Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemO álbum do The Who que Roger Daltrey achou "uma m*rda completa

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemAndreas Kisser conta quais os dez álbuns que mudaram a sua vida

imagemAlice Cooper diz que em sua equipe "todo mundo é tratado como a banda"

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemProdutor de "Temple of Shadows" conta problemas que teve com voz de Edu Falaschi

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"


Airbourne 2022

Blitzkrieg: pés convictamente fincados no passado

Resenha - Theatre Of The Damned - Blitzkrieg

Por Igor Natusch
Em 28/11/07

É sempre necessária uma dose de perspectiva histórica quando falamos de uma banda como o Blitzkrieg. Afinal, trata-se de uma banda que, nesses tempos tão confusos para a música de modo geral, mantém seus pés convictamente fincados no passado – mais precisamente, na NWOBHM da qual se origina e para a qual é um dos nomes mais significativos da atualidade.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Nascido no início dos anos 80, o grupo viveu uma série de dificuldades, mas de um modo ou de outro esteve sempre por perto, liderada pelo gênio forte e pela voz característica de Brian Ross. Apesar dos percalços e das incontáveis mudanças de formação, o som do Blitzkrieg nunca se distanciou muito do arquétipo da NWOBHM – de tal modo que hoje em dia a banda é praticamente uma guardiã dessa estética metálica, tendo uma função simbólica que talvez seja até maior do que seus méritos musicais. "Theatre of the Damned" (produzido por Biff Byford, do Saxon) é o décimo lançamento da banda, e nele toda essa história continua tão audível quanto sempre.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Atualmente, o grupo conta com os competentes guitarristas Guy Laverick e Ken Johnson e com a cozinha precisa de Paul (B) e Phil Brewis (D). De qualquer modo, por mais qualificados que os músicos possam ser, é inegável que a força e a alma do Blitzkrieg estão em Brian Ross, e o homem não decepciona. Dono de um timbre bastante pessoal, Ross tem investido ultimamente em algumas interessantes variações vocais – que alcançam resultados especialmente positivos em "Tortured Souls" e "Night Stalker", dois momentos bastante marcantes do CD. De qualquer modo, inventar não é exatamente o que move a carreira da banda – afinal, eles já fizeram isso uma vez, quando a maioria dos conjuntos idolatrados pelos mais jovens sequer pensava em existir, e preferem a fidelidade ao passado a qualquer experimentação mais acentuada. É uma opção consciente, e que no caso do Blitzkrieg funciona bastante bem.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Alguns momentos são especialmente empolgantes, como a raivosa faixa-título, a levada contagiante de "My Life Is My Own" e o ótimo trabalho de guitarras de "Spirit Of the Legend", com direito a alguns duelos realmente emocionantes – nada mais justo em uma música que fala de uma guitarra possuída pelo diabo... "Together We Are Strong", escrita por Ross em homenagem a sua esposa, é outro destaque: ao invés da baladinha melosa que se poderia esperar, temos um som bastante pesado e com um refrão cuja melodia gruda no cérebro e custa a sair. Talvez alguns protestem pelo fato do som aqui contido ser "datado" ou pelas músicas serem "parecidas demais" entre si, mas acho que uma crítica do tipo seria um pouco como admitir não ter entendido direito a moral da história – afinal, a idéia é essa mesma e está explícita desde o início. Questionáveis, talvez, apenas as regravações de "Blitzkrieg" e "Armageddon", dois sons originalmente gravados no distante 1981. Nada contra as músicas (ambas são excelentes), mas me parece que a inclusão das duas é um exagero – só da faixa que dá nome à banda (aquela mesma que o Metallica fez cover e tudo o mais) já rolaram, contando essa, nada menos que oito versões diferentes! Convenhamos que tanto apego à própria história já é um pouco demais...

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

De qualquer modo, "Theatre Of the Damned" é um disco com um público muito claro. Quem prefere bandas da atualidade e nem sabe direito o que NWOBHM significa dificilmente cairá de amores pelo CD; por outro lado, defensores da estética oitentista de fazer Heavy Metal terão doze bons motivos para sacudirem a cabeça e erguerem os punhos para o ar. Porque esse CD, mesmo gravado em 2007, é metal anos 80 de ponta a ponta – e, em sua proposta, sem dúvida se sai muitíssimo bem.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash


Sobre Igor Natusch

Igor Natusch é gaúcho, gremista, profissional de vídeo, jornalista, baixista e fã de Heavy Metal desde que se conhece por gente. Viciado no Metal oitentista, em especial NWOBHM, gasta boa parte do seu tempo livre pesquisando sobre bandas da época, tentando ao mesmo tempo não se desligar dos sons e novidades do presente. Apegado ao passado, ainda não tomou coragem para jogar fora suas fitas K7, embora já tenha substituído todas elas por arquivos mp3 há muito tempo. E nunca pintou a barba em toda a sua vida.

Mais matérias de Igor Natusch.