Resenha - Zero e Um - Dead Fish

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Raphael Crespo
Enviar correções  |  Ver Acessos


Desconhecidos do grande público, mas enormes no underground nacional, os capixabas do Dead Fish chegam a seu quarto CD de inéditas com um trabalho completamente profissional e muito bem produzido, que, do alto de sua maturidade de 13 anos de estrada, credencia a banda a um lugar de destaque no cenário do rock brasileiro. Ao contrário dos três primeiros e do CD Ao vivo lançado em 2002, todos bancados pela própria banda, Zero e um, tem o respaldo da gravadora Deck Disc e até mesmo uma mixagem internacional, feita pelo renomado Ryan Greene, que já trabalhou em discos de bandas importantes do hardcore mundial, como NoFX e Sick of it All.

Kazagastão: Rodrigo Lima do Dead Fish entrevistado por Gastão Moreira (vídeo)Duff McKagan: "Justin Bieber é um roqueiro de verdade!"

Com seu punk rock melódico com toques de hardcores, o Dead Fish bota no chinelo o CPM 22, novos queridinhos das adolescentes pseudo-revoltadas e crentes que são punk rock. Para começo e fim de conversa, a banda tem letras inteligentes e não se resume a baboseiras românticas, como o bom e velho estilo criado por Ramones e Sex Pistols deve ser. E a grande diferença está aí.

Zero e um é composto de 14 músicas, uma pancada atrás da outra, além de uma faixa interativa, com o clipe da faixa-título, e um vídeo com a banda e o produtor do CD, Rafael ''ex-Baba Cósmica'' Ramos, falando sobre o processo de produção e as músicas. O som está de primeira, assim como o visual do CD. Alyand (baixo e voz) Hóspede (guitarra), Nô (bateria), Philippe (guitarra e voz) e Rodrigo (voz) apresentam uma segurança enorme em suas composições, com muito peso nas guitarras, uma cozinha competente e vocais nervosos, como o punk rock deve ser.

Logo de cara, Zero e um é a música que mais salta aos ouvidos, com uma bateria veloz e uma letra super interessante, que fala da relação do homem com o progresso da tecnologia. O próprio título se refere ao código binário, que é a linguagem mais básica e fundamental para o funcionamento de um computador. Queda livre, com o refrão ''Você é covarde demais!'', é outra que se destaca. Senhor, seu troco e Desencontros são as faixas arrasa-quarteirão, rápidas, pesadas e rasteiras, ao ponto que Você diminuiu um pouco o ritmo, mas sem deixar o pique cair. Enfim, é um disco de punk rock honesto, enérgico, de uma banda que, há muito tempo, já está merecendo um bom lugar ao sol.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dead Fish"


Kazagastão: Rodrigo Lima do Dead Fish entrevistado por Gastão Moreira (vídeo)Dead Fish: "Subjetividade em tempos de fake news não ajuda muito", diz Rodrigo LimaDead Fish: lançado clipe de "Sombras da Caverna"Dead Fish: sorteio de ingresso para show em POA

Humor: o Quadradinho de oito hardcore no show do Dead FishHumor
O Quadradinho de oito hardcore no show do Dead Fish

Dead Fish: A proposta mais indecente que a banda já recebeu pelo FacebookDead Fish
A proposta mais indecente que a banda já recebeu pelo Facebook


Duff McKagan: Justin Bieber é um roqueiro de verdade!Duff McKagan
"Justin Bieber é um roqueiro de verdade!"

Indústria: atrizes pornô começam a seguir mesmo rumo das bandasIndústria
Atrizes pornô começam a seguir mesmo rumo das bandas


Sobre Raphael Crespo

Raphael Crespo é jornalista, carioca, tem 25 anos, e sempre trabalhou na área esportiva, com passagens pelo jornal LANCE! e pelo LANCENET!. Atualmente, é editor de esportes do JB Online, mas seu gosto por heavy metal o levou a colaborar com a seção de musicalidade do site do Jornal do Brasil, com críticas de CDs e algumas matérias especiais, que também estão reunidas em seu blog (http://www.reviews.blogger.com.br). Sua preferência é pelo thrash metal oitentista, mas qualquer coisa em termos de som pesado é só levantar na área que ele mata no peito e chuta. Gosta também de outros tipos de som, como MPB, jazz e blues, mas só se atreve a escrever sobre o que conhece melhor: o metal.

Mais matérias de Raphael Crespo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336