Resenha - Under a Pale Grey Sky - Sepultura

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar Correções  

10


O ano era 1996. O cd era "Roots". O Sepultura ganhava "status" de superbanda, excursionando pelo mundo,consolidando seu nome como um dos maiores do thrash metal, e dando os primeiros toques em movimentos como o New Metal. A formação ainda contava com Max Cavalera nos vocais e guitarra. Este foi o último show antes da saída de Max, e o que consta é que logo após o término deste concerto é que ocorreram todos os fatos que já foram mais que expostos pela imprensa brasileira e mundial.

Hellfest: anunciado cast de bandas da edição 2021 do festival

Iron Maiden: versões pesadas para clássicos do Rock

Mas deixando essa parte de lado, vamos ao que interessa: o cd capta o Sepultura em uma de suas melhores fases. Os vocais guturais de Max se completavam com a guitarra "Roto-Rotter" de Andreas e a cozinha poderosíssima de Igor e Paulo Jr. Eles ainda tiveram a manha de colocar a intro "Itsari" para abrir o show, levando a galera ao delírio... e aí é só Max anunciar "Saudações do Terceiro mundo" e a pancadaria começar: "Roots Bloody Roots", "Spit" e a furiosíssima "Territory". O cover de Chico Science "Monólogo ao Pé do Ouvido" soa meio deslocado, mas serve de alívio para o massacre em seguida: "Breed Apart", "Attitude" (com especial carinho de Max), "Cut-Throat". Algumas músicas mais antigas para levar a Brixton Academy ao chão de vez: "Troops of Doom" (como o Sepultura dos primórdios era mais agressivo...) e um medley de "Beneath the Remains" com "Mass Hypnosis". A banda ainda tocaria mais músicas antigas neste primeiro cd, como a clássica "Necromancer", mas esta primeira parte do show privilegiaria as músicas dos cd’s "Roots" e "Chaos A.D" como "Born Stubborn" e "Dusted", também excelentes.... que começo de show.

A segunda parte do show (o segundo cd) mescla mais músicas antigas com novas, como "We Who Are Not as the Others" e "Arise/Dead Embryonic Cells" (um medley que a banda faz até hoje). Ainda sobraria espaço para as potentes "Slave New World", a política "Biotech is Godzilla" e o clássico das antigas "Inner Self". O final do show seria marcado pelos covers já consagrados de "Polícia" dos Titãs (com uma inserção de "Gene Machine/Don’t Bother Me" dos Bad Brains e "We gotta Know", junto com as mais experimentais "Kaiowas", "Rattamahatta". O cover matador de "Orgasmatron" fecha o massacre.

O que falar da banda? Totalmente introsada. O Sepultura dá um show musical,com qualidade excepcional. Max tem total domínio da platéia, e Andreas, Igor e Paulo dão show em seus instrumentos. Nem parece que algumas horas depois, tudo isso mudaria.

Não cometerei o erro de comparar este cd ao Sepultura com Derrick Green e ao Soulfly. São duas bandas diferentes, com planos e objetivos de sucesso. É difícil não enxergar neste cd o cheiro de um caça níqueis, aproveitando que a banda devia um disco a Roadrunner Records. Mas vale a pena, como o fechamento de um ciclo fundamental na história de uma das bandas mais importantes do heavy metal brasileiro do final dos anos 80 e anos 90.

Lançado no Brasil pela Sum Records.


Outras resenhas de Under a Pale Grey Sky - Sepultura

Resenha - Under a Pale Grey Sky - Sepultura




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Hellfest: anunciado cast de bandas da edição 2021 do festivalHellfest
Anunciado cast de bandas da edição 2021 do festival

Sepultura: quando Paul Stanley, do Kiss, chamou clipe da banda e a elogiou na MTVSepultura
Quando Paul Stanley, do Kiss, chamou clipe da banda e a elogiou na MTV

Sepultura: com Devin Townsend em uma versão de quarentena de música do KairosSepultura
Com Devin Townsend em uma versão de quarentena de música do "Kairos"

The Troops Of Doom: Divulgada capa e tracklist do EP The Rise Of Heresy

Andreas Kisser: Esta m*rda de pandemia poderia ter sido evitadaAndreas Kisser
"Esta m*rda de pandemia poderia ter sido evitada"

Max Cavalera: ele sempre gostou mais das letras do punk, politizadas, que do metalMax Cavalera
Ele sempre gostou mais das letras do punk, politizadas, que do metal

Sepultura: Sepulnation com Danko Jones em versão de quarentenaSepultura
"Sepulnation" com Danko Jones em versão de quarentena

Derrick Green e Tanya O'Callaghan: Lançamento do programa Highway to HealthDerrick Green e Tanya O'Callaghan
Lançamento do programa "Highway to Health"

Sepultura: Quadra faz deles uma banda sem regras

Sepultura: como foi feito Arise, o álbum da banda que Max Cavalera mais gostaSepultura
Como foi feito Arise, o álbum da banda que Max Cavalera mais gosta


Sepultura: Derrick Green conta sobre sua infância musical e primeiras bandasSepultura
Derrick Green conta sobre sua infância musical e primeiras bandas

Heavy Metal: as 10 introduções mais matadoras do estiloHeavy Metal
As 10 introduções mais matadoras do estilo


Iron Maiden: versões pesadas para clássicos do RockIron Maiden
Versões pesadas para clássicos do Rock

Slipknot: Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy MetalSlipknot
Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy Metal


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin