Resenha - Faces - Symbols

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Muito rebuliço se fez em torno do Symbols quando Edu Falaschi deixou a banda para integrar o Angra e Tito Falaschi saiu para seguir seus outros projetos pessoais. Muito se especulou, a banda que executava um power metal extremamente agressivo poderia se tornar uma banda de pop/rock, como muitos disseram. Mas "Faces", o terceiro disco da carreira do grupo, mostra que a banda nunca deixou totalmente de lado o heavy metal. Mesmo com uma formação totalmente diferente.

Black Sabbath: Tony Iommi explica como tocar "Paranoid"Black Sabbath: o dia em que Tony Iommi quase matou Bill Ward

Demian Tiguez (vocal e guitarra), César Talarico (baixo), Fabrizio di Sarno (teclado) e Rodrigo Mello (bateria) assinaram com a Hellion para o lançamento de "Faces", um disco bem curioso. Curioso, pois se por um lado a banda não deixou o espírito heavy metal, por um outro ela está investindo em composições mais hard rock e em diversas baladas. Se bem que considero que as baladas não sejam tão surpreendentes, afinal, esta sempre foi uma característica forte da banda, como exemplos "Hard Feelings" e "Love Through the Night", duas grandes composições. Quanto à banda, Demian Tiguez está muito bem encaixado como vocalista, possuindo um timbre que poderá nos lembrar Edu Falaschi na sua época de Symbols. E Demian acaba sendo o maior destaque desta nova formação, não por apenas ser o único vocalista, mas também por ser o único guitarrista da banda desta vez, responsável por mais da metade de tudo o que o Symbols faz em "Faces".

"Faces", a faixa título, abre o disco. Com uma pegada puramente hard rock é uma das composições que melhor repercussão deve obter com os fãs, isto por ser a mais pesada de todo o disco. Se você prestar bastante atenção na letra desta faixa, irá perceber que ela retrata a volta à ativa do Symbols. "Indian's Soul" é uma faixa bem atmosférica, cadenciada, muito boa, assim como "Waiting for the Sunrise", uma das melhores do álbum na minha opinião. Com um clima arrastado e um refrão empolgante, outro destaque deste CD acaba por ser a faixa "Bright Times", outra balada. Com um jogo de vozes, orquestrações e muito teclado, a faixa possui ainda uma versão extra como bônus, com a voz de Edu Falaschi, que mesmo fora do Symbols continua sendo amigo dos ex-integrantes de sua época, Demian e Rodrigo Mello. Outra faixa a se destacar é "The Little Inside the Ocean", com direito a partes acústicas e até alguns riffs de muito peso. Novamente, destaque para o refrão empolgante. Não que as outras faixas sejam ruins, mas as demais não possuem tanto brilho como as aqui citadas.

"Faces" é um bom retorno do Symbols, mas longe de ser um disco magistral como "Symbols" ou "Call to the End". A banda não é mais a mesma, o direcionamento não é mais o mesmo. Faltou um pouco de maiores inspirações para fazer um disco excepcional e um retorno glorioso, mas acredito que com o tempo a banda vai se aperfeiçoando longe das sombras dos irmãos Falaschi.

Line-up:
Demian Tiguez (vocal/guitarra);
César Talarico (baixo);
Fabrizio di Sarno (teclado);
Rodrigo Mello (bateria).

Track-list:
01. Faces
02. The Indian's Soul
03. Waiting for the Sunrise
04. Living Another Day
05. Bright Times
06. The Rainy Nights
07. The Little Inside the Ocean
08. The Zen Archer
09. God's Gift
10. Bright Times (Edu Falaschi)


Outras resenhas de Faces - Symbols

Resenha - Faces - Symbols




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Symbols"


Edu Falaschi: os dez vocalistas brasileiros preferidos deleEdu Falaschi
Os dez vocalistas brasileiros preferidos dele

Família: irmãos que tocam ou já tocaram juntos na mesma bandaFamília
Irmãos que tocam ou já tocaram juntos na mesma banda


Black Sabbath: Tony Iommi explica como tocar ParanoidBlack Sabbath
Tony Iommi explica como tocar "Paranoid"

Black Sabbath: o dia em que Tony Iommi quase matou Bill WardBlack Sabbath
O dia em que Tony Iommi quase matou Bill Ward

Viking Metal: Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!Viking Metal
Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!

Hall Of Shame: as melhores músicas ruins da história do MetalHall Of Shame
As melhores músicas ruins da história do Metal

Metallica: a regressão técnica de Lars UlrichMetallica
A regressão técnica de Lars Ulrich

Slipknot: as mudanças na voz de Corey Taylor de 1999 a 2015Slipknot
As mudanças na voz de Corey Taylor de 1999 a 2015

Beatles: As 10 piores músicas segundo o Ultimate Classic RockBeatles
As 10 piores músicas segundo o Ultimate Classic Rock


Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336