Krisiun, Kataklysm e Sextrash: Quem foi saiu com o ouvido zunindo

Resenha - Krisiun, Kataklysm e Sextrash (Music Hall, BH, 27/04/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mário Pescada
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Noite de domingo e um público mediano compareceu ao Music Hall para ver mais uma vez o trio gaúcho KRISIUN retornar à BH acompanhado dessa vez pelos canadenses do KATAKLYSM. Os brasileiros continuam a divulgação do cd "The Great Execution" (2011) com suas mais de 40 datas (!) agendadas de janeiro até o final de maio, passando por Europa, Brasil, EUA, Canadá e México. Por sua vez, o KATAKLYSM segue divulgando o cd "Waiting For The End To Come" (2013) que obteve boa recepção de público e crítica desde o seu lançamento.

Krisiun: banda anuncia turnê na Europa com 32 datas em 32 diasGuns N' Roses: funkeiro assassina clássico máximo da banda

Apesar de inicialmente ser divulgado que quem abriria os shows seria a banda Scourge, no final quem ficou com a responsabilidade de esquentar os presentes foram os também mineiros do SEXTRASH. Mesmo com o som muito alto e um pouco embolado no começo, não chegou a comprometer a performance: Torment Of A Suicide, Seduced By Evil, Alcoholic Mosh, Jack The Ripper, Genital Tumor, Funeral Serenade e Black Church foram tocadas em um set curto, mas que agradou quem já estava dentro da casa.

Quase dez da noite e um sinal de luz vindo do palco para a mesa de som sinalizava que era hora de baixar a música ambiente que o KATAKLYSM iria tocar seu death metal melódico ou como são conhecidos na gringa, "northern hyperblast". Uma curta intro e logo depois Prevail já para colocar o público agitando. A banda toda é muito técnica, com bons riffs, quebradas de ritmo e passagens ideais para bater cabeça, alternando momentos pesados com melódicos. Não tem como não destacar o baterista Olivier "Oli" Beaudoin (em substituição a Max Duhamel afastado por problemas com alcoolismo), o cara é muito bom, muita sincronia e velocidade! Em uma hora de duração, ainda executaram Like Animals, As I Slither, Push The Venom (muito aguardada pelos fãs), Blood Of The Swans, Elevate (destruindo os bumbos), Fire, In Shadows And Dust e outras. Saíram do palco aplaudidos em reconhecimento pelo bom show.

Uma breve pausa para encontrar os amigos e tomar uma cerveja, quando às 23:15 o KRISIUN sobe ao palco. Alex Camargo saúda Belo Horizonte e avisa: "Mais uma vez irmão, o KRISIUN está aqui". Como é bom ouvir isso...o KRISIUN hoje, além de ser a maior banda brasileira de metal extremo, também é sinal de qualidade, profissionalismo e respeito mundial. E começaram com a já clássica Kings Of Killing seguida por Obsession By Evil Unborn, Visions Beyond, Vengeances Revelation, Combustion Inferno, The Will To Potency, entre outras. Uma pequena falha já na metade do show fez com que o som sumisse, deixando o técnico da mesa de som e a banda sem entender nada. Problema logo resolvido e dá-lhe brutal death metal!

Tudo ia bem, público curtindo na boa o show até que um sujeito alterado (leia-se muito bêbado) começou a xingar de tudo que é nome o técnico da mesa de som por causa da jaqueta que ele vestia (ela tinha um enorme escrito amarelo Fé em forma de escudo e espada, símbolo muito comum aqui em BH por causa da Igreja Batista da Lagoinha). Segundo o sujeito, como aquilo ali era um "show do capeta", ele não deveria estar ali. Como ele veio conversar comigo, disse para ele curtir o show na boa, que o cara estava ali trabalhando, etc. Não adiantou muito e o segurança teve que intervir e por pouco (muito pouco, diga-se) não houve agressão física. Lamentável. Se o técnico da mesa de som fosse atrás desse cara evangelizar ele, com certeza que ele não gostaria, então cada um na sua e como dito, o cara estava ali trabalhando, sendo profissional independente da crença. Enfim...

Animos acalmados, o KRISIUN seguia o setlist e ainda aproveitou para fazer uma merecida homenagem ao João Eduardo (da Cogumelo) pelo seu trabalho em prol do metal nacional nesses mais de 30 anos de atividade. Finalizando, tocaram No Class (MOTORHEAD) que ficou muito boa e fecharam de vez a noite com Black Force Domain.

Já era começo de segunda-feira quando as luzes se ascenderam. Quem foi saiu satisfeito e com ouvido zunindo, afinal, o KRISIUN esteve ali.

Vídeos do Youtube filmados por outras pessoas

SEXTRASH - Genital Tumor / Funeral Serenade

KATAKLYSM -Elevate

KRISIUN - Kings Of Killing



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Krisiun"Todas as matérias sobre "Kataklysm"Todas as matérias sobre "Sextrash"


Krisiun: banda anuncia turnê na Europa com 32 datas em 32 dias

Krisiun: homenagem a Andre Matos no Dia Internacional do RockKrisiun
Homenagem a Andre Matos no Dia Internacional do Rock

Loudwire: Krisiun na lista dos dez power trios mais pesados da históriaLoudwire
Krisiun na lista dos dez power trios mais pesados da história

Max Kolesne e Dave Lombardo: bateria não pode sobrepor guitarraMax Kolesne e Dave Lombardo
Bateria não pode sobrepor guitarra

Krisiun: se não tivessem agido rápido, a banda poderia ter sido presa, diz MoysesKrisiun
Se não tivessem agido rápido, a banda poderia ter sido presa, diz Moyses


Guns N' Roses: funkeiro assassina clássico máximo da bandaGuns N' Roses
Funkeiro assassina clássico máximo da banda

Di'Anno: Harris é como Hitler e o Maiden é entediante!Di'Anno
"Harris é como Hitler e o Maiden é entediante!"

Rolling Stones: as 10 melhores segundo a... Rolling StoneRolling Stones
As 10 melhores segundo a... Rolling Stone

Out: os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revistaGuns N' Roses: o "Chinese Democracy" que você nunca viuMax e Iggor Cavalera: conheça o ônibus de turnê dos irmãosDoc Martens: Rockstars mortos em propaganda de sapatos

Sobre Mário Pescada

Mineiro, leitor compulsivo, ouvinte de todas as vertentes do rock - do blues ao grindcore. Valoriza mais a honestidade e entrega em cima do palco do que a técnica. Guarda os flyers dos shows que vai como se fossem relíquias.

Mais matérias de Mário Pescada no Whiplash.Net.