Matérias Mais Lidas

imagemRegis Tadeu e os cinco grandes vocalistas que o mundo do Rock não dá valor

imagemJô Soares comprou uma obra de arte do Rock por causa do Regis Tadeu

imagemA música do Metallica que James não queria apresentar aos outros integrantes

imagemFãs detonam produção do Knotfest após anúncio do Pantera

imagemA melhor música de heavy metal lançada a cada ano desde 1970, em lista do Loudwire

imagemO carinhoso jeito de Axl Rose se desculpar com sua equipe pelo seu jeito imprevisível

imagemDez músicas de outros estilos que ganharam ótimas versões rock/metal - Parte I

imagemAngra e Shaman, Edu Falaschi fala sobre a treta que havia entre as bandas

imagemAmy Lee surpreende ao escolher os melhores cantores (e cantoras) de todos os tempos

imagemDee Snider diz que faliu na década de 1990 e fingia ser outra pessoa

imagemFilme que conta a história de Dio será exibido nos cinemas em setembro

imagemDiretora de escola censurada por pais por foto com camisa do Iron Maiden se arrepende

imagemA música do Raul Seixas com erro gramatical que parece um plágio mas é uma homenagem

imagemPor que som do Angra não era novidade em 1993, segundo Alex Holzwarth

imagemFrank Zappa surpreende ao eleger seus dez álbuns favoritos


Stamp
2022/07/09

Resenha - Glorious Burden - Iced Earth

Por Sílvio Costa
Em 08/04/04

Agora que o hype em torno da união do "ex-vocal do Judas Priest" com uma das mais incríveis bandas de música pesada do lado de cá do Atlântico já diminuiu, parece ser possível analisar este disco do ponto de vista puramente musical, sem paixões prejudiciais.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Talvez este seja o trabalho mais bem acabado do Iced Earth, independente da presença de Tim Owens. Talvez a presença de um vocalista mais "heavy" e menos ligado a performances melódicas (como era o caso do fantástico Matt Barlow) tenha contribuido para deixar o disco muito pesado, sem perder aquelas características melódicas que sempre marcaram a banda. Eu arriscaria dizer que este é o disco "mais Blind Guardian" do Iced Earth.

A temática do álbum é a paixão de Jon Schaffer pela História (em especial pela história do seu país) e os temas são desenvolvidos com muita inteligência, sem soarem, em momento algum, cansativos ou doutrinários. Trata-se de uma aula suave de história norte-americana, com algum exagero patriótico perfeitamente aceitável em tempos de patrulhamento ideológico elevado como esses em que vivemos.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Do ponto de vista musical, o destaque continua sendo, como nos três últimos álbuns do Iced Earth, o maravilhoso trabalho do baterista Richard Christy, além, é claro, das altíssimas doses de peso providenciadas pela afiadíssima guitarra de Schaffer. O disco ganha tons melódicos com a adição de backing vocals grandiosos (tipo aqueles do Blind Guardian) e bases instrumentais muito bem construídas.

Quanto à performance de Tim Owens, isto merece considerações à parte. Ele, que sempre cantou maravilhosamente bem, se supera neste "The Glorious Burden". Qualquer dúvida quanto a isto, ouça "Attila" ou "Waterloo", só para citar dois exemplos. Além da carga melódica que ele acrescenta a qualquer música que canta (mesmo nos temas mais pesados), todas as músicas ganharam personalidade própria. Não ficou parecendo, como no projeto paralelo de Jon Schaffer com Hansi Kürsh (Blind Guardian), uma mistura amórfica. Ao contrário, há aqui um material muito característico do Iced Earth, onde é possível encontrar todos aqueles elementos que nos fazem apreciar a banda ao longo destes anos com dois adicionais: a maturidade de Jon Schaffer como compositor e a incrível voz de Tim Owens.


Outras resenhas de Glorious Burden - Iced Earth

Resenha - Glorious Burden - Iced Earth

Resenha - Glorious Burden - Iced Earth

Resenha - Glorious Burden - Iced Earth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

2022/08/18


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Tim Owens: Saída do Iced Earth não foi amigável

Tim "Ripper" Owens foi aconselhado por Wendy Dio a cair fora do Iced Earth

Sedentos por Sangue: confira 5 belas canções sobre Vampiros

Kurt Cobain e a banda brasileira que mexeu com ele: "eles foram muito revolucionários"

O trocadilho picante que Ney fazia em "Pro Dia Nascer Feliz" que Cazuza gargalhava


Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa.