of The Beast"

Metal: as bandas e sub-gêneros mais odiados pelos metalheadsMetal
As bandas e sub-gêneros mais odiados pelos metalheads


Sobre Igor Natusch

Igor Natusch é gaúcho, gremista, profissional de vídeo, jornalista, baixista e fã de Heavy Metal desde que se conhece por gente. Viciado no Metal oitentista, em especial NWOBHM, gasta boa parte do seu tempo livre pesquisando sobre bandas da época, tentando ao mesmo tempo não se desligar dos sons e novidades do presente. Apegado ao passado, ainda não tomou coragem para jogar fora suas fitas K7, embora já tenha substituído todas elas por arquivos mp3 há muito tempo. E nunca pintou a barba em toda a sua vida.

Mais matérias de Igor Natusch no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336