Resenha - Illusion Dimensions - Oratory

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 2


Site Oficial - http://www.oratory-band.com

Mötley Crüe: a ousada tattoo de modelo paulista em tributo à bandaPra convencer: dez álbuns de metal para quem não gosta de metal

Ana Lara (Vocais)
Marco Alves (Vocais)
Miguel Gomes (Guitarras)
Rui Santos (Baixo)
António Silva (Teclados)
João Rodrigues (Bateria)

Emoção é uma coisa que podemos afirmar com segurança que este debute do Oratory possui. São mais ou menos cinqüenta e cinco minutos de pura 'transmissão' de sentimentos. É impossível impedir o surgimento, logo nas primeiras faixas, de raiva, angústia, indignação, e principalmente uma vontade tremenda de destroçar e acabar com o CD.

Nossos amigos portugueses que nos desculpem, mas essa banda não dá pra engolir. Aliás, como, dentro de uma cena metálica tão rica, podem dar lugar a uma coisa dessas? É inexplicável.

Os seis integrantes auto denominam seu estilo de "power metal melódico neoclássico", e dizem que "Illusion Dimensions" seria como "Stratovarius e Theatre Of Tragedy se juntando para fazer um álbum". Se revelam além de tudo, impiedosos. Como foram capazes de envolver o nome de outros músicos nesse lamaçal?

Os músicos passam doze faixas tentando repetir o feito de centenas de conjuntos de metal tradicional/power, com letras Manowar. Não conseguem. O melhor momento e único realmente interessante, aparece na música "Oratory", escondida e inserida na última faixa, intitulada "Galaxy".

Não dá pra definir o grande problema aqui, mas os timbres são sérios candidatos a este cargo. Todos os instrumentos e também os vocais, soam muito mal. António Silva deve ser citado nesse contexto, pois tira um som simplesmente ridículo dos teclados. Pior que trilha sonora de joguinho de vídeo game antigo.

O desejo de Miguel Gomes de ser um virtuoso da guitarra é inerente. Só que essa não é a dele. Os solos querendo partir na velocidade da luz saem com notas mais mascadas que chiclete do Michael Jordan. As melodias são da mesma forma, terríveis.

Além de "Galaxy", as outras faixas audíveis aqui são: "Fight For The Light", "In The Sky", "Choose Your Future" e "World Of Illusion. Porém, nada de primoroso e que vá levar você a perder tempo ouvindo o Oratory.

Material cedido por:
Rock Brigade / Laser Company Records - http://www.lasercompany.com.br
Rua Madre de Deus 432 - CEP: 03119-000
São Paulo / SP - BRASIL
Tel.: (0xx11) 292-6011
Fax: (0xx11) 6096-2288
Email: lasercompany@lasercompany.com.br




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Oratory"


Mötley Crüe: a ousada tattoo de modelo paulista em tributo à bandaMötley Crüe
A ousada tattoo de modelo paulista em tributo à banda

Pra convencer: dez álbuns de metal para quem não gosta de metalPra convencer
Dez álbuns de metal para quem não gosta de metal

Megadeth: os 10 bens mais preciosos de Dave MustaineMegadeth
Os 10 bens mais preciosos de Dave Mustaine

Fotos de Infância: Yngwie MalmsteenFotos de Infância
Yngwie Malmsteen

Supergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal HammerSupergrupos
Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer

Black Sabbath: Os melhores e os piores discos da bandaBlack Sabbath
Os melhores e os piores discos da banda

Tracii Guns: Axl é um cara simples num mundo complicadoTracii Guns
"Axl é um cara simples num mundo complicado"


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336