Resenha - Change - Richie Kotzen

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Maurício Gomes Angelo
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 9


Gênio. É uma das definições mais comuns quando ouço falar de Richie Kotzen. Ex-guitarrista do Poison, tendo lançado o álbum Native Tongue de 1993 com a banda e segundo reza a lenda expulso da mesma por ter traçado a noiva de Rikki Rockett (apenas um dos muitos casos amorosos de Kotzen), o importante é que sua já longa carreira solo sempre se caracterizou por apresentar grandes álbuns numa sonoridade única.

Roadrunner: os dez melhores vídeo-clipes da gravadoraSeparados no nascimento: Alice Cooper e Gretchen

E se você começou a ouvir metal agora e/ou acha que o estilo é a única coisa que presta no mundo da música, pode parar de ler esta resenha agora e volte daqui a alguns anos (espero que o mais breve possível). O que Kotzen traz em "Change" é um trabalho honesto e vigoroso. Seu hard/pop jazzístico apresenta muito suingue e um feeling inacreditável. Melodias irresistíveis transbordam pelas músicas, solos sofisticados e gostosíssimos de se ouvir lhe surpreendem á todo momento e um trabalho vocal igualmente arrebatador capitaneado por sua voz macia e sensual, com aquele "quê" de soul intensificado por backings maravilhosos.

"Forever One" é a mais rock n' roll do álbum, começando muito bem. "Get a Life" vai fazê-lo dançar, levando-o a cantar o refrão como uma criança!!! E este trabalho tem a incrível capacidade de fazer com que aprenda os refrãos logo na primeira audição. Eu não disse que era irresistível?
A faixa título é a típica balada paradisíaca que só pessoas dotadas de um senso incomum conseguem fazer. "High" é um momento inspiradíssimo, com doses progressivas de melancolia típicas do blues intermeadas por uma estranha sensação de bem estar.

Outros destaques são a maravilhosa "Shine" em versão acústica, lançada anteriormente no álbum "Actual Size" do Mr-Big, o encantador jazz instrumental "Unity" e a ultra-romântica "Don't Ask".

Música sem fronteiras, preconceitos e limites, permitindo-se flertar até com o r&b e o hip-hop, como na quase gangsta "Fast Money Fast Cars" - nomezinho sintomático. Richie ainda gravou todos os instrumentos e não decepcionou em nenhum.

"Change" transpira honestidade, talento e bom gosto. Maravilhosa iniciativa da Wet Music, uma mais do que bem vinda nova gravadora nacional, que já assinalou o lançamento do acústico de Kotzen este ano, tomara que lancem também os trabalhos antigos dele. Tenho certeza que ouvirei este álbum por muitas e muitas vezes durante minha vida, pois seu espírito não tem contra-indicações, além de ser completamente envolvente e suculento. Gosta de músicos extremamente competentes e criativos fazendo boa música sem se preocupar com o mercado? Então confira "Change" e tenha momentos inesquecíveis ao seu lado.

BIG ROCK MUSIC
Site: www.bigrockmusic.com.br
Telefone: (11) 4330 0499
Tel / Fax: (11) 4125-0831
Email: bigrock@bigrockmusic.com.br


Outras resenhas de Change - Richie Kotzen

Resenha - Change - Richie Kotzen




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Richie Kotzen"


Richie Kotzen: suas influências, Mr Big, projetos, e maisRichie Kotzen
Suas influências, Mr Big, projetos, e mais

Sons Of Apollo: qual a opinião de Richie Kotzen sobre a bandaSons Of Apollo
Qual a opinião de Richie Kotzen sobre a banda

Adrian Smith: reunindo Trujillo, Taylor Hawkins e mais em jam para esposaAdrian Smith
Reunindo Trujillo, Taylor Hawkins e mais em jam para esposa


Roadrunner: os dez melhores vídeo-clipes da gravadoraRoadrunner
Os dez melhores vídeo-clipes da gravadora

Separados no nascimento: Alice Cooper e GretchenSeparados no nascimento
Alice Cooper e Gretchen

Nirvana: Teoria é um desperdício de tempo, dizia KurtNirvana
"Teoria é um desperdício de tempo", dizia Kurt

Capas de álbuns: algumas curiosidades e históriasCapas de álbuns
Algumas curiosidades e histórias

Rock: 25 fotos pra fazer você continuar acreditando na músicaRock
25 fotos pra fazer você continuar acreditando na música

Axl Rose: Ele não se considera o dono da melhor voz do mundoAxl Rose
Ele não se considera o dono da melhor voz do mundo

Black Sabbath: por que Ian Gillan não aprendeu as letras da banda?Black Sabbath
Por que Ian Gillan não aprendeu as letras da banda?


Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336