Resenha - Tyranny Of Souls - Bruce Dickinson

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

10


Putz, quem sabe, sabe... Bruce Dickinson tem um dom e sabe utilizá-lo como poucos dos cantores que se escuta por aí. "Tyranny Of Souls", seu sexto álbum de estúdio, foi totalmente composto por Bruce e Roy Z, numa parceria que vem dando certo há tempos, contando ainda que Roy cuidou novamente da produção, feita em Los Angeles, EUA.

Os esforços de Bruce Dickinson em sua carreira solo geraram ótimas canções, em especial nos discos "Accident Of Birth" (1997) e "The Chemical Wedding" (1998). Agora, sete anos depois deste último, "Tyranny Of Souls" vem apresentar a mesma fórmula destes dois já citados trabalhos. Possui a sujeira do ‘Chemical’ e algo das melodias do ‘Accident’ e é, em minha opinião, seu melhor registro solo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Apaixonado pela história, suas letras continuam explorando teologia e alquimia, tudo de maneira obscura. Toda a concepção gráfica tem este direcionamento, o encarte é repleto de ilustrações seculares, onde o demônio é o foco principal, inclusive a arte da capa é de 1485, pintada por Hans Menling, que nos brinda com um diabo bem bizarro.

As composições são bem variadas, algumas com bases realmente muito pesadas e velozes, com riffs totalmente power metal, como em "Abduction" e "Soul Intruders". Mesmo com toda sua distorção, os refrão são repletos de melodias belíssimas. O momento para se respirar vem com a faixa lenta e semi-acústica "Navigate The Seas Of The Sun", onde é claro o exemplo de como as baladas metálicas são bonitas e cheias de energia. E não fica só nisto, são dez faixas excelentes, repletas de ótimas guitarras com solos inacreditáveis.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Finalizando, obviamente que é completamente desnecessário comentários sobre a voz excepcional de Dickinson. Mas muitos podem negligenciar Roy Z, cujo trabalho em "Tyranny Of Souls" ficou perfeito, deste seus riffs, os magníficos e já citados solos, além da participação nas composições e produção. Vale mencionar ainda como foi importante seu papel com outras feras, como Judas Priest, Halford, Helloween, Masterplan, etc, etc.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

P.S. – nos créditos deste disco cita-se o tecladista ‘Maestro Mistheria’. Se alguém aí souber quem diabos é este elemento, favor avisar-me...

BRUCE DICKINSON - Tyranny of Souls
(2005 – Century Media)

01 – Mars Within (intro)
02 – Abduction
03 – Soul Intruders
04 – Kill Devil Hill
05 – Navigate The Seas Of The Sun
06 – River Of No Return
07 – Power Of The Sun
08 – Devil On A Hog
09 – Believil
10 – A Tyranny Of Souls


Outras resenhas de Tyranny Of Souls - Bruce Dickinson

Resenha - Tyranny Of Souls - Bruce Dickinson

Resenha - Tyranny of Souls - Bruce Dickinson




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Excessos: como os rockstars gastam os seus milhõesExcessos
Como os rockstars gastam os seus milhões

The Simpsons: 10 melhores aparições de roqueiros no desenhoThe Simpsons
10 melhores aparições de roqueiros no desenho


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Cli336 Cli336 Cli336 CliIL