Resenha - Glorious Burden - Iced Earth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Sílvio Costa
Enviar Correções  


Agora que o hype em torno da união do "ex-vocal do Judas Priest" com uma das mais incríveis bandas de música pesada do lado de cá do Atlântico já diminuiu, parece ser possível analisar este disco do ponto de vista puramente musical, sem paixões prejudiciais.

publicidade

Talvez este seja o trabalho mais bem acabado do Iced Earth, independente da presença de Tim Owens. Talvez a presença de um vocalista mais "heavy" e menos ligado a performances melódicas (como era o caso do fantástico Matt Barlow) tenha contribuido para deixar o disco muito pesado, sem perder aquelas características melódicas que sempre marcaram a banda. Eu arriscaria dizer que este é o disco "mais Blind Guardian" do Iced Earth.

publicidade

A temática do álbum é a paixão de Jon Schaffer pela História (em especial pela história do seu país) e os temas são desenvolvidos com muita inteligência, sem soarem, em momento algum, cansativos ou doutrinários. Trata-se de uma aula suave de história norte-americana, com algum exagero patriótico perfeitamente aceitável em tempos de patrulhamento ideológico elevado como esses em que vivemos.

publicidade

Do ponto de vista musical, o destaque continua sendo, como nos três últimos álbuns do Iced Earth, o maravilhoso trabalho do baterista Richard Christy, além, é claro, das altíssimas doses de peso providenciadas pela afiadíssima guitarra de Schaffer. O disco ganha tons melódicos com a adição de backing vocals grandiosos (tipo aqueles do Blind Guardian) e bases instrumentais muito bem construídas.

publicidade

Quanto à performance de Tim Owens, isto merece considerações à parte. Ele, que sempre cantou maravilhosamente bem, se supera neste "The Glorious Burden". Qualquer dúvida quanto a isto, ouça "Attila" ou "Waterloo", só para citar dois exemplos. Além da carga melódica que ele acrescenta a qualquer música que canta (mesmo nos temas mais pesados), todas as músicas ganharam personalidade própria. Não ficou parecendo, como no projeto paralelo de Jon Schaffer com Hansi Kürsh (Blind Guardian), uma mistura amórfica. Ao contrário, há aqui um material muito característico do Iced Earth, onde é possível encontrar todos aqueles elementos que nos fazem apreciar a banda ao longo destes anos com dois adicionais: a maturidade de Jon Schaffer como compositor e a incrível voz de Tim Owens.

publicidade


Outras resenhas de Glorious Burden - Iced Earth

Resenha - Glorious Burden - Iced Earth

Resenha - Glorious Burden - Iced Earth

Resenha - Glorious Burden - Iced Earth




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Iced Earth: Jon Schaffer se reúne com Matt Barlow para gravar músicas natalinasIced Earth
Jon Schaffer se reúne com Matt Barlow para gravar músicas natalinas

Iced Earth: para Jon Schaffer, nenhum outro membro da banda foi insubstituívelIced Earth
Para Jon Schaffer, nenhum outro membro da banda foi insubstituível


Tim Ripper Owens: Caí fora da banda de Malmsteen sem falar nadaTim "Ripper" Owens
"Caí fora da banda de Malmsteen sem falar nada"

Iced Earth: Jon Schaffer fala sobre troca de vocalistasIced Earth
Jon Schaffer fala sobre troca de vocalistas


Black Sabbath: Perguntas e respostas e curiosidades diversasBlack Sabbath
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Classic Rock: revista elege 100 melhores músicas de rockClassic Rock
Revista elege 100 melhores músicas de rock


Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin