Thin Lizzy: a banda mais injustiçada do rock

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Quando penso em bandas injustiçadas, o primeiro nome que me vem à cabeça é o do Thin Lizzy. O quarteto liderado pelo vocalista e baixista Phil Lynott tinha tudo para ser gigante: ótimas músicas, instrumental requintado, melodias inspiradas, interpretações vocais cheias de personalidade e uma sonoridade original e cativante. Porém, tinha também um outro ingrediente: a instabilidade provocada pelo abuso de drogas, que marcou a carreira da banda de maneira não muito positiva.

Bandas Iniciantes: 17 maneiras de assassinar sua carreira musicalJethro Tull: a fúria de Ian Anderson pra cima do Led Zeppelin

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Formado em Dublin em 1969, o Thin Lizzy sempre teve em Lynott o seu eixo principal. Era ao redor dele que tudo acontecia. Sua forma de cantar, meio falada e com a malícia das ruas, nunca encontrou algo semelhante. Suas composições, que sempre aliaram peso e uma onipresente pegada pop, em um mundo justo seriam conhecidas em todos os recantos do planeta. E ainda havia muito mais: o ataque faiscante das guitarras de Scott Gorham e Brian Robertson fez história e influenciou nomes que vão do Iron Maiden à toda a cena de power metal. E como cereja do bolo, por breves períodos o grupo ainda contou em suas fileiras com Gary Moore e John Sykes. E pra fechar, a bateria segura de Brian Downey, onde o chimbal exercia um papel de destaque.

A fase de ouro do Thin Lizzy durou seis anos e rendeu sete discos: "Vagabonds of the Western World" (1973), "Nightlife" (1974), "Fighting" (1975), "Jailbreak" (1976), "Johnny the Fox" (1976), "Bad Reputation" (1977) e "Black Rose: A Rock Legend" (1979), além de um antológico álbum ao vivo, "Live and Dangerous", que chegou às lojas em 2 de junho de 1978. Os dois primeiros discos, "Thin Lizzy" (1971) e "Shades of a Blue Orphanage" (1972), mostravam uma banda ainda tentando encontrar a sua sonoridade. E a época final com Lynott, que abrange os álbuns "Chinatown" (1980), "Renegade" (1981) e "Thunder and Lightning" (1983), revelaram um grupo já debilitado pelas drogas enquanto buscava atualizar a sua música aproximando-se do heavy metal popular na época. A morte de Phil Lynott em 4 de janeiro de 1986, com apenas 36 anos devido a um colapso provocado pelo abuso de álcool e substâncias, encerrou de vez a era dourada do Thin Lizzy.

A banda, no entanto, seguiu em frente com encarnações distintas. John Sykes, que tocou nos últimos discos com Lynott, manteve o Thin Lizzy na ativa entre 1996 e 2010, enquanto Scott Gorham assumiu o comando a partir de 2010 com Ricky Warwick nos vocais. A iniciativa de Gorham agradou os fãs e o grupo decidiu então lançar material inédito, porém com outro nome para preservar o legado de Lynott. Nasceu então o Black Star Riders, que já deu ao mundo três bons discos que exploram o universo sonoro esculpido por Phil Lynott e sua turma: "All Hell Breaks Loose" (2013), "The Killer Instinct" (2015) e "Heavy Fire" (2017).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Toda essa trajetória foi marcada por música da mais alta qualidade, presentando os fãs com diversos hits e canções marcantes. Pelo menos um dos álbuns do Thin Lizzy, "Jailbreak" (1976), pode ser considerado um clássico inquestionável do hard rock. É nesse disco que está o maior hit da banda, "The Boys Are Back in Town", que alcançou o primeiro lugar na Irlanda em 1976. Outros grandes êxitos comerciais do quarteto foram "Don't Believe a Word" (2ª posição, também na Irlanda, também em 1976), "Dancing in the Moonlight" (4º posto na Irlanda em 1977) e "Waiting for an Alibi" (6ª posição na Irlanda em 1979). Além disso, é do Thin Lizzy a gravação mais antológica da imortal "Whiskey in the Jar", canção tradicional irlandesa que ganhou inúmeras interpretações ao longo dos anos - incluindo a do Metallica, em 1998, que apresentou a música para uma nova geração de ouvintes. Porém, a performance do Thin Lizzy, lançada em novembro de 1972 como single e incluída nas edições posteriores de "Vagabonds of the Western World" (1973), é de longe a mais marcante.

Agora que você já sabe mais sobre essa banda absolutamente incrível, delicie-se com a nossa playlist especial. Separamos 26 músicas do Thin Lizzy em quase duas horas de música, com as faixas mais conhecidas do quarteto de Lynott. E com um bônus delicioso: a arrepiante versão da linda "Still in Love With You", uma das mais belas baladas já compostas, gravada ao vivo nos estúdio da BBC em 1974 para o programa do DJ John Peel e com Lynott dividindo os vocais com Gary Moore.

Viva o Thin Lizzy. Hoje e sempre!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Thin Lizzy"


Pra discutir: os 100 melhores discos de hard rock de todos os temposPra discutir
Os 100 melhores discos de hard rock de todos os tempos

Separados no nascimento: Phil Lynott e TiriricaSeparados no nascimento
Phil Lynott e Tiririca


Bandas Iniciantes: 17 maneiras de assassinar sua carreira musicalBandas Iniciantes
17 maneiras de assassinar sua carreira musical

Jethro Tull: a fúria de Ian Anderson pra cima do Led ZeppelinJethro Tull
A fúria de Ian Anderson pra cima do Led Zeppelin


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280