Matérias Mais Lidas

imagemO rockstar por quem Max Cavalera era fanático, mas não conheceu por causa da bebida

imagemEdu Falaschi diz que não tem vergonha de suas falas que viraram meme no DVD do "Rebirth"

imagemMaiden faz homenagem a Eddie, do Stranger Things, que foi inspirado em tragédia real

imagem10 músicas dos Beatles das quais Paul McCartney não gostava

imagemA banda brasileira que está "pronta para o mercado internacional", segundo Regis Tadeu

imagemRichard Fortus diz que Axl Rose danificou as cordas vocais

imagemA prática mesquinha de bandas que Edu Falaschi considera "desrespeitoso com o fã"

imagemFlea agradece brasileiro que teve receio de pedir foto ao encontrá-lo

imagemQuando Dave Mustaine mostrou como tocar uma música do Metallica de forma mais pesada

imagemOs dez álbuns de Heavy Metal favoritos de Rob Halford, e os dez de qualquer gênero

imagemEm post no TikTok, Metallica pede para fãs antigos pararem de perseguir os fãs novatos

imagemSlash explica porque o Guns N' Roses faz shows de 3 horas e meia

imagemO clássico dos Stones que foi escrito em um motel e não deixou Keith Richards satisfeito

imagemLed Zeppelin: Crítica de George Harrison fez Jimmy Page compor "The Rain Song"

imagemProdutora explica como "Master of Puppets" foi parar em "Stranger Things"


Airbourne 2022
Finlandia 2022

Resenha - Abyss of Hypocrisy - Mental Horror

Por Paulo Finatto Jr.
Em 13/12/04

Nota: 9

Em 2002 a banda gaúcha Mental Horror causou muito estardalhaço com o seu primeiro disco, "Proclaiming Vengeance". O disco primeiramente foi lançado na América do Norte pela conceituada gravadora Necropolis Records, foi parar na Europa via Displeased Records e acabou sendo licenciado aqui no Brasil pela Encore Records. Pelo estilo que o grupo executa, algo que as bandas brasileiras fazem muito bem – o death metal extremo – a receptividade do nome Mental Horror lá fora foi bem interessante, ainda mais quando relacionamos o trabalho deste trio com os seus conterrâneos do Krisiun.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Adriano Martini (vocal e guitarra), Cézar Meirelles (baixo) e Robles Dresch (bateria); os mesmos integrantes do primeiro disco, trazem aqui em seu segundo material novamente um death metal extremo e brutal, porém muito melhor composto e executado se compararmos com o seu primeiro disco. Está certo que a produção aqui ficou um pouco inferior, mas vemos como o Mental Horror evoluiu de um CD para o outro, criando composições mais interessantes, com mais energia e um instrumental nitidamente mais elaborado. A produção aquém do esperado acabou prejudicando em grande escala a participação de Adriano nos vocais: sempre a sua voz parece surgir por trás de seus riffs cavalares. Com este problema também encontramos Cézar Meirelles, que acabou um pouco escondido pelo magnífico trabalho de Robles Dresch na bateria. Este último músico citado, o que acaba merecendo maiores elogios, afinal são poucos que conseguem se manter bem tocando com tanta velocidade (sem deixar a técnica de lado).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Se a gravação acabou não sendo algo destacável neste CD, sua capa está bem interessante, assim como a grande maioria das músicas do álbum. Enfim, faltou apenas alguns detalhes para não termos aqui um dos mais expressivos lançamentos do metal extremo nacional em 2004. Se há dúvidas quanto a isso, basta conferir a brutal "Destructor of Temple", uma faixa daquelas que fará você por em ‘repeat’ no seu CD player por algumas vezes. Depois de uma introdução, "Messenger" aparece, uma faixa na mesma linha desta última citada. Estas duas músicas citadas até aqui comprovam como o instrumental do trio está melhor elaborado. Depois de "Vae Solis", uma faixa totalmente instrumental e muito agressiva, mais uma introdução aparece no material para mais uma faixa merecedora de elogios: "Reborn for Blasphemy", trazendo algumas variações na maneira de cantar por parte de Adriano Martini, e por conseqüência disto, a minha música predileta dentro de "Abyss of Hypocrisy". Finalizando o disco, mais outra introdução (um fato interessante se tratando de uma banda de brutal death metal) e a faixa bônus "Crucify the Liar" – que também merece ser ouvida com atenção.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Sim, certamente o Mental Horror está se consolidando como um nome de respeito dentro do nosso cenário extremo, que já revelou tantos nomes e continua revelando. Qualidade e bons trabalhos a banda aqui já possui, com uma divulgação intensa e por que não, uma turnê pelo Brasil, colocará o nome do grupo em posições de maior destaque.

Site oficial: www.mentalhorror.cjb.net

Line-up:
Adriano Martini (vocal/guitarra);
Cézar Meirelles (baixo);
Robles Dresch (bateria).

Track-list:
01. Purification by Hallowed Flames
02. Destructor of Temple
03. Scourge of Beast
04. Angel of Vengeance
05. Abyss of Hypocrisy
06. Messenger
07. Vae Solis (Armageddon Song)
08. Shurpu Baragal
09. Reborn for Blasphemy
10. Gigim Xul
11. Crucify the Liar

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Material cedido por:
Encore Records
http://www.encorerecords.com.br

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash


Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre

Mais matérias de Paulo Finatto Jr..