Ghost BC: A Missa Negra estava cheia de ateus no Rock in Rio

Resenha - Ghost BC (Rock In Rio, 19/09/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Alessandro Eduardo, Fonte: Sound and Vision
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

As luzes se acendem e começa a missa negra e seu canto gregoriano. Infestissumam funciona mais como uma introdução que uma música propriamente dita, mas é pesada e ótima abertura e vem emendada por Per Aspera Ad Inferi, bem pesada e agressiva. Na sequencia temos Con Clave Con Dio e Prime Mover, e são bem recepcionadas pelo público da noite.

Dr. Pheabes: por que é a única banda a estar no Lolla e no RIR?Bruce Dickinson: recebendo resposta de ícones do Punk

A coisa começa a tomar outros ares com Secular Haze, com sua introdução de órgão estilo The Doors, injetou um tanto de psicodélica a um público não afeito a diversidade musical. Começa Stand by Him continua com a pegada psicodélica e teclados na primeira parte da música e no seu meio vira totalmente Slayer e volta a terminar permeada pelos teclados.

Papa Emeritus II, apesar de todo seu visual e pompa, não é um grande comunicador e fala pouco com o público. Começa Genesis, faixa instrumental que encerra o primeiro CD da banda, e bem recepcionada pela plateia com palmas. Ao fim desta canção Emeritus retorna ao palco e com olhar repreensivo para o público pede palmas aos membros da banda, a partir daí o que se ouviu da plateia foram gritos de: “Metallica! Metallica!”.

Year Zero é recepcionada por esses mesmos gritos. A belíssima canção é prejudicada por essa reação do público e pelas partes de playback com o coro da introdução de “Belial, Behemoth, Beelzebub...”. O som estava muito embolado e quase não se ouvia. Mas foi outra boa música, que mostra a diversidade da banda. Mais simpático, Emeritus conversa com o público e pede que eles se juntem à banda para Ritual. Essa canção tem um ótimo riff e uma manha pop, você ouve e já gruda na cabeça.

As luzes se apagam e somos levados aos anos 70, Guleh/Zombie Queen começa conduzida por teclados, baixo e bateria e Papa Emeritus encarna Alice Cooper para depois a canção virar um misto de surf music e glam rock e Emeritus mostrar seu lado David Bowie. Uma pena o público não ter absorvido essa canção riquíssima da banda.

Imagem

Emeritus anuncia a última canção, agradece e convoca todos a participar em Monstrance Clock, com sua condução marcial e guitarras anos 70, mostrando mais uma vez a influência de Blue Oyster Cult. A plateia esboçou uma reação e cantou o refrão junto a Emeritus.

Ficou faltando Elisabeth e Satan's Prayer, que são músicas que seriam uma escolha mais acertada para a plateia que eles estavam tocando. Parecia uma missa que estava cheia de ateus.

Finalizando, a banda cresce muito ao vivo e já se nota uma evolução em seus músicos, principalmente o baixista. Mas, nota-se que eles funcionam muito melhor em um palco menor. Em minha opinião, o mais sensato seria se eles tivessem fechado a noite no palco Sunset e Rob Zombie tocado no Palco Mundo. Quem conhece as canções ou se dispôs a abrir a mente e ver a diversidade e proposta da banda, assistiu a um bom show. Os Nameless Ghouls são até simpáticos, Papa Emeritus II canta bem, mas poderia deixar de lado um pouco o teatro papal e ser mais comunicativo e espontâneo em cima do palco, seus trejeitos são todos estudados. É como se eles estivessem sempre dando um sermão, com suas expressões severas.

SET-LIST:

INFESTISSUMAM
PER ASPERA AD INFERI
COM CLAVI COM DIO
PRIME MOVER
SECULAR HAZE
STAND BY HIM
GENESIS
YEAR ZERO
RITUAL
GULEH/ZOMBIE QUEEN
MONSTRANCE CLOCK

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Rock in Rio
Mais uma atração no dia do The Who e Guns N' Roses

Dr. Pheabes: por que é a única banda a estar no Lolla e no RIR?Rock in Rio: mais atrações pro Sunset, homenagem a João DonatoLigado à Música: Rock in Rio 2017, Nirvana, Pearl Jam e New OrderTodas as matérias e notícias sobre "Rock In Rio"

Slipknot
Corey vai tacar água em quem estiver com celular no RIR

Rock in Rio
Os cachês e exigências dos artistas na edição de 1991

Megadeth
Mustaine relembra fãs jogando xixi em Lobão no Rock in Rio

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Rock In Rio"Todas as matérias sobre "Ghost"

Bruce Dickinson
Recebendo resposta de ícones do Punk

Kiss Fm
As 500 mais pedidas na programação em 2008

Kurt Cobain
Músico procurou Max Cavalera atrás de heroína

Em 20/08/2005: Iron Maiden é atacado com ovos no OzzfestMotorhead: a causa da morte de LemmyIron Maiden: as dez melhores músicas, segundo a LoudwireU2: banda manda caixa de cerveja Guinness pro alcoólatra SlashRegis Tadeu: dez artistas que nunca vieram ao BrasilGuns N' Roses: 50 modelos convidadas para festa, mas nada de namorado

Sobre Alessandro Eduardo

Encontrou o caminho aos 9 anos, quando adquiriu CREATURES OF THE NIGHT, do KISS. Mas o caminho foi tortuoso, teve que vender garrafas de champanhe vazias, pedir dinheiro aos tios e tias para comprar o disco. Pois seus pais não iriam dar, por se tratar de música do demônio. 40 anos, casado com uma diva, chamada Diva, três maravilhosos filhos e dois cachorros. 31 anos de rock, pop, thrash, glam, heavy, hard, soul, funk, blues, jovem guarda e afins. Enjoy the silence!

Mais matérias de Alessandro Eduardo no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online