Blur: Voltando às origens e amadurecendo sem deixar de renovar

Resenha - Magic Whip - Blur

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Célio Azevedo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Em "The Magic Whip", a banda Blur volta às origens, porém de maneira amadurecida, e sem deixar de inovar. Mesmo estando há 12 anos sem lançar um trabalho de inéditas, o quarteto não perdeu a sua criatividade genial na hora de compor.
Deuses do Rock: o tempo passa para (quase) todos eles

Iniciando em "Lonesome Street", o ritmo dançante marca a canção do início ao fim. Com uma letra simples e melódica. Um refrão pop, mostrando o quanto eles ainda sabem produzir uma música comercial sem perder a qualidade. Claramente uma releitura do ‘Modern Life is Rubbish’. O que dizer de uma música que até um "Oasis" a classificou como a melhor do ano?

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Em "New World Towers" possui muita influência do novo disco solo de Damon Albarn, com destaque para o ar psicodélico que a música passa, com suas batidas africanas. A visão de um mundo pós-moderno, em reconstrução de identidade.

Na música de trabalho "Go Out" é simplesmente o Blur sendo Blur, com guitarras solos que lembram a conhecida "Coffee and Tv", do álbum '13', um tanto diferente de "Ice Cream Man", que conta a história de um "homem-sorvete", meio que relembra também a história do videoclipe da mesma "Coffee and Tv", com a caixinha de leite. Em "Thought I Was a Spaceman" é uma balada com uma certa pitada de música eletrônica, e que poderia facilmente ter entrado na discografia solo de Damon Albarn.

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

O rock alternativo dançante de "I Broadcast" coloca o tom de diversão que a discografia do Blur tem de melhor em músicas como “Song 2” e “Bugman”, e o ritmo cadenciado retorna em "My Terracotta Heart", uma balada romântica épica que com certeza entraria num cd de melhores da banda. Falando do mundo hoje e das questões enfrentadas por todos nós, "There Are Too Many of Us" tem um belo arranjo e uma letra bem filosófica (There are too many of us/ That's plain to see/ We all believe in praying/ For our immortality/ We've posed these questions to our children/ Across the mountain stream/ And live in tiny houses/ Of the same mistakes we've made).

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

"Ghost Ship" traz uma banda calma, e isso demonstra o amadurecimento da mesma com a superação das brigas do passado entre Graham Coxon e Damon Albarn. Na belíssima faixa, "Pyongyang" trata da solitude como uma coisa boa. Em como o individualismo pode ser benéfico, sem este ser egoísta. Bem uma crítica à ditadura coletivista da comunista Coréia do Norte, onde há a "morte espiritual do indivíduo". A animada "Ong Ong" relembra as épocas animadas do 'Parklife'. E a espetacular "Mirrorball" fecha o trabalho com uma melodia progressiva e uma letra reflexiva.

Imagem

Tracklist:

1 - "Lonesome Street"
2 - "New World Towers"
3 - "Go Out"
4 - "Ice Cream Man"
5 - "Thought I Was a Spaceman"
6 - "I Broadcast"
7 - "My Terracotta Heart"
8 - "There Are Too Many of Us"
9 - "Ghost Ship"
10 - "Pyongyang"
11 - "Ong Ong"
12 - "Mirrorball"

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Magic Whip - Blur

Blur: Não é o melhor trabalho, mas traz muitas novidades

Todas as matérias e notícias sobre "Blur"

Rolling Stone
Revista elege os melhores rocks com mais de sete minutos

Capas de discos
Agora com ícones da cultura pop

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Blur"

Deuses do Metal
O tempo passa para (quase) todos eles

Slipknot
Joey Jordison diz que foi demitido por telegrama cantado

AC/DC: empresário recorda exigências inusitadas da bandaLars Ulrich: O motivo pelo qual o Big Four tocou "Am I Evil"Slayer: o que acontece quando tentam tocar com um violão?Iron Maiden: assista crianças tocando "The Trooper"Van Halen: As melhores músicas segundo a Ultimate Classic RockDimmu Borgir: "Não sou fã do Korn, mas respeito-os..."

Sobre Célio Azevedo

Nascido no Rio de Janeiro, Célio Azevedo é jornalista, músico, compositor e escritor. Apaixonado por heavy metal, apreciador de rock alternativo. Desde 1997, através de bandas como Blur, Silverchair, Sonic Youth, Helloween e Iron Maiden, se inspirou em diversos estilos musicais para desenvolver o seu próprio. Engajado politicamente, já atuou como dirigente político acadêmico e cultural. Liberal clássico na economia, conservador em posições político-filosóficas, associa o rock como uma vertente libertadora. Mais informações aqui.

Mais matérias de Célio Azevedo no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online