Resenha - August Engine - Hammers Of Misfortune

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Susto, surpresa, fascínio. Não sei se estas palavras são suficientes para englobar o que a primeira audição do Hammers Of Misfortune ascende. "The August Engine" é tão fora de padrões que precisei ouvi-lo muitas vezes para alcançar algum tipo de compreensão capaz de ser descrita sem excessos.

Power Metal: os dez álbuns essenciais do gêneroIron Maiden: o que os grandes músicos acham da banda?

Rotulá-los como uma banda de doom seria estúpido, mas o Candlemass passou por estas mentes. Chamá-los de folk parece inadequado, porém é possível apreender influências de Skyclad e lembranças de Cruachan. O passado do grupo diz que podemos rondar a horda black metal. Todavia, não é o que escutamos em "The August Engine". As vocalizações - lembrando que quatro dos cinco integrantes cantam - trazem à baila, por vezes, o rock progressivo dos anos setenta. De qualquer maneira, é também insuficiente dizer que estamos perante um grupo setentista ou prog. Enfim, há tudo isto num disco que é só e suficientemente renascentista.

A arte surge em relevo nas composições John Cobbett e através dos pés, mãos e vozes de seus companheiros. Aliás poucos são os conjuntos dos quais me recordo capazes de tão belo trabalho nos vocais. Nenhum deles é um grande cantor, de cair o queixo, mas juntos chegam a assustar. Contrapontos, passagens complexas, contraste de estilos; mais do que melodia, falamos de harmonia vocal.

O que há de errado aqui então? Nada em termos de arranjos e execução. No entanto, alguns instrumentos, sobretudo o violão, mereciam um acerto melhor. Ao concluírem o álbum, imagino eu, exauridos, não conseguiram dar um ajuste final em timbres e detalhes chaves que até passam desapercebidos numa primeira escuta, mas que ficam claros posteriormente.

Os americanos merecem uma audição minuciosa e trazem extraordinários elementos e novidades à música pesada. Se não alcançaram cem por cento desta vez, mais cedo ou mais tarde o farão. Com qualidade e criatividade tamanhas, não há do que duvidarmos.

Site Oficial - http://www.hammersofmisfortune.com

Mike Scalzi (Vocais - Guitarra)
John Cobbett (Vocais - Guitarra)
Jamie Myers (Vocais - Baixo)
Siegrid Sheie (Vocais - Teclado - Piano)
Chewy (Bateria)

Material cedido por:
Cruz Del Sur Music - http://www.cruzdelsurmusic.com
C.P. 5109, 00152
ROMA Ostiense - ITALY
Email: info@cruzdelsurmusic.com


Outras resenhas de August Engine - Hammers Of Misfortune

Resenha - August Engine - Hammers Of Misfortune




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Hammers Of Misfortune"


Power Metal: os dez álbuns essenciais do gêneroPower Metal
Os dez álbuns essenciais do gênero

Iron Maiden: o que os grandes músicos acham da banda?Iron Maiden
O que os grandes músicos acham da banda?


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336