Resenha - Global Village - Madsword

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


O primeiro CD do Madsword, "Evolution", já mostrava a competência desses italianos e deixava os fãs de metal progressivo com água na boca. O début dos caras deixava claro que essa banda seguiria a tradição de seu país de revelar grandes artistas, principalmente nos estilos progressivo e melódico, para o metal mundial.

Quiet Riot: quebrando disco de banda brasileira em 1985Lemmy: tatuagens, política, strippers e atrizes pornô

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"The Global Village" vai até além das expectativas criadas com o álbum de estréia do grupo. Músicas muito bem compostas, com partes inovadoras e bastante técnica, sempre. Porém, não é aquela coisa ultra-virtuosa. Sem dúvida alguma, todos os integrantes são bem técnicos, mas dão mais importância às melodias, harmonias, tempos e letras. E não "apenas" nos quesitos já citados, como também a todos os detalhes que compõem o cd. Um exemplo disso é a capa, uma obra de arte realmente maravilhosa. O encarte é caprichado e contém todas as informações que alguém poderia procurar sobre o álbum e a banda.

É difícil destacar um integrante do grupo, pois todos têm seu espaço e participam intensamente das músicas, exatamente como uma banda de heavy metal progressivo deve trabalhar. Walter Pod é um baterista fenomenal, que ganha destaque pelas levadas criativas que tem. Gianni Guerra, Lorenzo Castellarin e Simon Rosani trabalham de maneira perfeita juntos. Quando não estão fazendo as mesmas coisas juntos, estão se revezando em harmonias e melodias, deixando linhas marcantes na memória de qualquer um. Andrea Bedin é um vocalista acima da média do que se pode encontrar no estilo. Técnica apurada e boas interpretações das letras.

As músicas de grande destaque são: "Time In The Ice", que abre o álbum, "Living Hexadecimal", uma instrumental que praticamente divide o cd e toda a história que se desenrola a cada faixa, e "A New Beginning", que fecha esse segundo trabalho do Madsword com chave de ouro. Ou seja, é um álbum que mantém uma qualidade altíssima, com começo, meio e fim.

Vale a pena conferir esse novo clássico do metal progressivo e prestar atenção em todos os detalhes. É indispensável para fãs desse estilo.

Site Oficial - http://www.mywebpages.com/madsword

Formação
Andrea Bedin (Vocais)
Gianni Guerra (Guitarras)
Lorenzo Castellarin (Teclados)
Simon Rosani (Baixo)
Walter Pod (Bateria)




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Madsword"


Quiet Riot: quebrando disco de banda brasileira em 1985Quiet Riot
Quebrando disco de banda brasileira em 1985

Lemmy: tatuagens, política, strippers e atrizes pornôLemmy
Tatuagens, política, strippers e atrizes pornô


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336