Resenha - Project Shangri-La - Lana Lane

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Sílvio Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos


Este álbum não traz grandes surpresas para quem já acompanha a carreira da cantora norte-americana. É o mesmo AOR (Adult-Oriented Rock) de sempre, executado por músicos do mais alto nível (Mark Boals e Vinnie Appice, para ficar nos nomes mais famosos) e que sempre traz como indiscutível destaque o talento e o bom gosto da cantora e de seu marido, o tecladista e produtor Erik Norlander.

Ultimate Classic Rock: as filhas mais belas dos rockstarsGuitarristas e vocalistas: os 10 melhores "casamentos"

Como sempre, Lana optou por alternar temas "sinfônicos" com outros mais voltados para o hard rock. As letras continuam inspiradíssimas, coisa que torna o álbum ainda mais importante nestes mal fadados tempos de "Tô Nem Aí" e congêneres. Basta dar uma olhadinha em temas como a belíssima "Before You Go" ou"The Nightingale" para perceber que, além de excelente intérprete, Lana escreve muito bem.

Não espere ouvir guitarras sujas, temas que chamem para o pula-pula ou peso ensurdercedor. Lana Lane faz música para quem, antes de mais nada, pretende tão-somente ouvir o que ela tem a dizer.


Outras resenhas de Project Shangri-La - Lana Lane

Resenha - Project Shangri-La - Lana Lane




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Lana Lane"


Ultimate Classic Rock: as filhas mais belas dos rockstarsUltimate Classic Rock
As filhas mais belas dos rockstars

Guitarristas e vocalistas: os 10 melhores casamentosGuitarristas e vocalistas
Os 10 melhores "casamentos"


Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336