Hatred: Death Metal brutal lembrando bandas brasileiras

Resenha - Blasphemous Deliverance - Hatred

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Maurício Dehò
Enviar Correções  

7


Como é simples notar, a cena do Metal Extremo passa por uma fase áurea e cheia de bons trabalhos e bandas de qualidade surgindo, dos mais diversos gêneros, locais e especialidades. Um exemplo que chegou a estas mãos foi de um grupo holandês chamado Hatred. Se o nome mostra completa falta de criatividade, o som compensa com um Death Metal brutal, lembrando em alguns momentos bandas brasileiras.

Bullet For My Valentine: vocal detonou Guns em turnê

Megadeth: Pepeu Gomes comenta convite para tocar na banda

O primeiro registro do quarteto, fundado em 1999, foi em 2000, com a demo auto-intitulada e apenas oito anos mais tarde foi lançado este debut, "Blasphemous Deliverance". O título já indica que a religião é bem maltratada durante as dez faixas de "porrada na orelha", que devem satisfazer os amantes do estilo.

Com letras boas em relação a muito que se vê hoje em dia – na maioria das vezes, simples adorações ao capeta sem maiores reflexões -, o Hatred junta isso a um instrumental matador, em que imperam os 'blast beats', uma boa dose de groove e riffs certeiros, afiados. Basta ouvir a trinca inicial "Christian Dogma", a ignorante "Religion = War" e "The Atheist" para comprovar.

Outro elemento atrativo é a variação dentro de cada faixa, que sempre tem trechos velozes, outros cadenciados e boas "paradinhas", para o headbanger chacoalhar a cabeça no ritmo dos blast beats. Devido a esta característica e a algumas linhas mais quebradas, chega a lembrar algumas vezes os brazucas do Torture Squad – os paulistas ainda mandam melhor!

Na parte final dos quase 37 minutos de som, chama a atenção a instrumental "Transition", mais cadenciada. Ela dá uma quebra na bordoada que é o disco, mas funciona como uma preparação (uma transição, como o nome diz) para a violenta "Enslaved By a Living Deity".

A produção soa bem limpa, mas eficiente para que toda a rajada de Metal seja entendida e apreciada, principalmente para fãs de nomes como Dismember, Vader – para quem já abriram – e tantos outros do Death Metal mundial. Fica um recado final de que o disco é bom, mas que não é necessário recorrer aos gringos para achar Metal Extremo de qualidade. Tem muita coisa tão boa quanto, ou até melhor, abaixo da linha do Equador!

Track List:
1. Christian Dogma
2. Religion = War
3. The Atheist
4. Involution
5. Beholder of Hate
6. Transition
7. Enslaved By a Living Deity
8. Blessed By Possession
9. Reflected In Dead Eyes
10. Blasphemous Deliverance

Formação:
Koen Dingemans – vocal
Peter de Jonge – baixo
Peter van der Schraaf – guitarra
Rob de Waardt – bateria



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Bullet For My Valentine: vocal detonou Guns em turnêBullet For My Valentine
Vocal detonou Guns em turnê

Megadeth: Pepeu Gomes comenta convite para tocar na bandaMegadeth
Pepeu Gomes comenta convite para tocar na banda


Sobre Maurício Dehò

Nascido em 1986, é mais um "maidenmaníaco". Iniciou-se no metal ao som da chuva e dos sinos de "Black Sabbath", aos 11 anos, em Jundiaí/SP. Hoje morando em São Paulo, formou-se em jornalismo pela PUC e é repórter de esportes, sem deixar de lado o amor pela música (e tentando fazer dela um segundo emprego!). Desde meados de 2007, também colabora para a Roadie Crew. Tratando-se do duo rock/metal, é eclético, ouvindo do hard rock ao metal mais extremo: Maiden, Sabbath, Kiss, Bon Jovi, Sepultura, Dimmu Borgir, Megadeth, Slayer e muitas, muitas outras. E é de um quarteto básico que espera viver: jornalismo, esporte, música e amor (da eterna namorada Carol).

Mais matérias de Maurício Dehò no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin