Resenha - Light Of Day, Day Of Darkness - Green Carnation

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Os números deste álbum assustam qualquer fã de música e, especialmente para o metal, me parecem um tremendo e maravilhoso absurdo. São trinta e quatro músicos, incluindo saxofonista, tenor, barítono, soprano e coral de crianças. Sabe quantas faixas eles gravaram? Uma. Ora bolas, esse monte de gente pra gravar uma única música? O que é isso? Simples, essa "Uma" composição dura nada menos que uma hora e alguns segundos. No estúdio, os detalhes são ainda mais extraordinários, considerando-se a produção fantástica que trabalhou com seiscentos samples usados separadamente e expressivos cento e cinqüenta canais de gravação.

Chris Cornell: a emocionante despedida de Tom MorelloDepressão: 10 músicas que devem ser evitadas

Essa megalomania tecnológica e instrumental choca, mas difícil mesmo é acreditar que a tenaz leveza, aqui presente, composta com refino, detalhamento, pompa e majestade, surgiu de um músico acostumado à simplicidade e brutalidade do black metal, quando levado ao cume de sua extremidade.

Tudo isso foi elaborado por Tchort (ex-Emperor), que define "Light Of Day, Day Of Darkness" como o seu "legado musical". De fato o é, e que grandiosa herança é deixada através desse disco para o gótico e dark/doom metal! Um marco verdadeiramente histórico.

Se instrumentalmente não temos o que alegar, nas letras podemos levantar algumas pequenas questões. Ouvir o que acontece em torno dos trinta e três minutos e falar que o lirismo e tristeza profunda explicitados não são sinceros seria um ultraje. Porém, com certeza há momentos em que as palavras dão uma forçada, afogando numa choradeira interminável. Nessas passagens os versos de Tchort se assemelham a confusas e desestruturadas vivências púberes, e já não é adequado a ele fazer isso, pois seus quinze aninhos e o início de sua vida reprodutiva já se passaram há um bom tempo.

Excetuando-se essas fugazes bobeadas, temos um trabalho sublime, altamente inspirado. Por falar nisso, agradeçam a Damien Aleksander, filho ao qual Tchort credita sua inspiração e alegria, e cujo nome aparece como alvo da dedicatória musical do álbum.

Site Oficial - http://www.green-carnation.de

Line Up:

Kjetil Nordhus (Vocais)
Tchort (Guitarras - Violões)
Bjørn H. (Guitarra solo - Slide - Ebow)
Stein R. (Baixo)
A. Kobro (Bateria)

Material cedido por:

The End Records - http://www.theendrecords.com
556 S. Fair Oaks Ave #101-111
Pasadena CA 91105 USA
Fax: 626-403-2848
Email: theend@theendrecords.com




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Green Carnation"


Chris Cornell: a emocionante despedida de Tom MorelloChris Cornell
A emocionante despedida de Tom Morello

Depressão: 10 músicas que devem ser evitadasDepressão
10 músicas que devem ser evitadas

Sons Of Anarchy: a obra-prima televisiva e sua fantástica trilha!Sons Of Anarchy
A obra-prima televisiva e sua fantástica trilha!

Aerosmith: Steven Tyler e três mulheres nuas no chuveiroAerosmith
Steven Tyler e três mulheres nuas no chuveiro

Humor: os dez maiores picaretas da música internacionalHumor
Os dez maiores picaretas da música internacional

Max Cavalera e Lemmy: A relação teve um começo tempestuosoMax Cavalera e Lemmy
A relação teve um começo tempestuoso

Courtney Love: Antes de morrer, Kurt odiava o NirvanaCourtney Love
"Antes de morrer, Kurt odiava o Nirvana"


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336