Matérias Mais Lidas

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemIggor Cavalera manda ver em "Dead Embryonic Cells" ao vivo; confira drumcam

imagemDavid Coverdale diz que hit "Is This Love" seria gravada por Tina Turner

imagemMichael Anthony diz que "Van Halen III" foi "a coisa mais louca que a banda já fez"

imagemNovo álbum do Krisiun será lançado em julho; veja capa e tracklist

imagemA banda de forró que uniu Nenhum de Nós, Legião, Titãs e Paralamas na mesma música

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemComo foram os últimos meses de Renato Russo e a causa da sua morte

imagemA apaixonada opinião de Elton John sobre "Nothing Else Matters", clássico do Metallica


Stamp

Resenha - Under a Pale Grey Sky - Sepultura

Por Rafael Carnovale
Em 20/10/02

Nota: 10

O ano era 1996. O cd era "Roots". O Sepultura ganhava "status" de superbanda, excursionando pelo mundo,consolidando seu nome como um dos maiores do thrash metal, e dando os primeiros toques em movimentos como o New Metal. A formação ainda contava com Max Cavalera nos vocais e guitarra. Este foi o último show antes da saída de Max, e o que consta é que logo após o término deste concerto é que ocorreram todos os fatos que já foram mais que expostos pela imprensa brasileira e mundial.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Mas deixando essa parte de lado, vamos ao que interessa: o cd capta o Sepultura em uma de suas melhores fases. Os vocais guturais de Max se completavam com a guitarra "Roto-Rotter" de Andreas e a cozinha poderosíssima de Igor e Paulo Jr. Eles ainda tiveram a manha de colocar a intro "Itsari" para abrir o show, levando a galera ao delírio... e aí é só Max anunciar "Saudações do Terceiro mundo" e a pancadaria começar: "Roots Bloody Roots", "Spit" e a furiosíssima "Territory". O cover de Chico Science "Monólogo ao Pé do Ouvido" soa meio deslocado, mas serve de alívio para o massacre em seguida: "Breed Apart", "Attitude" (com especial carinho de Max), "Cut-Throat". Algumas músicas mais antigas para levar a Brixton Academy ao chão de vez: "Troops of Doom" (como o Sepultura dos primórdios era mais agressivo...) e um medley de "Beneath the Remains" com "Mass Hypnosis". A banda ainda tocaria mais músicas antigas neste primeiro cd, como a clássica "Necromancer", mas esta primeira parte do show privilegiaria as músicas dos cd’s "Roots" e "Chaos A.D" como "Born Stubborn" e "Dusted", também excelentes.... que começo de show.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

A segunda parte do show (o segundo cd) mescla mais músicas antigas com novas, como "We Who Are Not as the Others" e "Arise/Dead Embryonic Cells" (um medley que a banda faz até hoje). Ainda sobraria espaço para as potentes "Slave New World", a política "Biotech is Godzilla" e o clássico das antigas "Inner Self". O final do show seria marcado pelos covers já consagrados de "Polícia" dos Titãs (com uma inserção de "Gene Machine/Don’t Bother Me" dos Bad Brains e "We gotta Know", junto com as mais experimentais "Kaiowas", "Rattamahatta". O cover matador de "Orgasmatron" fecha o massacre.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

O que falar da banda? Totalmente introsada. O Sepultura dá um show musical,com qualidade excepcional. Max tem total domínio da platéia, e Andreas, Igor e Paulo dão show em seus instrumentos. Nem parece que algumas horas depois, tudo isso mudaria.

Não cometerei o erro de comparar este cd ao Sepultura com Derrick Green e ao Soulfly. São duas bandas diferentes, com planos e objetivos de sucesso. É difícil não enxergar neste cd o cheiro de um caça níqueis, aproveitando que a banda devia um disco a Roadrunner Records. Mas vale a pena, como o fechamento de um ciclo fundamental na história de uma das bandas mais importantes do heavy metal brasileiro do final dos anos 80 e anos 90.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Lançado no Brasil pela Sum Records.


Outras resenhas de Under a Pale Grey Sky - Sepultura

Resenha - Under a Pale Grey Sky - Sepultura

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale.