Die Walzer Luzifers: Black Metal germânico direto do RS

Resenha - Die Walzer Luzifers - Die Walzer Luzifers

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernão Silveira
Enviar correções  |  Ver Acessos

"Se queres ser universal, fala de tua aldeia". É com esta citação do escritor russo Leon Tolstoi que os gaúchos do DIE WALZER LUZIFERS sintetizam sua filosofia de trabalho, que pode ser conferida no EP homônimo. Apesar da frase famosa, atemporal e verdadeiramente grandiosa, o DIE WALZER LUZIFERS posiciona a sua música como um trabalho de poucos para poucos - o que torna bem difícil alcançar a tal universalidade que eles mesmos tanto prezam.

O Clube dos 27: 17 roqueiros que sucumbiram à idade fatídicaCapas de álbuns: as mais obscuras e marcantes da história

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O som do DIE WALZER LUZIFERS é o mais puro black metal. As letras das músicas e o encarte do CD são escritos em alemão - "nossa língua materna", conforme descrevem os músicos no release de apresentação do EP. Uma agravante: as letras das músicas, propositalmente, não acompanham o CD. Realmente, fica difícil ser compreendido - e ser universal, consequentemente - cantando black metal em alemão e sem prover as letras aos ouvintes.

Mas todo este mise-en-scène faz parte do show do DIE WALZER LUZIFERS. Por que não divulgar as letras? Para que "aqueles aos quais Aristóteles se referia como homens nascidos para a liberdade sejam impelidos a procurarem as respostas para suas almas inquietas." Por que cantar em alemão? "Para nós, é muito mais fácil nos expressarmos nesta língua (o alemão) do que em qualquer outra, mesmo o inglês ou o português, pois ela é falada no dia-a-dia em nossos lares, nossas ruas, nos comércios, nas escolas. Sendo assim, falamos sobre nossas vivências, nossos cotidianos no Rio Grande teutônico. Falamos sobre nós, e isto significa que falamos sobre a Humanidade." Captou??

Embora o discurso da banda foque tanto no universalismo, o DIE WALZER LUZIFERS não parece mesmo muito interessado em ser universal. O que acaba sendo uma pena, pois H.Kunst (baixo), Helles 88 Vogel (Bateria) e Beackman (guitarra e vocais) mostram-se um eficiente trio de black metal. "Regula Fidei", por exemplo, tem boa pegada e um dueto de baixo e guitarra que merece destaque. Mas é uma música de poucos, feita para poucos.

Para quem ficou curioso a respeito do nome da banda, DIE WALZER LUZIFERS significa "A valsa de Lúcifer" e foi retirado da letra de "Der Tanz der Schatten", do THEATRE OF TRAGEDY.

Se você se interessou pela filosofia e pelas idéias do trio gaúcho, corresponda-se com eles - em alemão, preferencialmente - pelo e-mail thiudareika@ibest.com.br

"Die Walzer Luzifers" - DIE WALZER LUZIFERS

1 - Der Codeskreis
2 - Der Neue Marsch
3 - Jetzt Dienst du die Gewählten Stämme
4 - Regula Fidei

Produção independente




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Die Walzer Luzifers"


O Clube dos 27: 17 roqueiros que sucumbiram à idade fatídicaO Clube dos 27
17 roqueiros que sucumbiram à idade fatídica

Capas de álbuns: as mais obscuras e marcantes da históriaCapas de álbuns
As mais obscuras e marcantes da história


Sobre Fernão Silveira

Paulistano, são-paulino, nascido nos "loucos anos 70" (1979 ainda é década de 70, certo?) e jornalista. Sua profissão já o levou a cobrir momentos antológicos da história da humanidade, como o título paulista do São Caetano, a conquista da Copa do Brasil pelo Santo André, a visita de Paris Hilton a São Paulo e shows de bandas como Judas Priest, Whitesnake, W.A.S.P., Megadeth, Slayer, Scorpions, Slipknot, Sepultura e por aí vai. Ainda tem muito gás para o nobre ofício jornalístico, mas acha que não vai muito mais longe depois de ter entrevistado Blackie Lawless, Glenn Tipton, Rogério Ceni e, claro, Paris Hilton.

Mais matérias de Fernão Silveira no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336