Resenha - Endless Massacre I - Coletânea

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 8

Primeiro lançamento do selo Violent Records, a coletânea "Endless Massacre I" é um interessante panorama da cena mais extrema do metal brasileiro. Alternando nomes já consagrados e novas revelações, a equipe da gravadora passou seis meses ouvindo material e selecionando os grupos que estariam presentes neste CD.

Rock in Rio: algumas das maiores vaias em edições nacionaisSlash: chapação, a louca e atraente Fergie e Axl Rose


O trabalho pesado foi recompensado: o resultado final deste primeiro "Endless Massacre" apresenta a mesma representatividade e impacto, devidamente adequados à realidade brasileira, dos clássicos volumes da "Metal Massacre" lançados pela Metal Blade nos anos oitenta e noventa, e que registraram as primeiras gravações de bandas fundamentais como Slayer, Exodus e Metallica.

Acho injusto apontar destaques em lançamentos como estes. Cada banda têm a sua história, possui experiências diferentes, e o fato de compará-las acaba gerando injustiças. Mas, independente disso, alguns registros merecem menção. É o caso de "Obscure Soldiers", das lendas do Vulcano. O thrash da veterana Agressor também não fica atrás com "Toxicomaniac". Velhos conhecidos de quem acompanha a cena com mais afinco, nomes como Chemical Disaster, Hierarchical Punishment, Prophetic Age, Sodamned e Torture Squad irão fazer a alegria de todo e qualquer fã de metal extremo.

A título de curiosidade, a espanhola Xerión é o único grupo estrangeiro do projeto, o que atesta, mais uma vez, toda a força do underground nacional.

Um lançamento muito bem-vindo. Adquira o CD através do site da Violent Records (www.violentrec.7vip.net) e apóie o selo e as bandas.

Faixas:
1. Vulcano - Obscure Soldiers
2. Hierarchical Punishment - Kneel Down
3. Sodamned - Sky & Earth
4. Agressor - Toxicomaniac
5. Arum - Scoria Sovereignty Annihilation
6. Morbhius - Awake In The Eternal War
7. Dark Inquisition - Crusade
8. Infector - Eternal Nightmares
9. Chemical Disaster - Mankind Hates Of God
10. Xerión - O Diaño das Tebras
11. Resurrector - Seven Days
12. Blaster - Death To The Idol
13. Torture Squad - Pandemonium
14. First Pagan Monarch - Suffering / Hate Under Pain, Bellow Will
15. Pile Of Corpses - Unholy Fire
16. Pile Of Corpses - Estupra Mas Não Mata
17. Pubianus - Carne Podre / Zumbi do Inferno
18. Pubianus - Pânico
19. Vetor - ... Where Dreams Born
20. Prophetic Age - Through Stormy Skies We Hide Our Hordes




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs

Rock in Rio: algumas das maiores vaias em edições nacionaisRock in Rio
Algumas das maiores vaias em edições nacionais

Slash: chapação, a louca e atraente Fergie e Axl RoseSlash
Chapação, a louca e atraente Fergie e Axl Rose

Cinco contra um?: Roqueiros comentam como a revista Playboy os marcouCinco contra um?
Roqueiros comentam como a revista Playboy os marcou

Krisiun: banda lista os 5 picos mais demoníacos do BrasilKrisiun
Banda lista os 5 picos mais demoníacos do Brasil

Slipknot: para cada Mustaine falando merda há um HetfieldSlipknot
"para cada Mustaine falando merda há um Hetfield"

Rock In Rio: Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985Rock In Rio
Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985

Jack Osbourne: Meu pai não é um idiota, mas sim um gênioJack Osbourne
"Meu pai não é um idiota, mas sim um gênio"


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336