Resenha - Horror Show - Iced Earth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ana Therezo
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Através da História, o homem celebrou repetidamente o terror. As estórias revelavam estilos que iam do suspense à crueldade sanguinária, contudo, o objetivo sempre foi o mesmo: fazer o leitor acreditar em uma narrativa fictícia, transformando-a em realidade - mesmo que por um curto período de tempo.

Iron Maiden: Steve Harris pensou em acabar com a banda em 1993Music Radar: Os maiores frontmen de todos os tempos

Pois bem, o novo álbum conceitual do Iced Earth, "Horror Show", aborda justamente essa temática. Nas composições, Jon Schaffer inspirou-se em estórias de terror clássicas e massificadas - aquelas que habitam desde a infância o consciente coletivo. Os temas são, na maioria, homônimos às faixas, passando por monstros antológicos: Lobisomen - "Wolf", o monstro do lago - "Dragon's Child", Frankenstein - "Frankenstein" e Drácula - "Dracula"; algumas múmias - "Im-Ho-Tep (Pharaoh's Curse)" e fantasmas - "The Phantom Opera Ghost"; além dos mitos: Damien, o profetizador - "Damien", Jack, o estripador - "Jack" e Dr. Jeckyll e Mr. Hyde (O médico e o monstro) - "Jeckyll & Hyde". Somente "Ghost of Freedom" foge ao tema proposto, enveredando ao tão "conhecido" patriotismo norte-americano em uma história de família, onde a morte do patriarca na guerra de independência do país contra a Inglaterra dá início a uma geração de guerreiros, ou melhor, soldados. Para completar a ambientação, capa e encarte são ilustrados por Danny Miki (desenhista do "Spawn") e Travis Smith (Nevermore, Solitude Aeturnus, Death e Opeth).

A despeito das tendências musicais criadas pelo álbum "Demons & Wizards" (parceria entre Schaffer e Hansi), o Iced Earth continua fiel ao heavy metal tradicional, sem apelar para um som intricado e melódico. Ao contrário, Schaffer faz jus às comparações positivas entre sua performance e a de integrantes de bandas clássicas como Metallica, Judas Priest e Iron Maiden. Prova disso são os mais de quatro minutos e meio de riffs alucinantes no cover (instrumental) de "Transylvania" (Iron Maiden).

Todas as canções tem suas peculiaridades, mas vale ressaltar: "Jeckyll & Hyde", que lembra muito o estilo do Iced Earth no começo de carreira, quando Gene Adams ainda era a voz da banda; "Jack" e seu puro thrash metal, com todo peso e agressividade característicos do estilo, detalhe, sem perder as batidas rápidas e distorcidas do metal tradicional (N.E.: ouça muitos decibéis acima do normal!); e "Frankenstein", com sua letra baseada no livro homônimo de Mary Shelley, que conta ainda com o som de um órgão Hammond, lembrando imediatamente Jon Lord. Vale a pena prestar atenção também na utilização do bandolim e violão em "The Phantom Opera Ghost".

É claro que nada disso seria possível sem a força e potência da voz de Matthew Barlow, que varia facilmente entre os mais diversos timbres necessários para mesclar a sonoridade tradicional do heavy metal aos trechos de puro thrash como, por exemplo, no momento derradeiro de "Wolf". Larry Tarnowski, integrante da banda desde "Something Wicked This Way Comes", lidera os solos de guitarra. O baixo e a bateria ficam por conta de outros dois notáveis da cena metálica mundial: Steve DiGiorgio (Death, Testament e Sadus), que abusa da técnica, e entre "slaps" e "tappings" impele uma velocidade impressionante, e o baterista Richard Christy (Control Denied, Death e Demons & Wizards).

O álbum será lançado em 18 de junho deste ano no Brasil.

Observações:
1. Algumas informações sobre o nome e sequência das faixas pode divergir, já que o álbum ainda não foi lançado.(Lançamento previsto para Junho/2001)
2. Somente para os EUA será lançada uma versão dupla e limitada do álbum, com uma entrevista exclusiva com Jon Schaffer.

Gravadora: Century Media




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Iced Earth"


Propriedade privada: 5 bandas de hard rock e metal com um dono sóPropriedade privada
5 bandas de hard rock e metal com "um dono só"

Iced Earth: Dê armas às pessoas, eduque-as e resolva o problemaIced Earth
"Dê armas às pessoas, eduque-as e resolva o problema"

Iced Earth: muitas bandas de power metal são bregas, diz Jon SchafferIced Earth
Muitas bandas de power metal são "bregas", diz Jon Schaffer


Iron Maiden: Steve Harris pensou em acabar com a banda em 1993Iron Maiden
Steve Harris pensou em acabar com a banda em 1993

Music Radar: Os maiores frontmen de todos os temposMusic Radar
Os maiores frontmen de todos os tempos

Covers inusitados: COB tocando Britney? Shakira tocando ACDC?Covers inusitados
COB tocando Britney? Shakira tocando ACDC?

Keith Richards: colocando Justin Bieber em seu devido lugarKeith Richards
Colocando Justin Bieber em seu devido lugar

Musas do Metal: confira as 10 mais lindas atualmenteMusas do Metal
Confira as 10 mais lindas atualmente

Axl Rose: Ele não se considera o dono da melhor voz do mundoAxl Rose
Ele não se considera o dono da melhor voz do mundo

Black Sabbath: por que Ian Gillan não aprendeu as letras da banda?Black Sabbath
Por que Ian Gillan não aprendeu as letras da banda?


Sobre Ana Therezo

Engenheira, Escritora de Araque e, atualmente, moradora das planícies gélidas Canadenses. Fã de Rock em todas as suas vertentes, mas com tendências xiitas ao Heavy Metal, ganhou seu primeiro bolachão - No Rest for the Wicked, em 1988. Vinte e poucos anos depois e, contrariando aqueles que acreditam que o gosto musical muda com o passar do tempo, continua escutando Ozzy, AC/DC, Deep Purple e afins. Colaboradora e leitora do Whiplash! desde que o site tinha caveirinhas na página principal, e que a lista dos melhores guitarristas de todos os tempos era o assunto da vez.

Mais matérias de Ana Therezo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336