Resenha - Split - D. Borgir & Old Man's Child

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Sílvio Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos


O Dimmu Borgir é hoje a principal referência quando se fala em black metal sinfônico. O Old Man's Child pode orgulhar-se de ser uma das poucas bandas de black metal 100 % "descompromissada", mantendo-se sempre como um projeto que acabou ficando, digamos, sério demais. Em 1996, as coisas estavam começando a acontecer para o quarteto, que havia lançado pelo selo Cacophonous (responsável pelos primeiros lançamentos do Cradle of Filth) o hoje clássico Stormblast. Eles se reuniram no Stovner Rockefabrikk, o mesmo estúdio de Oslo onde eles haviam gravado seu primeiro full-leght - For All Tid - e gravaram as quatro faixas que integram este EP.

Dimmu Borgir: drumcam de "Ætheric" tocada no festival Rockstadt Extreme; assistaFotos de Infância: Amy Lee, do Evanescence, muito antes da fama

O Old Man's Child surgiu em 1993 graças às inúmeras tentativas do guitarrista Thomas Rune Andersen (Galder) em recuperar um pouco daquela velha escola do black metal europeu, representada por bandas como Celtic Frost e Venom, principalmente. A primeira demo do grupo (que contava ainda com Jon Øyvind Andersen (Jardar), foi gravada em 1994 e serve para estabelecer a ligação do Old Man's Child com o Dimmu Borgir. O baixista da demo foi Nagash e o baterista Tjodalv, fundador do Old Man's Child junto com Galder e Jardar, se juntaria ao Dimmu por volta de 1994.

Essa conversa fiada introdutória serve para apresentar um trabalho que vai emocionar muito os fãs dos dois grupos. Trata-se do split-CD que traz o EP "Devil's Path" do Dimmu Borgir e a primeira gravação do Old Man's Child - In the Shades of Life - gravada originalmente em 1994. Esse split já é bem antigo (a primeira vez que apareceu neste formato foi em 1999, lançado pelo selo inglês Hot Records), mas só agora aparece em versão nacional pela Encore Records. Trata-se de um trabalho que mostra os caminhos trilhados por dois dos maiores nomes do black metal mundial. Antes de explodir, o Dimmu Borgir já era uma banda que se diferenciava pelo capricho nos detalhes e pela extrema competência dos seus músicos. O Old Man's Child, por outro lado, acaba se destacando pelo material incrivelmente original e pelo grande talento de Galder como compositor e, principalmente, no comando dos microfones do conjunto.

"Devil's Path" tem 4 faixas, sendo duas inéditas na ocasião em que foi lançado pela primeira vez. O disco abre com uma versão incrível de "Master of Disharmony". Muito diferente da versão que seria conhecida através do clássico "Enthroned Darkness Triumphant", aqui quem manda são os riffs de Erkekjetter Silenoz. Os efeitos nos vocais de Shagrath tornaram tudo muito mais sombrio, mas, é evidente, o principal problema é a qualidade da gravação, que nem chega perto dos resultados obtidos posteriormente no The Abyss, com Peter Tägtgren no comando da produção. Na seqüência, a velocíssima "Devil's Path", apresentando um trabalho mais elaborado de teclados e uma grande letra. Só para lembrar, essas são as duas faixas são os primeiros registros oficiais da banda cantando em inglês. As outras duas faixas que integram o EP são duas versões para "Nocturnal Fear" do Celtic Frost. A principal diferença entre as duas versões é que a primeira está com a roupagem do Dimmu e a segunda é igualzinha àquela presente do EP "Emperor's Return" dos mestres suiços do black metal, com Shagrath imitando com perfeição os vocais de Thomas Gabriel Warrior.

O Old Man's Child vem com Galder (G/V/K, à época ainda conhecido como Grusom), Jardar (G) e, do Dimmu Borgir, o batera Tjodalv, além do baixista Tristan, que integraria o Dimmu em seguida. Apesar da violência, peso e velocidade da primeira faixa - "St. Aidens Fall" - quem comanda aqui são os teclados (também tocados por Galder) e o excelente trabalho de Tjodalv. Em seguida, uma faixa com um belo violão, acompanhado por uma base incrivelmente pesada, introduz "Seeds of the Ancient Gods", a melhor deste EP. Novamente, Tjodalv é grande destaque. A mais pesada do disco inteiro (incluindo a parte do Dimmu Borgir) é a incrível "Old Man's Child". Essa música tem um dos riffs mais incríveis já criados em termos de black metal e uma levada de bateria simplesmente alucinante. Em alguns momentos, chega a lembrar os mestres do Immortal.

Esse lançamento serve para mostrar que o nível a que chegou o black metal europeu, sobretudo o norueguês, é fruto de muita ralação e não foi uma "explosão", mas sim um trabalho lentamente desenvolvido. Essas duas bandas, apesar de trilharem caminhos um pouco diferentes, ainda estão fortemente conectadas, não apenas pelo fato de ambas agora contarem com o grande talento de Galder, mas por estarem sempre preocupadas em oferecer trabalhos de qualidade, contrariando a idéia de que black metal tem que ser tosco para ser bom. Basta dar uma olhadinha nos últimos lançamentos das duas bandas para se confirmar que o bom black metal é feito com muito talento e cuidado. Por mais que acusem as bandas de terem "se vendido" ao mainstream, eles estão provando hoje o que já era possível de se perceber à época do lançamento deste split. Criatividade, talento e qualidade técnica são essenciais em qualquer estilo de música e o black metal não foge a essa regra.

Dimmu Borgir:
Shagrath - Voz, Guitarra, Sintetizadores
Nagash - Baixo
Erkekjetter Silenoz - Guitarra
Tjodalv - Bateria

Old Man's Child:
Galder - Voz, Guitarra, Sintetizadores
Jardar - Guitarra
Brynjard Tristan - Baixo
Tjodalv - Bateria e vocais.

Material cedido por:
http://www.encorerecords.com.br

http://www.dimmu-borgir.com
http://www.oldmanschild.tk



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dimmu Borgir"Todas as matérias sobre "Old Mans Child"


Dimmu Borgir: drumcam de "Ætheric" tocada no festival Rockstadt Extreme; assista

Metal Injection: 20 álbuns que completam 20 anos em 2017Metal Injection
20 álbuns que completam 20 anos em 2017

Halloween: dez clássicos do Heavy Metal para curtir a dataHalloween
Dez clássicos do Heavy Metal para curtir a data


Fotos de Infância: Amy Lee, do Evanescence, muito antes da famaFotos de Infância
Amy Lee, do Evanescence, muito antes da fama

Kurt Cobain: a teoria de assassinato do músicoKurt Cobain
A teoria de assassinato do músico


Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa no Whiplash.Net.