Resenha - Vengeance in Black - Dragonheart

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Clóvis Eduardo
Enviar correções  |  Ver Acessos


Metal épico é a coisa mais difícil de ser feita hoje. Não que pegar umas guitarras, uma bateria, um baixo, juntar dois ou três caras que cantem e façam corinhos nos refrões seja difícil. A parte complicada é juntar tudo isso em um CD, colocar na prateleira e o fã de música pesada passar a mão nele e levar até o caixa e pagar. Bandas que cantam historinhas de dragões, céus em chamas, noites de guerra e heróis de espadas brilhantes chamam a atenção de pegada, mas custam a serem lembradas como clássicas.

Metallica: Ulrich comenta sobre seu maior erroPoeira: Rockstars e as bandas que eles sonhavam fazer parte

E o Dragonheart, que bom, chegou ao terceiro CD. Sem ser clássica, sem inventar modinhas, e sem deixar o contexto citado acima. É um dos exemplos mais importantes dentro do cenário nacional de fazer o que gosta, do jeito que gosta e o melhor de tudo: tem muita gente que gosta de ouvir! Pra quem gostou de "Throne Of The Allience", pode ir se preparando, "Vengeance in Black" é ainda melhor.

Os apreciadores de Grave Digger, Running Wild e Blind Guardian, não devem deixar de conhecer esta banda vinda de Curitiba. Marco Caporasso (guitarra e vocal), Maurício Taborda (baixo e vocal), André Mendes (guitarra e vocal) e Marcelo Caporasso (bateria) são verdadeiros guerreiros donos de sonoridades fortes e coerentes. Os solos e riffs entram rasgantes no ouvido e a bateria é um verdadeiro estrondo (com bumbos destruidores).

Quem se apaixonou pelo refrão de "The blacksmith" ou pela velocidade do solo de "Hall of a Dead Knights" poderá ter a certeza de que no novo CD, haverá mais lembranças boas. São mais riffs, menos momentos melodiosos, e acabaram-se aquelas faixas de introdução com sons de guerra e diálogos com o deus protetor que o Blind Guardian faz insistentemente. Em suma, o CD ficou mais direto, sem embromação e com muito mais energia. Escutando o início de "Eyes of Hell", já se sabe o nível a que o quarteto chegou.

Engraçado é que, nenhum dos vocalistas é, de fato, o vocalista. Os três da linha de frente revezam-se criando novos conceitos para o vocal. Seja com a voz rouca de Maurício Taborda, com a agressiva de Marco Caporasso ou com a melodiosa de André Mendes, há qualidade em todas as faixas. E quando as três se juntam em coro, o teor épico sobe a tons memoráveis.

Mixagem imbatível em relação ao CD anterior, "Vengeance in Black" teve o dedo de Tommy Hansen, na Dinamarca. É uma pena que uma banda de potencial, como é o Dragonheart, precise recorrer a profissionais no exterior para adquirir a sonoridade desejada. Mas este tipo de detalhe é esquecido rapidinho, quando o CD está rolando e se grita "...by the hands of silent sentinel!"

(Hellion Records)


Outras resenhas de Vengeance in Black - Dragonheart

Resenha - Vengeance In Black - DragonHeart




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "DragonHeart"


Café com Ócio: 15 melhores discos do Metal Nacional - 2000 a 2010Café com Ócio
15 melhores discos do Metal Nacional - 2000 a 2010


Metallica: Ulrich comenta sobre seu maior erroMetallica
Ulrich comenta sobre seu maior erro

Poeira: Rockstars e as bandas que eles sonhavam fazer partePoeira
Rockstars e as bandas que eles sonhavam fazer parte

Duff McKagan: Anestesias não funcionam mais no baixistaDuff McKagan
Anestesias não funcionam mais no baixista

Satanismo: O que pensam os que acreditam que rock é coisa do demo?Satanismo
O que pensam os que acreditam que rock é coisa do demo?

VH1: 100 melhores músicas de hard rock de todos os temposVH1
100 melhores músicas de hard rock de todos os tempos

Dave Grohl: US$333 em cerveja e US$333 em gorjeta só para dar US$666Dave Grohl
US$333 em cerveja e US$333 em gorjeta só para dar US$666

Estudo: ouvir Metal pode diminuir raiva e proporcionar emoções positivasEstudo
Ouvir Metal pode diminuir raiva e proporcionar emoções positivas


Sobre Clóvis Eduardo

Clóvis Eduardo Cuco é catarinense, jornalista e metaleiro.

Mais matérias de Clóvis Eduardo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336