Resenha - Paulo Ricardo (Bar opinião, Porto Alegre, 15/11/2019)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mateus Rister
Enviar correções  |  Ver Acessos

Imagens: Alex Vitola e Mariane Prestes

Nesta sexta-feira (15), o cantor PAULO RICARDO trouxe para a capital dos gaúchos a sua turnê "Rádio Pirata: 35 anos Ao Vivo", que celebra o aniversário de lançamento do disco mais aclamado do RPM, sua antiga banda, o "Rádio Pirata: Ao Vivo". Com produção da Opinião Produtora, o espetáculo solo do cantor, trouxe todos os elementos que fizeram o sucesso do show original.

Antes mesmo das 20h, o público já lotava o Bar Opinião. Assim que o telão em frente ao palco começa a subir, a multidão a plenos pulmões entoa o grito de guerra da noite: "Revolução, revolução". É neste clima que PAULO RICARDO e seus músicos de apoio surgem em meio a um belo jogo de luzes e lasers.

Com o teclado dando o tom, "Revoluções Por Minuto" abre o show, seguida por "Alvorada Voraz", que foi executada com sua letra original, e a dançante "Louras Geladas". O público, composto em grande parte por maiores de 35 anos, mas nem por isso menos animados, assistia ao espetáculo extasiado. Ninguém contesta o lado frontman de PAULO RICARDO, mas algo que quase nunca é citado e pelo qual o músico merece crédito, é sua competência como baixista. Empunhando seu clássico baixo Steinberger Headless, Paulo não traz nenhuma performance avassaladora, mas cumpre muito bem o seu papel, com linhas precisas e bem sacadas, mantendo a cozinha da banda afiada.

O músico fala sobre aquele clima de medo de uma guerra nuclear entre EUA e URSS que pairava sobre os anos 80, dando a deixa para a "Estação do Inferno", com luzes em vermelho e laranja que encaixam perfeitamente com o contexto da letra.

Eis que a calmaria aparece com a belíssima "A Cruz e a Espada", seguida por "Sob a Luz do Sol", "Pr'Esse Vício" e a densa e carregada de emoção, "Juvenília". O legado da RPM é muito forte, apesar de poucos discos lançados, suas canções são marcantes ao ponto de serem cantadas de cor, mesmo três décadas depois.

O clima oitentista segue com "Liberdade/Guerra Fria". Após, PAULO lembra da música que fazia sucesso em versão pirata e praticamente obrigara ao grupo a lançar o álbum que agora, 35 anos depois é revisitado pelo cantor, estamos falando de "London London", música de CAETANO que catapultou o RPM ao estrelato absoluto. Neste momento o show é pura emoção, impossível não sentir a magia da década em que essa canção tocava sem parar na maioria das rádios de música Pop do país.

Após a chuva de palmas, PAULO lembra da importância que a direção de NEY MATOGROSSO teve para o show original. Em seguida, a homenagem aos Secos e Molhados, banda que NEY fez parte em sua formação clássica, com "Flores Astrais". Aqui não podemos deixar de falar mais uma vez da iluminação, com seus tons de azul e um feixe de laser sobre PAULO RICARDO, totalmente espetacular. Sem dúvidas, um dos pontos altos da noite.

O show segue com a clássica instrumental, "Naja", e realmente é impossível não lembrar do tecladista e membro fundador do RPM, o grande LUIZ SCHIAVON. Não que a execução tenha ficado abaixo do esperado, mas é que a canção é uma marca registrada do músico original.

A festa volta a ficar animada com a introdução rápida de "A Fúria do Sexo Frágil Contra O Dragão da Maldade" e, em seguida, talvez o maior sucesso já composto pela antiga banda de PAULO RICARDO, "Olhar 43". O grupo se despede e saí do palco, mas o público não vai embora. Os gritos de: "Revolução, revolução", voltam a tomar conta do local, e então, a banda retorna para o bis.

PAULO agradece a produção e os veículos de comunicação que divulgaram e apoiaram o evento e informa que a próxima música é o tema do reality show que já vai para sua vigésima temporada na televisão brasileira, o famigerado Big Brother Brasil, "Vida Real" e seu famoso refrão que trouxe o RPM para o século XXI surgem e animam a multidão.

Então para encerrar definitivamente a noite, é a vez dela, a canção que dá nome ao disco e a tour, "Rádio Pirata". Aquele riff reconhecido nos primeiros segundos, seguido pelo teclado marcante, põem a casa para dançar. Os jovens senhores e senhoras ali presentes, por certo, viajam direto para adolescência e aquele sentimento ingênuo, mas sincero, de tentar mudar o mundo. "...Toquem o meu coração, façam a revolução...", bom acho que isso aconteceu naquele momento, em cada indivíduo que se encontrava no Bar Opinião.

A banda se despede, o público grita e aplaude, PAULO RICARDO aperta as mãos de todos que consegue alcançar da ponta do palco, joga a toalha que carregava em seus ombros para a plateia e se encaminha para o camarim. A noite acaba provando que o show, a princípio encarado como saudosista, na verdade ainda é um espetáculo forte, intenso e muito divertido, mesmo 35 anos depois. Talvez até deveria ter seus conceitos analisados para servir de inspiração aos artistas atuais que deixam a desejar na experiência estética que suas apresentações proporcionam.



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Paulo Ricardo"


Paulo Ricardo: falas sobre politicamente correto no Encontro polemizamPaulo Ricardo
Falas sobre "politicamente correto" no "Encontro" polemizam


Bateristas: os dez músicos mais loucos de todos os temposBateristas
Os dez músicos mais loucos de todos os tempos

Gutural: mulheres que fazem vocal em bandas de MetalGutural
Mulheres que fazem vocal em bandas de Metal


Sobre Mateus Rister

Jornalista, assessor de comunicação/imprensa e músico. Apaixonado por Rock And Roll, cinema e contracultura. Dono do blog insanityrecords.com.br e incentivador de cenário musical autoral.

Mais matérias de Mateus Rister no Whiplash.Net.

adClioIL