Matérias Mais Lidas

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemA banda de forró que uniu Nenhum de Nós, Legião, Titãs e Paralamas na mesma música

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemMorre Andy Fletcher, tecladista e membro fundador da banda Depeche Mode

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemZakk Wylde relembra ídolo: "tão relevante quanto Bach, Beethoven e Mozart"

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemA apaixonada opinião de Elton John sobre "Nothing Else Matters", clássico do Metallica

imagemMorre Alan White, baterista do Yes e que gravou a clássica "Imagine", de John Lennon

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"

imagemIron Maiden: Bruce fala sobre groupies; "parei de transar com elas quando me apaixonei"


Resenha - Light Of Day, Day Of Darkness - Green Carnation

Por Thiago Sarkis
Em 16/06/02

Nota: 9

Os números deste álbum assustam qualquer fã de música e, especialmente para o metal, me parecem um tremendo e maravilhoso absurdo. São trinta e quatro músicos, incluindo saxofonista, tenor, barítono, soprano e coral de crianças. Sabe quantas faixas eles gravaram? Uma. Ora bolas, esse monte de gente pra gravar uma única música? O que é isso? Simples, essa "Uma" composição dura nada menos que uma hora e alguns segundos. No estúdio, os detalhes são ainda mais extraordinários, considerando-se a produção fantástica que trabalhou com seiscentos samples usados separadamente e expressivos cento e cinqüenta canais de gravação.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Essa megalomania tecnológica e instrumental choca, mas difícil mesmo é acreditar que a tenaz leveza, aqui presente, composta com refino, detalhamento, pompa e majestade, surgiu de um músico acostumado à simplicidade e brutalidade do black metal, quando levado ao cume de sua extremidade.

Tudo isso foi elaborado por Tchort (ex-Emperor), que define "Light Of Day, Day Of Darkness" como o seu "legado musical". De fato o é, e que grandiosa herança é deixada através desse disco para o gótico e dark/doom metal! Um marco verdadeiramente histórico.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Se instrumentalmente não temos o que alegar, nas letras podemos levantar algumas pequenas questões. Ouvir o que acontece em torno dos trinta e três minutos e falar que o lirismo e tristeza profunda explicitados não são sinceros seria um ultraje. Porém, com certeza há momentos em que as palavras dão uma forçada, afogando numa choradeira interminável. Nessas passagens os versos de Tchort se assemelham a confusas e desestruturadas vivências púberes, e já não é adequado a ele fazer isso, pois seus quinze aninhos e o início de sua vida reprodutiva já se passaram há um bom tempo.

Excetuando-se essas fugazes bobeadas, temos um trabalho sublime, altamente inspirado. Por falar nisso, agradeçam a Damien Aleksander, filho ao qual Tchort credita sua inspiração e alegria, e cujo nome aparece como alvo da dedicatória musical do álbum.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Site Oficial – http://www.green-carnation.de

Line Up:

Kjetil Nordhus (Vocais)
Tchort (Guitarras – Violões)
Bjørn H. (Guitarra solo - Slide - Ebow)
Stein R. (Baixo)
A. Kobro (Bateria)

Material cedido por:

The End Records – http://www.theendrecords.com
556 S. Fair Oaks Ave #101-111
Pasadena CA 91105 USA
Fax: 626-403-2848
Email: [email protected]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Green Carnation: versão remasterizada de "The Acoustic Verses" liberada via streaming


Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis.