Queensryche: covers com classe e refinamento

Resenha - Take Cover - Queensryche

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Depois da (razoavelmente) bem sucedida continuação de "Operation Mindcrime", que resultou nos CD/DVD ao vivo "Mindcrime At The Moore", eis que o quinteto de Seattle Queensryche precisa dar uma respirada... afinal... foram 2 anos intensos para a banda. E nada melhor que lançar um "Best of" (chamado "Sign Of The Times") e este CD de covers/versões. A banda sempre teve como hábito tocar algumas músicas de artistas que os influenciaram em seus "soundchecks", logo não seria complicado reunir algumas canções e colocá-las num pacote, que pode saciar a vontade dos fãs de ter algo inédito em mãos até que a banda esteja pronta para seu grande desafio: seguir sua carreira após mais um "Operation Mindcrime".

Separados no nascimento: Alice Cooper e Emerson FittipaldiQueen: uma interpretação da letra de "Bohemian Rhapsody"

De certa maneira algumas canções são previsíveis: a ótima versão para "Welcome The Machine" (Pink Floyd), além da épica "Innuendo" (Queen, bem próxima da original) se encaixam bem ao estilo do Queensryche. Mas a inclusão de temas como "Heaven On Their Minds" (música tema de "Jesus Christ Superstar") e "Odissea" (da ópera de mesmo nome, cantada em italiano, um dos melhores momentos de "Take Cover"), surpreendem pela ousadia e pela competência (considerando o que o Queensryche já ousou em sua carreira isto chega a ser redundante), além da boa versão para "Synchronicity II", do The Police.

Algumas versões surpreendem, como a boa "Almost Cut My Hair", de Crosby, Stills, Nash & Young, e o bom momento acústico em "For What It's Worth", do Buffalo Springfield. Já "Neon Knights" do Sabbath com Dio soa matadora (para fazer uma versão ruim desta música o artista tem que premeditadamente destruí-la), bem como a pop "Red Rain" (Peter Gabriel). Como parte do pacote é incluída "Bullet The Blue Sky" ao vivo, que de longe é o momento mais fraco do CD.

Uma boa coletânea de covers, já que excetuando uma ou outra música, a banda resolveu não mexer muito nos originais, apenas dando-lhe um toque a mais de Queensryche... que quer dizer a famosa classe e refinamento de sempre.

Queensryche - Take Cover
2007 - Rhino Records - Importado

Formação:
Geoff Tate - Vocais
Mike Stone - Guitarras
Scott Rockenfield - Bateria
Eddie Jackson - Baixo
Michael Wilton - Guitarras

Faixas:
Welcome To The Machine
Heaven On Their Minds
Almost Cut My Hair
For What It's Worth
For The Love Of The Money
Innuendo
Neon Knights
Synchonicity II
Red Rain
Odissea
Bullet The Blue Sky (Ao Vivo)

Site Oficial: http://www.queensryche.com




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Covers e Versões"Todas as matérias sobre "Queensryche"


Iron Maiden: versões pesadas para clássicos do RockIron Maiden
Versões pesadas para clássicos do Rock

Guns N' Roses: uma versão de Sweet Child O' Mine encharcada do espírito de New OrleansGuns N' Roses
Uma versão de Sweet Child O' Mine encharcada do espírito de New Orleans

Rock Nacional: Interessantes versões por cantora japonesaRock Nacional
Interessantes versões por cantora japonesa


Separados no nascimento: Alice Cooper e Emerson FittipaldiSeparados no nascimento
Alice Cooper e Emerson Fittipaldi

Queen: uma interpretação da letra de Bohemian RhapsodyQueen
Uma interpretação da letra de "Bohemian Rhapsody"

Como batizar a criança: os nomes de bandas mais estúpidosComo batizar a criança
Os nomes de bandas mais estúpidos

Demonstrações de afeto: fotos de rockstars que já se beijaram, parte 1Sarcófago: Wagner fala da banda, radicalismo, Ghost e muito maisSeparados no nascimento: Paul Stanley e Ioná MagalhãesMetalSucks: Max Cavalera e outros elegem o melhor de 2014

Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.