Otep: mais consistente que mero entretenimento

Resenha - Ascension - Otep

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Relativamente desconhecido do público brasileiro, o norte-americano Otep parecia ter o mesmo "futuro promissor" de bandas como Korn ou Limp Bizkit, quando, de posse de apenas o EP "Jihad", conseguiu se apresentar no disputado Ozzfest 2001. Seu sucesso comercial passou longe do alcançado pelos conterrâneos, mas o Otep adquiriu o respeito de boa parte do público, respeito este que vem permanecendo mais consistente do que um mero entretenimento temporário para as grandes massas consumidoras.

Anette Olzon: "Eu fui demitida exatamente como Tarja também foi"Separados no nascimento: James Hetfield e Mano Menezes

Desta feita a líder e vocalista Shamaya contou com a colaboração de Greg Tribbett (Mudvayne) para algumas composições. A gravação de "The Ascension" ocorreu em New Orleans, onde os músicos tentaram capturar um pouco da essência da devastação, descaso das autoridades e recuperação dos estragos pela qual a cidade passou em 2005. Assim sendo, mesmo com arranjos que tendem a ser bastante simples - em especial as guitarras - este disco surpreende pela agressividade, sarcasmo e dor com que foi concebido. E estes sentimentos não chegam ao ouvinte de forma banal, longe disso, tudo é extremamente fervoroso e inquietante.

Embora usando linhas vocais diversificadas, Shamaya tem como tendência cantar/gritar de forma bastante agressiva, e momentos como "March Of The Martyrs", o single "GhostFlowers", "Confrontation" e "Crooked Spoons" são bons exemplos de como o conjunto consegue explodir e segurar a atenção do ouvinte. Suas famosas e controvertidas poesias narradas no meio do repertório foram agora reduzidas a meras introduções para algumas canções, mas não se deixe enganar: há uma faixa oculta onde o infalível texto é recitado.

Mesmo não chegando a comprometer a qualidade geral do disco, a acessível "Perfectly Flawed" e "Breed" (cover do Nirvana) se mostram fora do lugar. São boas faixas, muito bem executadas, mas que não se encaixam de forma alguma na contestadora proposta da banda.

É claro que os headbangers mais puristas não encontrarão muitos motivos para apreciar "The Ascension". Mas isto está longe de significar que este não seja um álbum eficaz, isso seria subestimar a banda. E vale mencionar que, mesmo no segundo escalão do rock alternativo, o Otep sempre apresentou um conteúdo lírico reconhecidamente muito acima da média em relação aos outros conjuntos do estilo.

É pena que, em pleno século XXI, o público ainda pareça ter mais interesse pela opção sexual da gatíssima Shamaya - que é homossexual - do que em sua consciência social, que resulta em atitudes concretas para tentar minimizar as dificuldades pelas quais tantas comunidades passam. Exemplos não faltam: o Otep se envolveu na arrecadação de fundos para Darfur, a região devastada por conflitos no Sudão; ou ainda dá espaço em seu site para "You Are Not Alone", rede que presta assistência aos que possuem tendência à depressão e suicídio. E toda esta experiência naturalmente serve como combustível para sua arte...

Formação:
Otep Shamaya - voz
Karma Cheema - guitarra
"Evil" J. McGuire - baixo
Brian Wolff - bateria

Otep - The Ascension
(2007 / Capitol Records - importado)

01. March Of The Martyrs
02. Crooked Spoons
03. Perfectly Flawed
04. Confrontation
05. Milk Of Regret
06. Noose And Nail
07. GhostFlowers
08. Breed (Nirvana cover)
09. Eat The Children
10. Invisible
11. Home Grown
12. Communion
13. Andrenochrome Dreams

Homepage: www.otep.com




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Otep"


Otep: Eu gostar de garotas parece não ter efeito!Otep
"Eu gostar de garotas parece não ter efeito!"

LGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuaisLGBT
Confira alguns músicos que não são heterossexuais


Anette Olzon: Eu fui demitida exatamente como Tarja também foiAnette Olzon
"Eu fui demitida exatamente como Tarja também foi"

Separados no nascimento: James Hetfield e Mano MenezesSeparados no nascimento
James Hetfield e Mano Menezes


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336