Resenha - Majestic - Gamma Ray

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


Desde 2002 uma nova ordem impera na sonoridade do Gamma Ray. Se antes Kai Hansen e cia. executavam um power/speed metal melódico, com a guitarra esperta de Kai, e os vocais de Ralph Scheepers (depois assumidos por Kai), agora a banda criava arranjos mais viscerais, remetendo ao metal oitentista sem medo de ser rotulada ou criticada. Um retorno as raízes que geraram inclusive o Helloween, banda anterior de Kai. Três anos se passaram e "Majestic" é lançado em meio a problemas dentro da banda e fora dela (o estúdio onde estavam gravando chegou a ser "despejado" com tudo dentro, inclusive a banda). O resultado final dá continuidade ao som mais cru de "No World Order", mas sem renegar as raízes do talentoso quarteto germânico.

Sexo: como se comportam os fãs de cada vertente de Metal?Hair Metal: Os maiores cabelos da história do rock pesado

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

De saída uma paulada "speed" com várias mudanças de andamento e um clima a lá "Black Sabbath" chamada "My Temple", seguida por outra que nos remete ao Gamma Ray da era "Land of the Free", mas mesmo nesta faixa podemos notar que alguns arranjos foram enxugados, para soarem mais pesados. "Strange World" traz um delicioso flerte com o "hard-rock" e um começo aonde o baixo sempre presente de Dirk Schlachter se destaca. Kai abusa das vozes dobradas e dos efeitos, cobrindo com estilo suas limitações vocais.

Para matar a saudade do Gamma Ray "speed", nada como "Hell is thy Name" (com solos fantásticos duelados - aliás o trabalho de Henjo Richter e Kai merece destaque honroso). As duas músicas seguintes são as surpresas do CD: "Blood Religion" traz um clima a lá Iron Maiden, com uma levada épica, e "Condemned to Hell" parece saída de um CD do Pantera. Os "riffs" homenageiam claramente o estilo de Dimebag Darrell, enquanto que a levada cadenciada é típica do CD "The Great Southern Trendkill". As demais faixas se misturam em pedradas "speed" como "Spiritual Dictator", momentos mais "hard" como "How Long" (como a banda se deu bem com o estilo) e puras inspirações "sabbathicas" como "Majesty"., além do épico "Revelation", que encerra o CD em grande estilo.

O Gamma Ray soube neste CD combinar um pouco de tudo o que já fez e ainda assimilar novos elementos em sua musicalidade. De longe o melhor CD da banda, e dado o leque de possibilidades que o mesmo propõe, acredito que o próximo será ainda mais matador. Não percam os shows da banda no Brasil em novembro!

Site Oficial: http://www.gamma-ray.com

Material Cedido Por:
Century Media Brasil
Http://www.centurymedia.com.br
São Paulo (SP)


Outras resenhas de Majestic - Gamma Ray

Resenha - Majestic - Gamma RayResenha - Majestic - Gamma Ray



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Gamma Ray"


Anos 90: 10 shows pouco comentadosAnos 90
10 shows pouco comentados

Covers: quando bandas de Heavy e Power Metal prestam tributoCovers
Quando bandas de Heavy e Power Metal prestam tributo


Sexo: como se comportam os fãs de cada vertente de Metal?Sexo
Como se comportam os fãs de cada vertente de Metal?

Hair Metal: Os maiores cabelos da história do rock pesadoHair Metal
Os maiores cabelos da história do rock pesado


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor