Resenha - Live At The Fillmore East 1970 - Ten Years After

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos A. M. Cruz
Enviar Correções  

9


Dentre as várias imagens marcantes que ficaram registradas para a posteridade no filme "Woodstock", consta a do Ten Years After "mandando ver" uma versão incendiária de "I'm Going Home", imagem esta que os transformou numa verdadeira lenda dos sixties e catapultou o grupo para a fama, devido à competência com que Chick Churchill pilotava os teclados e à pegada eficiente do baterista Ric Lee, mas principalmente pela perfomance alucinada do baixista Leo Lyons e à extrema habilidade de Alvin Lee, sem dúvida o guitarrista mais rápido que havia naquela época, que sabia tocar rápido e ao mesmo tempo transbordando um "feeling" colossal, ao contrário de muitos que vieram anos mais tarde, velozes como o papa-léguas do desenho animado porém com a mesma emoção de um robô numa linha de montagem de uma fábrica (mas isto é uma looonga discussão, que não vêm ao caso no momento...).

publicidade

E embora tenham gravado alguns excelentes álbuns de estúdio, tais como o "Ssssh", o "Cricklewood Green" e o "Watt", alguns preferem seus discos ao vivo, alegando que preferem ver a coisa pegando fogo no palco do que a banda um tanto quanto "tolhida" nos estúdios (opinião do qual particularmente não compartilho). Para estes, até agora a oferta era um bocado tímida, pois havia somente o "Undead", gravado ao vivo num pequeno clube Londrino em 1968 e o "Recorded Live", que compila várias apresentações da banda na Alemanha e França em 1972, além de uma ou outra faixa perdida em álbuns de estúdio e em compilações diversas.

publicidade

Mas estas pessoas agora terão de reservar um lugar na estante para o recém-lançado "Live At The Fillmore East 1970", CD duplo que compila três apresentações ocorridas nos dias 27 e 28 de fevereiro de 1970 no Fillmore East de Nova Iorque, e por hora editado apenas na Europa (o lançamento nos EUA está previsto para janeiro de 2002).

Todas as versões são inéditas, exceto "Love Like A Man", que foi editada no lado-B do single homônimo; difícil destacar algo, mas podemos citar "Roll Over Beethoven" e "Spoonful", além de "I Woke Up This Morning" e "The Hobbit", esta última numa versão diferente da constante no "Recorded Live", deixando patente a capacidade de improvisação de Alvin Lee & Cia, não devendo nada a muitos jazzistas em seus momentos mais inspirados - vale lembrar que apesar de tocarem Rock'N'Roll, a banda sempre teve uma tendência levemente jazzística ao vivo.

publicidade

A qualidade sonora é simplesmente fenomenal, graças ao trabalho impecável realizado pelo engenheiro de som Peter Mew, que mixou e remasterizou o CD a partir das fitas originais gravadas pelo lendário Eddie Kramer; e o livreto, ricamente ilustrado, contém fotos extraídas do livro "Alvin Lee & Ten Years After - Visual History", além de algumas histórias saborosas relatadas pelo baterista Ric Lee, fazendo deste lançamento um verdadeiro petisco para amantes de perfomances incendiárias ao vivo - ouso dizer que, se este álbum tivesse sido editado nos anos 70, hoje seria considerado um dos melhores ao vivo de todos os tempos, ao lado do "Live at Leeds" do The Who, do "Fillmore Concerts" do Allman Brothers e outros - mas nunca é tarde para se reparar um erro...

publicidade

Tracklist:

CD 1:
Love Like A Man (9.34)
Good Morning Little Schoolgirl (7.26)
Working On The Road (3.34)
The Hobbit (10.52)
50.000 Miles Beneath My Brain (9.58)
medley: Skoobly-Oobly-Doobob / - I Can't Keep From Crying Sometimes / Extension On One Chord (19.30)

CD 2:
Help Me (16.05)
I'm Going Home (11.57)
Sweet Little Sixteen (4.38)
Roll Over Beethoven (4.44)
I Woke Up This Morning (8.09)
Spoonful (8.00)

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Rock: os 10 guitarristas mais subestimados da históriaRock
Os 10 guitarristas mais subestimados da história


Lemmy: as pessoas se tornam melhores quando morremLemmy
"as pessoas se tornam melhores quando morrem"

Mascotes de bandas: GigWise elege os 14 mais famososMascotes de bandas
GigWise elege os 14 mais famosos


Sobre Marcos A. M. Cruz

Fanático por rock setentista.

Mais matérias de Marcos A. M. Cruz no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin