Resenha - No Ritmo da Vida - Wander Wildner

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Anderson Nascimento
Enviar correções  |  Ver Acessos


Encartado com o número dois da revista Outracoisa, o novo cd do punker Gaúcho Wander Wildner, é uma coletânea de hits acrescida de algumas músicas inéditas do cancioneiro auto-biográfico do cara.

Futebol: conheça os times do coração de alguns rockstarsViking Metal: Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!

O sujeito é um cara super citado (e elogiado) pelos veículos musicais e artistas brasileiros, o que por si só já é um ponto de referência para o artista e esse disco traz um pouco do seu perfil nas suas doze músicas, produzidas quase integralmente por ele e pelo rodado Tom Capone.

Este disco é o quinto de sua carreira solo, Wander fez/faz história junto da banda oitentista "Replicantes" que está completando 20 anos de carreira. Em sua carreira solo, Wildner iniciou um estilo chamado de Punk Brega, justamente por descrever sua vida em cada uma das músicas.

Para quem ainda não conhecia, o disco tem a versão original de "Bebendo Vinho", que fora regravada pelo Ira! no disco "Isso é Amor" e, surpresa, o vocal arrastado de Wander Wildner é o mesmo usado por Nasi na versão do Ira!.

As músicas desfilam versos super conflituosos e de uma sinceridade ímpar, como é o caso da música "Mantra das Possibilidades" ("minha vontade é ser bonito, mas eu não consigo...", "sonho em ter cabelo comprido, mas eu não consigo..."). É assim também na música "Anjos e Demônios" ("Anjos e Demônios passam por mim, cruzam os céus e zombam de mim..."). "Eu não consigo ser alegre o tempo inteiro", segue a linha brega e é um dos destaques do disco, é um rock a lá anos 80 que descreve uma dor de cotovelo de um amor mal resolvido. "O sol que me ilumina", também fala sobre um relacionamento "Foi uma linda história de amor, provavelmente a maior, depois que acabou minha vida virou um inferno", diz o próprio Wander a respeito da música que lembra Renato Russo na época de "A Tempestade".

Mas o disco também traz uns hits bem pesados como "Eu tenho uma camisa escrita eu te amo" e "On the road", escapista e empolgante ao extremo.

Outro destaque é a música "Damas da noite" sobre "as mulheres da vida", letra forte e realista que entrega o estilo escancarado de compor de Wander Wildner.

Por fim, o disco ainda traz um soneto musicado de Glauco Matoso chamado "Ensaístico" interpretado e pontencializado pelo esporro da voz do cantor.

Enfim, é uma excelente oportunidade para que não conhece o artista sair do zero e curtir este brilhante compositor.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Wander Wildner"


Futebol: conheça os times do coração de alguns rockstarsFutebol
Conheça os times do coração de alguns rockstars

Viking Metal: Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!Viking Metal
Com um machado na mão, o que você quiser, você pode!


Sobre Anderson Nascimento

Anderson Nascimento é Analista de Sistema e Professor Universitário de profissão, tendo cursado Pós-Graduação em Análise, Projeto e Gerência de Sistemas na PUC-RJ. Sua grande paixão é a música, começou a colecionar discos ainda na época do vinil, em 1986, com o álbum Abbey Road dos Beatles. Esse foi o primeiro passo para esse hobby que viria a se tornar tão importante em sua vida. Entre as várias atividades no meio musical, Anderson é compositor e integrou a banda de rock Projeto:Paradoxo entre 1996 e 2004. Anderson é um ávido colecionador de discos e também escreveu sobre música em vários veículos de comunicação.

Mais matérias de Anderson Nascimento no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336