The Answer: utilizando influências setentistas no seu som

Resenha - Everyday Demons - Answer

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fábio Cavalcanti
Enviar Correções  

9


Desde meados dos anos 90, o ato de procurar novas bandas de hard rock é sinônimo de "missão impossível". Que tal então qualquer banda fortemente influenciada pelo hard rock setentista? Pior ainda! Mas, nos últimos anos, novas bandas do gênero vêm utilizando mais influências setentistas no seu som. Entre elas, temos o The Answer, que acaba de lançar "Everyday Demons" (2009), seu segundo álbum.

Rita Lee: Ela participou de suruba com o Yes e furtou a cobra de Alice Cooper

Beatles: Quais as pessoas e objetos da capa do Sgt. Peppers?

O quarteto, formado na Irlanda do Norte, já havia lançado um álbum: o excelente "Rise", de 2006. Nesse meio tempo, ganharam maior visibilidade através do uso de uma faixa no novo Guitar Hero, e através de elogios de artistas como Paul Rodgers (Free, Bad Company, Queen + Paul Rodgers) e Joe Elliott (Def Leppard). De sobra, ainda conseguiram uma vaguinha preciosa como banda de abertura na nova turnê do AC/DC.

Mas, e quanto à música em si? Em "Everyday Demons", o The Answer optou pela total fidelidade ao estilo do seu debut, isso é, o mais puro hard rock! A abertura com a pesada e energética "Demon Eyes" não poderia ser mais conveniente, pois mantém o ouvinte preparado para receber outros petardos poderosos como "Too Far Gone" e a acelerada "On And On" (primeiro single do álbum). Até aqui, já podemos ver que as letras não trazem nada de muito chamativo, mas também não chegam a decepcionar.

Em "Cry Out", a batida cadenciada e as influências de blues rock, juntamente com o vocal de Cormac Neeson em um estilo à la Paul Rodgers, acabam lembrando o lado mais "rocker" do Free. Em "Why'd You Change Your Mind", a longa passagem lenta inicial funciona como um "teaser" para a parte mais pesada e marcante da música, no maior estilo Led Zeppelin. Já a semi-balada "Pride" soa um pouco mais moderninha e acessível, mas não deixa de ser uma ótima música!

Voltando às influências setentistas, "Walkin' Mat" lembra um mix de Black Crowes com o suíngue do Grand Funk Railroad, enquanto que "Tonight" mistura a batida direta do AC/DC com riffs e melodias que lembram os rocks mais bacanas do The Faces. A acelerada "Dead Of The Night" pode não trazer muitas referências ao hard rock clássico, por ser a faixa mais pesada do álbum, mas também não deixa o ouvinte esquecer que está ouvindo um legítimo álbum de rock 'n' roll!

E pra não dizer que faltam sons mais "light" neste novo trabalho, a balada "Comfort Zone" dá as caras com leves influências de rock psicodélico, mas sem fugir muito da "crueza" natural do som da banda. E fechando a track list com chave de ouro, o poderoso rock "Evil Man" destaca bem o guitarrista Paul Mahon, além de mostrar que, no cenário rock em geral, o The Answer ainda está apenas começando...

Ao final de "Everyday Demons", o ouvinte com certeza irá se perguntar se o The Answer é um possível novo gigante do rock ainda em fase de crescimento. Mas, tudo que o humilde autor desta resenha pode responder até o momento é apenas isso: divulgue bastante a banda, e faça suas apostas!

Músicas:
1. Demon Eyes
2. Too Far Gone
3. On And On
4. Cry Out
5. Why'd You Change Your Mind
6. Pride
7. Walkin' Mat
8. Tonight
9. Dead Of The Night
10. Comfort Zone
11. Evil Man




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


2016: os 5 discos mais decepcionantes de rock/metal do ano2016
Os 5 discos mais decepcionantes de rock/metal do ano


Rita Lee: Ela participou de suruba com o Yes e furtou a cobra de Alice CooperRita Lee
Ela participou de suruba com o Yes e furtou a cobra de Alice Cooper

Beatles: Quais as pessoas e objetos da capa do Sgt. Peppers?Beatles
Quais as pessoas e objetos da capa do Sgt. Peppers?


Sobre Fábio Cavalcanti

Baiano, sempre morou em Salvador. Trabalha na área de Informática e ¨brinca¨ na bateria em momentos vagos, sem maiores pretensões. Além disso, procura conhecer novas - e antigas - bandas dos mais variados subgêneros do rock. Por fim, luta para divulgar, sempre que possível, o pouco conhecido cenário rocker da tão sofrida ¨Terra do Axé¨.

Mais matérias de Fábio Cavalcanti no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin