Year Of The Goat: rótulos são um mal necessário

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Year Of The Goat: rótulos são um mal necessário


  | Comentários:

Rótulos são um mal necessário. As bandas odeiam, jornalistas adoram e o público os utilizam para identificar o que gostam ou não. O fato é que quando uma banda não se prende a tal e/ou se preocupa em soar de certa maneira, a maioria dos resultados são positivos. Occult Rock, Rock progressivo e Metal podem ser alguns dos elementos encontrados na sonoridade do Year Of The Goat. O fato é que esses suecos acertaram a mão em "Angels' Necropolis" ao lançar um dos melhores trabalhos do Rock/Metal em 2012. Falamos com o simpático guitarrista Per Broddesson que tentou nos descrever a sonoridade da banda, além de nos contar mais sobre a história do YOTG dentre outros detalhes.

O Year Of The Goat não é uma banda muito conhecida no Brasil. Apresente-a ao público brasileiro, fale-nos um pouco da carreira da banda até então?

Per Broddesson: A idéia de formar o YOTG (Year Of The Goat) tomou forma como uma iniciativa de Thomas (Sabbathi, vocal/guitarra solo) em 2006, que queria formar uma banda com base no que ele sempre cresceu ouvindo, ou seja, canções psicodélicas dos anos 60, Heavy e Rock progressivo dos anos 70 tudo marinado no ocultismo que sempre foi um interesse dele. Quando ele e eu nos conhecemos percebemos que tínhamos um interesse mútuo em toda esta música e ocultismo (incluindo livros, textos e filmes) e, assim, rapidamente Fredrik (Hellerström) entrou para a banda como baterista. Depois de passar por uma série de baixistas e guitarristas rítmicos, finalmente encontramos um line-up MK1 e começamos a gravar uma demo que, eventualmente, foi lançada como o nosso primeiro trabalho: o EP "Lucem Ferre" (2011) que teve a aclamação da crítica, tanto de fãs e da mídia em geral. Tivemos alguns shows e turnês menores e como a nossa reputação cresceu, logo nós estávamos no cast do poderoso Roadburn Festival, Swenden Rock Festival e Metaltown (dois festivais muito grandes na Suécia), Festival Jalometalli na Finlândia, e assim por diante. Durante este tempo nós nos concentramos em finalizar "Angels' Necropolis", nosso primeiro full-length que a esta altura estava bastante atrasado por uma série de razões. Assim, finalmente, em dezembro de 2012 tivemos um tempo, agora como MK2, e continuamos recebendo grande atenção em todo o mundo.

Conte-nos como foi compor "Angels' Necropolis"? Vocês esperavam um resultado tão positivo?

P.B.: Bem, francamente sim! Quando escrevemos todas as músicas para "Lucem Ferre" sabíamos que tínhamos certo número de grandes canções em nossas mãos, e um monte de músicas que acabaram não se completando e precisavam, ao mesmo tempo, pelo menos, serem trabalhadas. Além disso, a música que escrevemos é algo que vem de dentro de nós, naturalmente, através do nosso conhecimento musical, então não há nada forçado na nossa música. Alguns amam e outros não e compor apenas para agradar os outros é um caminho perigoso, era algo que nós não poderíamos fazer. Não há um monte de dinheiro a ser feito na indústria da música, a menos que você tenha muita sorte, por isso o melhor que podemos fazer é escrever a música que amamos e se as pessoas gostarem ótimo, se não... bem seria um saco, mas pelo menos nós ficaríamos felizes com a gente. Felizmente, muitas pessoas parecem gostar de nós!

"Angels' Necropolis" é um álbum que chama atenção desde seu primeiro acorde. Acredito que tudo isso é pelo fato de Thin Lines Of Broken Hopes ser uma excelente composição, que chama atenção de cara. Fale-nos um pouco sobre isso.

P.B.: Obrigado! Thin Lines Of Broken Hopes é uma música que, como muitas outras nossas, basicamente surgiu. Musicalmente é uma linha bastante progressiva, com um monte de opostos, início pesado, versículo hipnótico, grande coro. Mas para mim a coisa mais perfeita sobre isso é a última seção da música onde um riff bem pesado e hipnotizante o atrai com grande coro grave ("lepaca ...." – cantarola a letra), e ainda me dá arrepios tocar ao vivo. É o que eu gosto de chamar de "dirigindo rápido na estrada à noite, com música no volume total". Sempre que podemos tentamos trazer conosco cantores extras para que possamos dar a esta canção o tratamento que merece ao vivo. E o título se adapta perfeitamente à faixa, é uma música muito suave e cheia de poder.

Aliás, Thin Lines Of Broken Hopes é tão boa que ficamos apreensivos quanto ao restante do álbum não atingir o seu nível de qualidade. Mas isso logo é 'aliviado' com as outras composições que são tão boas quanto.

P.A.: Obrigado novamente! O álbum é uma mistura de canções cativantes e curtas, sendo as mais longas as progressivas, como Thin Lines Of Broken Hopes, por isso há sempre o risco de as pessoas tenderem a gostar de algumas das canções, sejam as curtas ou as longas, assim podemos dizer. Mas acho que, independentemente do tipo de música que escrevemos temos o nosso som para que você possa ouvir quem somos nós, então isso parece agradar-nos e aos nossos ouvintes. Nós, como instrumentistas desfrutamos plenamente tocando solos de 10 minutos e mexemos nisso nos ensaios, mas também gosto muito da "fórmula hit" dos anos 60 e 70, então amem ou nos odeiem, isso é o que nós somos. Enquanto nós ficarmos longe do território perigoso, vamos ter a certeza de ficar por muitos anos. Nós já estamos compondo músicas para o próximo lançamento (e não, não há nenhum lançamento planejado ainda, apenas estamos compondo).

O som do Year Of The Goat consiste em um Rock/Metal Progressivo de ótimo gosto e fácil assimilação. Não há espaços para tanto malabarismos ou individualismo instrumental. Mesmo assim, ainda é difícil de rotular a banda. Como vocês definiriam a sonoridade da banda?

J.P.: É sempre difícil rotular uma banda, pois assim supõe-se que qualquer leitor tem o mesmo quadro de referência que o do escritor. Então, quando eu, pessoalmente, digo que toco Heavy/Rock progressivo dos anos 70, baseio isto em minha coleção pessoal de discos com Coven, Black Sabbath, Scorpions (de 70), 2066 e, em seguida, Earth & Wind (não Earth, Wind & Fire!), Blue Oyster Cult, psicodélico dos anos 60 e assim por diante. Algumas outra bandas que fazem Occult Progressvie Rock setentista que não são antigas, como The Devils Blood e Ghost são comumente comparadas a nós e eu posso ver por que, porque isso é o que está aí agora. Estranhamente as pessoas se referiram a Muse também...

Ainda há um lado oculto tanto na sonoridade, quanto nas letras. Fale-nos um pouco sobre isso.

J.P.: Eu acho que isso tem a ver com o fato de que todos da banda têm um grande interesse por gêneros musicais diferentes, mas tem um terreno comum no meio do Rock de 60/70s. Uma ou duas vezes na sua vida você acaba tocando com as pessoas onde há certa energia que não pode ser forçada, mas que só acontece naturalmente. Quando se escreve um esboço de uma canção, ou mais ou menos isso, apresenta-se aos outros, então isto é filtrado por todos durante os ensaios. Nós deixamos as músicas nos levar onde ela precisa ir ao invés de forçá-la a soar de tal forma. Entre nós temos tocado anteriormente em bandas diferentes, todas covers de Beatles ao Jazz até Death, Black e Metal progressivo. Não estou dizendo que soamos como tal, mas apenas tentando explicar que temos um grande interesse neste tipo de música. Uma boa canção é uma boa canção, entende? Quanto às letras e imagem não é nenhum segredo que nós temos uma inclinada pelo oculto, mas o significado para isso tudo é que temos a tendência de manter em um nível pessoal. Nós não somos pregadores, mas temos a certeza de que sabemos o que escrevemos e temos um interesse real nisso. Algumas pessoas que querem subir na colina e pregar, nos acusam de sermos nerds ocultistas, ou seja, um monte de leitura, mas nada falando sobre isso. Nós queremos que o indivíduo crie seu próprio interesse nestes assuntos e estude por si mesmo, não aceitando a palavra de alguém como a única verdade. Pensamento organizado em qualquer forma é a maneira errada de fazer isso, todos nós somos individualistas.

É interessante notar o equilíbrio que há entre o peso e a melodia das composições, e a linha tênue entre o Rock Clássico e contemporâneo em que as músicas transitam. Aliás, vocês trazem até o velho mellotron dentre os instrumentos. Essa sonoridade 'vintage' surgiu naturalmente?

P.A.: Nossa abordagem 'vintage' é definitivamente algo que surgiu naturalmente. Quanto ao mellotron foi dado desde início que nós queríamos trazer esse instrumento em nossa música, pois somos fãs da era Gabriel no Genesis e essas bandas eram acéfalas. Desde o primeiro dia, dissemos que teríamos que ser capaz de recriar ao vivo o que está gravado no álbum, que é a razão por trás de nós sendo três guitarristas e um músico de mellotron! A única coisa que nós não podemos fazer são os vocais de fundo, pois foram adicionadas no álbum mais do que duas partes. Quanto a equipamentos 'vintage' não é algo que estamos certos, com certeza um Marshall vintage ou amplificadores Fox soam muito bem, mas levá-los em uma turnê e ver realmente o quanto são confiáveis é outra história. Você vai definitivamente achar que não é muito confiável (risos)! Mas nós definitivamente amamos o som de álbuns de Rock dos anos 70 e nós usamos muitos amplificadores 'vintage' durante a gravação, e às vezes ao vivo. Durante a gravação explodiram alguns amplificadores e alto-falantes, então não há outra razão para colocar demasiada confiança no equipamento vintage. Se parece bom quem se importa se ela foi feita em 1971 ou 2011, entende?

Como está a divulgação de "Angels' Necropolis"? Mesmo não tendo um nome tão difundido por aqui, vocês têm recebido algum retorno do Brasil, por exemplo?

P.A.: Nós, na verdade, parecemos ter uma boa base de fãs no Brasil, porém acredito que esta é a primeira entrevista que fazemos para "vocês". Essas informações podem ser confirmadas na nossa página do Facebook. Também podem ser obtidas informações em nosso Spotify/ iTunes e nesses sites vimos que temos bastante fãs do Brasil. Gostaríamos muito de fazer uma turnê por aí (e ainda eu poderia melhorar minha parte sul-americana da minha coleção de discos!). Parece que temos uma grande base de fãs na Alemanha, na Grécia, e em um monte de países na Europa, mas, vira e mexe, temos uma mensagem de qualquer lugar do mundo, então é claro que, se possível, nós absolutamente adoraríamos poder visitar o mundo todo.

E como está a agenda da banda para 2013?

P.A.: Temos alguns shows confirmados na primeira metade de 2013, na Suécia, Noruega, Finlândia e alguns shows confirmados na Alemanha e na Grécia também. Estamos no momento trabalhando com alguns agentes para reunir turnês mais longas e conciliá-las como o tempo que estamos ensaiando e criando novas músicas. Pela gravação de "Angels' Necropolis" já sabemos em que armadilhas não cair, e vamos tentar não nos atrasarmos para o próximo álbum. Assim, dadas as chances nós vamos tocar em qualquer lugar e com qualquer público.

Muito obrigado, deixe uma mensagem.

P.A.: Muito obrigado pela entrevista, todos devem ter uma cópia de nossos registros e ouvi-lo bem alto! Quanto mais pessoas curtirem nosso som e quanto mais vendermos nosso trabalho, a probabilidade de tocarmos pra vocês serão maior! Nós gostamos de tocar ao vivo e sair com as pessoas. Para obter informações sobre o que está acontecendo com YOTG a mais segura fonte é a nossa página no Facebook!

Formação:
Thomas Sabbathi (vocal/guitarra)
Per Broddesson (guitarra)
Don Palmroos (guitarra)
Fredrik Hellerström (bateria)
Tobias Resch (baixo)
Mikael Popovic (mellotron,vocal)

http://www.facebook.com/yearofthegoat?fref=ts
http://www.yearofthegoat.se/Year_Of_The_Goat/Year_Of_The_Goa...

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Entrevistas
Todas as matérias sobre "Year Of The Goat"

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas