Machinery: explorarem facetas do Heavy Metal

Resenha - Degeneration - Machinery

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


Provavelmente o leitor que esteja acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal na última década já tenha percebido que estão aparecendo muitas bandas ao redor do mundo que estão agregando vários dos subgêneros do Heavy Metal e criando algo ainda não muito bem definido. Mesmo com muitos poucos destes conjuntos realmente se destacando, o certo é que esta tendência vem aumentando consideravelmente e o sueco Machinery é mais um bom nome para ser incluído na lista.

O conjunto foi fundado em 2001 e liberou duas demos até chegar a seu primeiro álbum, "Degeneration", lançado em 2006. São músicos jovens e com um estilo já bastante amadurecido ao misturar o Metal Tradicional e o Power ao Thrash Metal. O pessoal é hábil, pois tudo acaba sendo bastante moderno, saturado e com muito groove, solos atraentes e feeling de sobra, além de usarem o recurso de linhas vocais divididas entre o agressivo e o quase limpo, que inclusive remetem diretamente a Warrel Dane, do Nevermore.

publicidade

Em função de explorarem diversas facetas do Heavy Metal, "Degeneration" traz canções bastante diferenciadas entre si, ainda que mantenham o tão importante elo em comum. São vários os momentos proeminentes, como "Blacker Than Pain", que vai do veloz até algo que beira o arrastado; "Unholy Demon" se caracteriza pelas vocalizações rosnadas e um ótimo solo; e principalmente "Falling Through The Grid", muito nervosa, com um ritmo alucinante e novamente ótimo desempenho de seu vocalista. Merece destaque ainda "Satanic Hippie Cannibal" (mas que título!!!) onde, apesar do início climático, os suecos deixaram toda a amargura e crueza para fechar o CD de forma definitiva.

publicidade

Mesmo sem muita originalidade, o Machinery consegue resultados geralmente favoráveis com um coquetel que já vem sendo bastante explorado por aí. Tecnicamente seus músicos podem não causar assombro, mas é uma estréia onde a contribuição de todos dando o melhor de si resulta em algo com muita precisão e atitude, como tem que ser. Um belo trabalho!

publicidade

Formação:
Michel Isberg - voz e guitarra
Markus Isberg - guitarra
Per Lindström - baixo
Fredrik Klingwall - teclados
Johan Westman - bateria

Machinery - Degeneration
(2006 / Last Entertainment - importado)

01. Salvation For Sale
02. Degeneration
03. River Red
04. Blacker Than Pain
05. Unholy Demon
06. Taste Of God
07. Rectifier
08. Falling Through The Grid
09. Satanic Hippie Cannibal

publicidade

Homepage: www.machinery.se




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Capas de disco: como seriam se fossem gifs animadosCapas de disco
Como seriam se fossem gifs animados

Metal contra o câncer: festival aceita cabelo como ingressoMetal contra o câncer
Festival aceita "cabelo" como ingresso


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin