Matérias Mais Lidas

imagemJames Hetfield e esposa Francesca se divorciam após 25 anos de união

imagemNando Reis e a linda música que Samuel Rosa dispensou por ter recebido na hora errada

imagemAs seis músicas do Metallica que Dave Mustaine ajudou a escrever

imagemAnitta é a maior roqueira que existe hoje no Brasil, diz integrante do Titãs

imagemAs faixas do "Black Album" que James Hetfield e Lars Ulrich não curtem

imagemO comovente relato de Kiko sobre como foi gravar em meio ao câncer de Mustaine

imagemAC/DC: Rick Rubin recorda a problemática produção de "Ballbreaker"

imagemAs 10 melhores versões metal de músicas pop dos anos 1980, em lista da Metal Hammer

imagemJanis Joplin: última gravação dela em vida foi feita para um Beatle

imagemRaul Seixas: o clássico que presta homenagem ao brega e foi feito com Paulo Coelho

imagemNando Reis relembra curioso único game que jogou na vida, durante gravação dos Titãs

imagemSérgio Moro elege banda clássica de Rock como sua favorita

imagemOzzy comenta a brutal honestidade de Lemmy quando estava próximo da morte

imagemJoão Gordo relembra proposta de fazer propaganda de calmante com Dado Dolabella

imagemCinco músicos que começaram vida nova após saírem de grandes bandas de heavy metal


Dream Theater 2022

Resenha - Only Human - At Vance

Por Thiago Sarkis
Em 27/07/02

Nota: 8

Uma das coisas mais certas que li ultimamente foi: "Escolher o neoclássico atualmente é praticamente um suicídio" (ALUCARD, 2002). É uma verdade irredutível. O estilo foi explorado à exaustão, e para tocá-lo sem soar como um clone de Yngwie J. Malmsteen tem que se ir além de um músico altamente técnico e gabaritado. Provavelmente é necessário alcançar o status de gênio, fenômeno. Alguém como Jason Becker ou Paul Gilbert, talvez.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Apesar de tantas ressalvas, há "bandas que sabem se suicidar com estilo" (ALUCARD, 2002), e o At Vance com certeza é uma delas.

"Only Human" passa longe da originalidade, mas tem grau técnico e de composição capaz de suprir o desânimo de encarar uma vertente musical à qual foi criada, pensada e saturada por tantos outros artistas e grupos.

Há muitos pontos positivos por aqui. A sonoridade dos instrumentos é simplesmente maravilhosa e a produção uma coisa de louco, promovida por Olaf Lenk e o sempre genial Sascha Paeth.

Os temas, tanto nas letras como no instrumental, são bem interessantes e atraentes, com uma pegada hipnótica, a qual deixa na memória um renque de melodias e frases. Isso acontece principalmente nos vocais excelentes de Oliver Hartmann, por vários instantes similar a Russell Allen (Symphony X), e nos riffs agressivos despejados por Rainald König.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No restante, solos de guitarra fantásticos de Lenk, e tudo aquilo que se espera de baixistas e bateristas nessa linha, ou seja, velocidade, galopes, limpeza no som, entre outras coisas.

Destaques para as faixas "Only Human", "Hold Your Fire", "Take Me Away", "Time", "Wings To Fly" e a bônus "I Surrender", possivelmente uma das poucas com algum traço de autenticidade. Há também uma interpretação de Vivaldi em "Four Seasons / Spring" e de Bach em "Solfeggietto".

Fãs de melódico e neoclássico podem comprar de olhos vendados, já que é aquela mesma coisa de sempre. Os demais dêem uma checada, pois existe qualidade e não é uma banda qualquer, de passagem burlesca pelo mundo metálico.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Site Oficial – http://www.at-vance.com

Formação:
Oliver Hartmann (Vocais)
Olaf Lenk (Guitarras)
Rainald König (Guitarras)
Ulli Müller (Teclados)
Jochen Schnur (Baixo)
Jurgen Lucas (Bateria)

Material cedido por:
Hellion Records – http://www.hellionrecords.com
Rua 24 de Maio, 62 – Lojas 280 / 282 / 308 – Centro.
São Paulo – SP – BRASIL
CEP: 01041-900
Tel: (11) 5083-2727 / 5083-9797 / 5539-7415
Fax: (11) 5549-0083
Email: [email protected]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Cinco nomes do heavy metal que já gravaram músicas do ABBA

O Suprassumo do Superestimado: os 11 mais (ou menos) nacionais

Iron Maiden: o vocal que quase substituiu Bruce Dickinson em 93


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis.