Resenha - Live After Death - Iron Maiden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ronaldo Costa
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Com a expectativa gerada pela próxima turnê do Iron Maiden, na qual tocarão material da melhor fase de sua carreira, conhecida como os “golden years”, vamos nos relembrar hoje de um dos momentos mais antológicos da história não só da banda, mas de todo o heavy metal: o álbum “Live After Death”. Se você espera ler um texto absolutamente imparcial e que não carrega nos elogios, nem continue. Não é questão de ser mais um fã empolgado escrevendo sobre a Donzela, é porque não dá pra falar sobre esse disco sem caprichar nos elogios.
757 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores5000 acessosSarcófago: Wagner fala da banda, radicalismo, Ghost e muito mais

O ano era o de 1985. Bruce Dickinson, Steve Harris, Dave Murray, Adrian Smith e Nicko McBrain encontravam-se no melhor de sua forma, isso após o Maiden ter dado ao mundo 5 dos mais clássicos álbuns de heavy metal que se tem notícia. Qual seria a melhor maneira de deixar registrada uma fase tão maravilhosa como essa? Com certeza, por meio da gravação de um álbum ao vivo. “Live After Death” é uma amostra da mítica “World Slavery Tour”, a famosa e grandiosa turnê de divulgação do álbum “Powerslave”, lançado em 1984, na qual a banda fez, inclusive, sua primeira aparição no Brasil, durante o primeiro Rock In Rio, em 1985. E esse disco representa exatamente isso: um registro do que é considerado por muitos como o melhor momento da carreira da banda em termos de empolgação e criatividade, tudo documentado em um dos melhores álbuns ao vivo da história do metal.

Esse disco foi lançado com diferentes versões. O vinil original é um álbum duplo, onde o LP1 e o lado A do segundo disco contém as músicas gravadas nas apresentações da banda em 1985 no Long Beach Arena, em Los Angeles, que representavam o setlist básico da “World Slavery Tour”. O lado B do segundo disco trazia mais 5 músicas gravadas no Hammersmith Odeon, na Inglaterra. A primeira versão em CD trazia apenas a gravação de Long Beach e com a música “Running Free” editada em relação à versão do LP. Posteriormente, foi lançada uma outra versão em CD, a qual trazia as mesmas músicas do vinil, incluindo as 5 faixas extras. Existe ainda uma versão bônus rara de “Live After Death”, onde o segundo CD com as 5 músicas gravadas na Inglaterra era substituído por um outro com versões ao vivo das músicas “Losfer Words (Big ‘Orra)”, “ Sanctuary” e “Murders in the Rue Morgue”. Bem, vamos falar sobre a primeira e melhor versão que se conheceu de “Live After Death”, aquela lançada em vinil e na versão remasterizada em CD.

A bolacha começa com uma inusitada introdução, trazendo parte do exaltado discurso do Primeiro Ministro Winston Churchill, apelando aos ingleses para que se mantivessem firmes e resistissem aos constantes ataques ao país durante a Segunda Guerra Mundial. Ao final das palavras do estadista, começam as primeiras notas de “Aces High”, aquela que, com certeza, é uma das 3 melhores canções para se iniciar um show em toda a história do metal. Dona de um misto perfeito entre peso, velocidade, agressividade, melodia e feeling, a música mostra perfeitamente ‘o que é o Maiden’ e ‘porque o Maiden é o Maiden’. O entrosamento é perfeito entre as guitarras de Dave Murray e Adrian Smith, que desfilam sobre a cozinha competente montada por Steve Harris e Nicko McBrain. Bruce Dickinson não atinge os mesmos agudos altíssimos da versão em estúdio e utiliza-se de tons mais graves, um fato que se repetiria em algumas outras canções desse disco. Por isso mesmo, muita gente reclama de sua performance vocal nessa música. Mesmo que ninguém saiba se isso ocorreu simplesmente por opção sua ou por uma dificuldade em se conseguir atingir ao vivo o mesmo desempenho, o fato é que as linhas vocais um pouco mais graves de Mr. Air Raid Siren não deixam de ser excelentes e conseguem empolgar a platéia de uma forma absurda.

A seguir, temos a ótima “2 Minutes To Midnight”, com seu refrão que não sai da cabeça, entremeado por um trabalho primoroso dos guitarristas e pelo baixo de Steve Harris sendo tocado “no talo”. Esta é uma música que ganhou aqui uma versão mais empolgante que a de estúdio. A clássica “The Trooper” ficou mais rápida e pesada em “Live After Death”. Esta é possivelmente, dentre todas as canções do Maiden, aquela onde Dave Murray e Adrian Smith atingem seu máximo em termos de entrosamento. Não há, por exemplo, como dizer qual dos dois faz o melhor solo ou acerta o melhor timbre durante as bases. Bruce Dickinson aqui dá um show de vigor e energia. Uma das melhores versões já registradas de um dos maiores clássicos da banda.

Na canção seguinte, “Revelations”, o Maiden conseguiu a façanha de fazer com que essa música soasse mais dramática do que em “Piece Of Mind”. A beleza da faixa, se já é espantosa em estúdio, ao vivo torna-se mais assustadora ainda. O instrumental é espetacular, apenas perde uma parte melódica conduzida pela guitarra e que não havia como ser reproduzida em shows com apenas duas guitarras, ainda que Bruce Dickinson tocasse o instrumento num pequeno trecho dessa canção. E por falar em Dickinson, é ele quem se sai melhor na execução dessa música, já que consegue um timbre de voz ainda mais emocionante que na versão de estúdio. “Flight Of Icarus” ficou menos “feliz” e com muito mais cara de heavy metal em “Live After Death”. A melodia cheia de feeling, a ótima linha vocal, os belos solos, a cavalgada impressionante do baixo de Harris, nem tanto pela velocidade mas, sobretudo, pela forma como espanca as cordas de seu instrumento sem piedade, são todos fatores que deixaram essa música muito mais empolgante.

Na seqüência, somos brindados com uma das maiores epopéias da história do metal. “Rime Of The Ancient Mariner” já impressiona pelos seus mais de 13 minutos de duração. Aquilo que poderia se tornar uma canção maçante, sobretudo em um show, na verdade mostra-se um dos momentos mais marcantes de “Live After Death” e ainda um dos momentos mais criativos de toda a carreira da banda. A letra, baseada em um poema de Samuel Taylor Coleridge, ganha mais sentido com a interpretação de Bruce Dickinson. E o instrumental? Bem, a técnica e o entrosamento entre os músicos nessa faixa é tamanha, que faz a gente se perguntar se firulas e excessos de virtuosismo são realmente necessários para se fazer uma música de cair o queixo, com mais uma versão que supera a original de estúdio, sobretudo em termos de peso. “Powerslave”, a música, sabe dosar bem momentos de cadência com aqueles de mais agitação. O instrumental dessa faixa, quando executado ao vivo, parece ficar ainda mais bem encaixado com o tema da canção. Dave Murray faz um solo pra lá de inspirado e Steve Harris mostra (mais uma vez) porque toda vez em que se fala de cavalgada no baixo, ele é o primeiro nome que vem à cabeça.

“The Number Of The Beast” cumpre com competência a missão de levantar o público, desde o trecho inicial de sua introdução até o último segundo. A canção seguinte é a espetacular “Hallowed Be Thy Name”, uma música que provavelmente está no top 3 ou top 5 da maioria dos fãs da Donzela. E nesse disco, o Maiden a executa de maneira mais veloz, mais pesada e mais dramática. Não é errado dizer que ela é um dos maiores hinos de todo o heavy metal e que sua versão em “Live After Death” deve ser a melhor que a banda já registrou até hoje para essa música. “Iron Maiden” é a canção que encerra a primeira parte dos shows do Maiden há 27 anos. A entrada de Bruce e Nicko McBrain na banda fez com que essa faixa perdesse um pouco da crueza e brutalidade dos tempos de Paul Di’Anno e Clive Burr. No entanto, sua execução ao vivo com os 2 ganhou em técnica, conforme pode ser observado nessa versão.

Em “Run To The Hills”, Bruce Dickinson, mais uma vez, utiliza-se de tons mais graves, cantando os versos de forma um pouco menos ‘raçuda’ que em outras ocasiões. Só que tocar uma música que tem um refrão como o dessa, será sempre entrar em campo com o jogo já ganho. “Running Free” ganhou 5 minutos a mais na versão de “Live After Death”, pois lá pelo meio da música Bruce começa uma interação com o público, aquela velha história de pedir para a platéia repetir alguma coisa, ver se quem grita mais alto é quem está no lado direito ou esquerdo, aquela coisa toda de show ao vivo. A música em si é outra da era Di’Anno que perde em agressividade. No entanto, não é nada que comprometa a qualidade da canção e muito menos o poder de interação entre a banda e os fãs, que cantam o refrão em uníssono.

Bem, a versão original em CD de “Live After Death” terminava aqui. A primeira prensagem original desse álbum, em vinil, ainda tem um lado B do disco 2, com mais 5 músicas que foram gravadas em apresentações no Hammersmith Odeon, na Inglaterra. “Wrathchild” é uma das poucas músicas desse álbum que não consegue repetir o mesmo nível de estúdio ou até melhorá-lo. Não que ela tenha ficado ruim, mas a versão de estúdio ou aquela do “Maiden Japan” são melhores, talvez pelo fato de que, entre todas as músicas dos 2 primeiros discos, essa é a que melhor se encaixa no estilo vocal de Paul Di’Anno e a que mais se afasta do estilo do Dickinson. Sou suspeito pra falar sobre “22 Acacia Avenue”, já que coloco essa entre as mais criativas músicas do Maiden. Em relação à versão de estúdio, Bruce canta de forma bem mais ‘rasgada’ e muito menos limpa, sobretudo a parte no meio da música, onde ele atingia agudos altíssimos em estúdio. Os riffs ao vivo soam com mais pegada e os solos são excepcionais. A seguir, temos a clássica “Children Of The Damned”, que ganhou uma versão excelente, mais pesada e com vocal mais dramático. Uma música definitivamente fantástica.

As 2 últimas do álbum guardam as versões definitivas de 2 canções do Maiden. “Die With Your Boots On” ficou impressionante, com seu instrumental técnico, entrosado e empolgante. Destaque para Steve Harris e seu baixo. O cara impressiona tanto pela velocidade com que toca quanto pela força com que bate nas cordas de seu instrumento. E Bruce Dickinson tem aqui uma de suas melhores performances no disco. “Phantom Of The Opera”, a última canção da versão em vinil, é outra que deve figurar no top 3 ou top 5 da maior parte dos fãs da banda. Suas mudanças de andamento, suas variações de momentos mais porrada para outros mais calmos e viajantes, seu instrumental inspiradíssimo, tudo isso ainda ficou melhor na versão de “Live After Death”. Sem dúvidas, a versão definitiva dessa música.

A excelente produção desse álbum ficou a cargo do mago Martin Birch e a capa é assinada por Derek Riggs, que entrega aqui um de seus melhores trabalhos para o Maiden, ao lado das capas de “Powerslave” e “Somewhere In Time”.

Se você achou que a resenha tem elogios demais, saiba que eu cortei muitos dos que fiz no texto original que escrevi. “Live After Death” não é apenas um ótimo álbum ao vivo, ele é um dos melhores álbuns ao vivo já lançados no heavy metal, se não for o melhor. Era a maior banda de metal do mundo, tocando uma seleção de suas melhores músicas na melhor fase de sua carreira e ainda melhorando boa parte das músicas em relação às suas versões originais, que já eram fantásticas. Por isso tudo, até dá pra concordar com quem diz que esse disco é a melhor coisa que o Iron Maiden fez em toda a sua carreira. E isso definitivamente não é pouco. Que venha a tour dos ‘golden years’.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Live After Death - Iron Maiden

5000 acessosIron Maiden: 23 anos depois, digno registro em DVD5000 acessosIron Maiden: um registro histórico em nova versão5000 acessosResenha - Live After Death - Iron Maiden

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Iron MaidenIron Maiden
Steve Harris assiste show do Metallica no Canadá

757 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores1236 acessosBruce Dickinson: voando em um bombardeiro da II Guerra Mundial0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Nicko McBrainNicko McBrain
Vídeo de entrevista com vocalista do Matanza

Iron MaidenIron Maiden
Sobre o que fala a música "Lord of the Flies"

Iron MaidenIron Maiden
"The Number Of The Beast" na Rolling Stone em 1982

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"

SarcófagoSarcófago
Wagner fala da banda, radicalismo, Ghost e muito mais

GhostGhost
De quais bandas brasileiras eles gostam?

Débil MetalDébil Metal
Quando os fãs assustam os ídolos

5000 acessosOzzy Osbourne: Madman dá a cura para a ressaca5000 acessosManowar: A vida real e nada épica dos Reis do Metal?5000 acessosFilhos de Rockstars: qualquer coincidência é semelhança5000 acessosMarilyn Manson: de quem é a culpa pelos tiroteios nos EUA?5000 acessosIron Maiden: em vídeo, Bruce aceitou prêmio com garrafa de cerveja na mão2429 acessosVan Halen: ouça o teste de Mitch Malloy para vocal em 1996

Sobre Ronaldo Costa

Nascido na capital paulista em meados dos anos 70, teve a sorte de, ainda bem jovem, descobrir por meio de um primo o debut do Iron Maiden. Quando ouviu “Prowler” pela primeira vez, logo entendeu que aquilo passaria a fazer parte de sua vida. Gosta sobretudo dos clássicos, como Maiden, Judas, Sabbath, Purple, Zeppelin, Metallica, AC/DC, Slayer, mas ouve desde um hard bem leve até um bom death metal. Além da paixão pelo metal e pelo rock em geral, também adora cinema e um bom futebol.

Mais matérias de Ronaldo Costa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online