Matérias Mais Lidas

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemA banda de forró que uniu Nenhum de Nós, Legião, Titãs e Paralamas na mesma música

imagemMorre Andy Fletcher, tecladista e membro fundador da banda Depeche Mode

imagemZakk Wylde relembra ídolo: "tão relevante quanto Bach, Beethoven e Mozart"

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"

imagemA apaixonada opinião de Elton John sobre "Nothing Else Matters", clássico do Metallica

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemMorre Alan White, baterista do Yes e que gravou a clássica "Imagine", de John Lennon

imagemIron Maiden: Bruce fala sobre groupies; "parei de transar com elas quando me apaixonei"


Stamp

Resenha - Battle of the Ivory Plains - Dragonland

Por Fábio Faria
Em 02/04/02

Nota: 8

O Dragonland brinda os fãs do Power/Speed Metal com um disco para lá de interessante. Apesar de não inovar em nada, o conjunto sueco foi muito feliz em seu álbum de estréia, ficando acima da média. Uma mistura de Stratovarius com Rhapsody pode ser a definição mais adequada do som do Dragonland, no entanto, sem ser uma cópia desses artistas.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Fato que contribui para isso são as ótimas orquestrações nas canções deste "The Battle of the Ivory Plains". A começar pela bela introdução "Dragondawn", passando por praticamente todas as faixas do CD, até chegar em "Dragondusk", que fecha este trabalho como uma faixa instrumental quase Hollywoodiana.

Além disso, o mérito do Dragonland está em criar refrões muito legais, mas simples, daqueles que se começa a cantar logo na segunda escutada. A veia melódica e as batidas velozes também rendem bons momentos como em "Storming Across Heaven" - que abre o disco e pode ser conferida também em versão demo (faixa bônus) - ou em "Ride for Glory", entre outras. O interessante é que o responsável pela velocidade da bateria é o mesmo que canta com eficiência em todas as músicas do álbum, ou seja, Jonas Heightgert, que divide as duas funções com muita competência. Entretanto, para o próximo álbum do Dragonland um baterista será contratado.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Outro destaque é a faixa "A Last Farewell", balada cujo dueto entre os vocais femininos de Ingmarie Juliusson (convidada especial) e a voz de Jonas Heightgert ficou perfeito. A canção fala sobre a dor da separação, e mostra o diálogo entre os vocalistas de uma forma convincente, tudo embalado por pianos, órgãos e um solo de guitarra bastante apropriado para o clima da música.

Para finalizar com chave de ouro, Andy Larocque, guitarrista da banda de King Diamond, deu à "The Battle of the Ivory Plains", a produção descente que o álbum necessitava para causar uma boa impressão e soar com a clareza que este possui. Que venha o segundo trabalho desta boa e jovem promessa sueca.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Track list:

01. Dragondawn
02. Storming Across Heaven
03. A Last Farewell
04. Ride for Glory
05. The Orcish March
06. The Battle of the Ivory Plains
07. Graveheart
08. Rondo a La Turca
09. A Secret Unveiled
10. Worlds End
11. Dragondusk
12. Storming across heaven (versão demo) bonus track

Banda
Nicklas Magnusson - guitarras
Olof Morck - guitarras
Elias Holmlid - teclados e sintetizadores
Jonas Heidgert - vocal e bateria
Christer Pedersen - baixo

Megahard Records

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Fábio Faria

"Maidenmaníaco" convicto, nascido em 1973, passou a escutar Rock com 10 anos de idade. Primeiro disco adquirido foi "Destroyer" do Kiss. Logo depois conheceu o álbum "Killers" do Iron Maiden, e a identificação foi instantânea. Curte todos os estilos e sub-estilos do Rock e do Metal. Sem preconceito, escuta desde Black Sabbath, Yes, Janis Joplin, Slayer, In Flames, Sex Pistols até Dream Theater, U2, Blind Guardian, Slipknot, Carcass, etc. Bandas favoritas: Iron Maiden e Beatles.

Mais matérias de Fábio Faria.