Resenha - Only Human - At Vance

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Uma das coisas mais certas que li ultimamente foi: "Escolher o neoclássico atualmente é praticamente um suicídio" (ALUCARD, 2002). É uma verdade irredutível. O estilo foi explorado à exaustão, e para tocá-lo sem soar como um clone de Yngwie J. Malmsteen tem que se ir além de um músico altamente técnico e gabaritado. Provavelmente é necessário alcançar o status de gênio, fenômeno. Alguém como Jason Becker ou Paul Gilbert, talvez.

Metal: 101 motivos para perceber que você ouve há muito tempoHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1986

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Apesar de tantas ressalvas, há "bandas que sabem se suicidar com estilo" (ALUCARD, 2002), e o At Vance com certeza é uma delas.

"Only Human" passa longe da originalidade, mas tem grau técnico e de composição capaz de suprir o desânimo de encarar uma vertente musical à qual foi criada, pensada e saturada por tantos outros artistas e grupos.

Há muitos pontos positivos por aqui. A sonoridade dos instrumentos é simplesmente maravilhosa e a produção uma coisa de louco, promovida por Olaf Lenk e o sempre genial Sascha Paeth.

Os temas, tanto nas letras como no instrumental, são bem interessantes e atraentes, com uma pegada hipnótica, a qual deixa na memória um renque de melodias e frases. Isso acontece principalmente nos vocais excelentes de Oliver Hartmann, por vários instantes similar a Russell Allen (Symphony X), e nos riffs agressivos despejados por Rainald König.

No restante, solos de guitarra fantásticos de Lenk, e tudo aquilo que se espera de baixistas e bateristas nessa linha, ou seja, velocidade, galopes, limpeza no som, entre outras coisas.

Destaques para as faixas "Only Human", "Hold Your Fire", "Take Me Away", "Time", "Wings To Fly" e a bônus "I Surrender", possivelmente uma das poucas com algum traço de autenticidade. Há também uma interpretação de Vivaldi em "Four Seasons / Spring" e de Bach em "Solfeggietto".

Fãs de melódico e neoclássico podem comprar de olhos vendados, já que é aquela mesma coisa de sempre. Os demais dêem uma checada, pois existe qualidade e não é uma banda qualquer, de passagem burlesca pelo mundo metálico.

Site Oficial - http://www.at-vance.com

Formação:
Oliver Hartmann (Vocais)
Olaf Lenk (Guitarras)
Rainald König (Guitarras)
Ulli Müller (Teclados)
Jochen Schnur (Baixo)
Jurgen Lucas (Bateria)

Material cedido por:
Hellion Records - http://www.hellionrecords.com
Rua 24 de Maio, 62 - Lojas 280 / 282 / 308 - Centro.
São Paulo - SP - BRASIL
CEP: 01041-900
Tel: (11) 5083-2727 / 5083-9797 / 5539-7415
Fax: (11) 5549-0083
Email: hellion@uol.com.br




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "At Vance"


Metal: 101 motivos para perceber que você ouve há muito tempoMetal
101 motivos para perceber que você ouve há muito tempo

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1986Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1986


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336