Resenha - Journey - Khallice

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Daniel Dutra
Enviar Correções  


(Hellion - nacional)

publicidade

Perdi a conta de quantas resenhas positivas, algumas extremamente positivas, eu li a respeito de The Journey, álbum de estréia do grupo brasiliense Khallice. Aqui mesmo no Disconnected, na época em que o trabalho havia sido lançado de maneira independente, os elogios no review do colega Ewerton Laraia não foram poucos. Enfim, estava sobrando curiosidade quando coloquei o CD no aparelho de som, mas depois de escutar as nove músicas o que sobrou foi um crítico reticente.

publicidade

The Journey está longe de ser ruim ou apenas regular, ainda mais por se tratar de um trabalho de estréia. Marcelo Barbosa (guitarra), Bruno Wambier (teclados), Michel Marciano (baixo), César Zolhof (bateria) e Alírio Netto (vocal) também apresentam um domínio muitas vezes impressionante de seus respectivos instrumentos. No entanto, falta personalidade, uma vez que o quinteto é exageradamente influenciado por Dream Theater.

publicidade

Loneliness, a música que abre o disco, tem passagens que remetem diretamente a Take the Time, do clássico Image and Words. Mais do que isso, você encontra aqueles vazios preenchidos por viradas de bateria (como em Metropolis); solos de guitarra dobrados pelos teclados, que por sua vez são bem na linha Kevin Moore, ex-integrante da banda americana; e um vocal semelhante até demais com o de James LaBrie - sinceramente, com tanto vocalista bom por aí, este está longe de ser uma boa escolha.

publicidade

Claro, nada disso impede que encontremos pontos positivos, como o ótimo solo de Barbosa em I've Lost My Faith; outro melhor ainda em Prophecy (o trabalho de guitarra é um dos destaques, diga-se); o refrão bacana de Thunderstorm; a veia mais pop, principalmente por causa dos teclados, em Wrong Words; e o instrumental de Turn the Page, mais arrastada e com um trecho mais suingado que ficou muito bom.

publicidade

Spiritual Jewel quase chega a ser excelente e corrobora o ótimo trabalho do guitarrista, além de apresentar o sempre eficiente hammond. O "quase" fica por conta de Netto, que acaba cansando o ouvinte ao tentar tons cada vez mais altos, mas vá lá que a garotada adora esse tipo de coisa. Aliás, é melhor nem reclamar muito, pois imagine se Mario Linhares, dono do microfone no Dark Avenger, resolve não apenas escrever as letras do próximo disco, mas aumentar sua participação especial também cantando...

publicidade

O legal, até mesmo para não parecer tão azedo, é que o quinteto tem talento suficiente para buscar uma identidade própria e apresentar influências sem necessariamente ter de reciclar o que os ídolos já fizeram. Uma prova disso é a ótima faixa-título, com um belo piano - sejamos justos: Wambier manda bem em todo o CD - e Netto arriscando vocais mais rasgados.

publicidade

Hellion Records: www.hellionrecords.com.br


Outras resenhas de Journey - Khallice

Resenha - Journey - Khallice

Resenha - Journey - Khallice

Resenha - Journey - Khallice




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Edu Falaschi: os dez vocalistas brasileiros preferidos deleEdu Falaschi
Os dez vocalistas brasileiros preferidos dele


Slipknot: Corey Taylor não tem a cara limpa por baixo da máscaraSlipknot
Corey Taylor não tem a cara limpa por baixo da máscara

Sons Of Anarchy: a obra-prima televisiva e sua fantástica trilha!Sons Of Anarchy
A obra-prima televisiva e sua fantástica trilha!


Sobre Daniel Dutra

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin