Resenha - Time Perpetuating - Syndrome

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por André Toral
Enviar Correções  

8


Tendo sido formada em 1993 na cidade de Balneário de Camboriú (SC), o Syndrome é uma banda formada por Nyva Evaristo (vocal), Marco A. G. (guitarra), Luciano Stigmamiglio (guitarra), Anderson Clayton (baixo) e Alfredo Evaristo (bateria). Com o lançamento de seu primeiro álbum, "Time Perpetuating", a banda apresenta uma grata novidade, fincando suas raízes no heavy mais versátil e num thrash furioso e empolgante. Assim é com "Fight To Live", que tem um início quebrado e riffs cativantes, além de um destaque para a bateria precisa, com variadas mudanças de andamentos. Começando a cacetada vem a marcha fúnebre "Black Paradise", que apresenta um dueto de guitarras que soa com perfeição, sendo que aqui temos outro thrash especial para fazer platéias bangearem, não deixando de apresentar certa dose de progressividade em algumas passagens. "Still It’s Not End" se parece bastante com o Iron Maiden do álbum "Seventh Son Of A Seventh Son", inclusive no modo como foram posicionados o vocal e suas melodias, provando que esta é uma face do Syndrome mais inspirada no metal oitentista. "Children", em determinados momentos, chega a lembrar um Black Sabbath bem macabro, com um riff que contribui para este clima, até sua mudança de ritmo para um heavy bem vigoroso e mais acelerado. Já "Kill Or Die" é outra calcada no heavy tradicional, com peso e classe, sendo que "New Testament" possui ótimo trabalho de guitarras em sua introdução, alternando entre um clima arrastado e de rapidez. E para finalizar, a faixa-título se mostra mais metal, aliando ótimas idéias instrumentais, com peso e melodias bem distribuídas. No entanto, é importante dizer que o vocal desempenha um trabalho muito bom quando o negócio é cantar mais agressivamente, de modo gutural, mas quando resolvem cantar sem a voz suja, às vezes isso se perde. Mas nada que diminua o bom resultado alcançado. Tudo isso sem contar a produção, que ficou digna de uma apresentação honrosa para a banda. Ah, e se você for fã de riffs competentes e pesados, sem dúvidas irá curtir o Syndrome.

publicidade

Para entrar em contato com a banda: [email protected]




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


G.G. Allin: o extremo dos extremosG.G. Allin
O extremo dos extremos

Rob Halford: Ninguém escolhe ser GayRob Halford
"Ninguém escolhe ser Gay"


Sobre André Toral

Formado em Administração de Empresas. Curte Hard clássico dos anos 70 e início dos 80; Heavy Metal é sua religião.

Mais matérias de André Toral no Whiplash.Net.

WhiFin