Resenha - Episode 2 - In Search Of The Little Prince - Genius - A Rock Opera

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 6


Esta capa tosca com Daniel Gildenlöw usando um capacetinho de super-herói futurista não deixava muitas dúvidas: Daniele Liverani estava escorrendo no quiabo depois do primeiro lançamento de "Genius", repetindo a carreira de seu instável grupo Empty Tremor.

Guns N Roses: Bon Jovi fez com Steven Tyler o que ele fez com AxlHall Of Fame: 500 Músicas Que Marcaram o Rock and Roll

O segundo episódio da trilogia escrita por Liverani não é um desastre por três fatores em especial: a presença dos vocalistas de Pain Of Salvation e Symphony X; alguns belíssimos lampejos do italiano mentor do projeto, como "He Will Die" e "Far Away From Here"; e vários duetos curiosos, que qualquer fã se interessa em ouvir, caso de Daniel Gildenlöw / Russell Allen e Edu Falaschi / Mark Boals.

É triste ver que erros da primeira parte se repetem, e aparecem ainda outros falhas, talvez piores, e de puro desperdício de talento. Por exemplo, "Playing In Their Dreams", única faixa com participação de Falaschi, o qual, apesar de todos os esforços, e boa atuação, não consegue apagar a questionável qualidade da maioria das composições. Igualmente "To Be Free", desgastando a imagem de Liv Kristine.

Mark Boals finalmente vai aprender que a técnica é apenas um 'a mais', sem dúvida importante, na formação de um músico. Ele novamente insiste em usar e abusar de agudos nada vibrantes e uma técnica perfeita, mas sem qualquer emoção. Conseqüência óbvia: o ex-vocal de Yngwie J. Malmsteen parece uma criança de colo toda vez que Gildenlöw e Allen atuam, interpretam, e fazem tudo que sabemos que são capazes.

Mesmo com o "contador de histórias" Philip Bynoe intermediando as passagens e dando lógica ao conceito, é impossível não se irritar com a incapacidade de Liverani em desenvolver uma atmosfera mais fechada e única, de um trabalho realmente coeso. As faixas parecem desconexas. E é este o fator chave que o deixa muito distante de Arjen Lucassen ou Nikolo Kotzev, só para mencionar alguns compositores que seguem a mesma idéia, usando vários vocalistas, porém realizando excelentes rock óperas.

Se Daniele Liverani quiser pelo menos se aproximar do título de "gênio" deveria começar imediatamente a lapidar teoria e o desenvolvimento de suas músicas para o terceiro e último capítulo de "Genius", além de reformular a hierarquia dos participantes e até os personagens.

Site Oficial - http://www.geniusrockopera.com

Material cedido por:
Hellion Records - http://www.hellionrecords.com
Rua 24 de Maio, 62 - Lojas 280 / 282 / 308 - Centro.
São Paulo - SP - BRASIL
CEP: 01041-900
Tel: (11) 5083-2727 / 5083-9797 / 5539-7415
Fax: (11) 5549-0083
Email: hellion@uol.com.br




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Genius"


Guns N Roses: Bon Jovi fez com Steven Tyler o que ele fez com AxlGuns N Roses
Bon Jovi fez com Steven Tyler o que ele fez com Axl

Hall Of Fame: 500 Músicas Que Marcaram o Rock and RollHall Of Fame
500 Músicas Que Marcaram o Rock and Roll


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336