RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemO conselho realista de John Petrucci para bandas que estão começando agora

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo

imagemO que faltou para o Overkill entrar no "Big Four" do thrash, segundo D. D. Verni

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words


Helloween e Gamma Ray: um "revival" no atual giro dos alemães

Resenha - Helloween e Gamma Ray (Fundição Progresso, Rio De Janeiro, 30/11/2013)

Por Marcelo Prudente
Postado em 06 de dezembro de 2013

O ano de 2008 se dá ao luxo de ser relembrado, no que tange à área de entretenimento, pela passagem de grandes bandas em terras tupiniquins, como por exemplo: a volta de Ozzy Osbourne, após 13 anos longe dos palcos brasileiros; a entidade metálica, Iron Maiden, presenteando o público com a primeira parte de sua turnê Somewhere Back in Time e os alemães do Helloween com a improvável, porém muito bem sucedida, turnê com os co-patriotas do Gamma Ray, intitulada de Hellish Tour.

Implacável a todos, o tempo passou, mas o que fora um evento único registrado no passado e nas recordações de quem lá estava ganhou um ‘revival’ no atual giro dos alemães. Com apenas duas datas em território brasileiro, Rio de Janeiro (30/11) e São Paulo (01//12), as bandas Helloween e Gamma Ray mostraram o porquê de serem, até hoje, os baluartes da cena Power Metal.

Com alguns minutos de atrasos, o Gamma Ray começou os trabalhos na capital fluminense sob os acordes da pesada "Anywhere in the Galaxy", que logo, logo, cedeu espaço para não menos pesada e intensa, "Men, Marthians and Machines". O carisma sempre jogou a favor do guitarrista e vocalista Kai Hansen – completa a banda Henjo Richter (guitarra), Dirk Schlächter (baixo) e Michael Ehré (bateria) – e com toda simpatia que lhe é peculiar, o ‘frontman’ conduziu toda apresentação, fazendo questão de se comunicar entre as canções e, lógico, convidar a todos à celebração do metal germânico.

E foi com canções do teor de "Master of Confusion", homônima ao EP; "Empathy" e "Rise" rememorando o álbum To the Metal e a trinca final com "Future World", "To the Metal" e "Send me a Sign" que os alemães do Gamma Ray fecham, com chave de ouro, sua apresentação em terras cariocas.

Mesmo em noite chuvosa, o calor intenso não dava trégua, e se acentuou, ainda mais, com a introdução "Walls of Jericho" e os primeiros acordes do hit "Eagle Fly Free". E foi sem pedir licença que os acordes de "Nabatea" invadem a Fundição Progresso, sendo a primeira representante do novo álbum Straight Out of Hell.

Desde metade dos anos 1990 que o Helloween é figura cativa nos palcos brasileiros, mas esse ano a banda se superou com dois giros pelo país quando da apresentação na última edição do festival Rock in Rio, onde prometeu de pé junto que voltaria no mês de novembro para uma apresentação com repertório completo. Promessa feita, promessa cumprida, com a banda fazendo alegria do público com seu Power Metal.

Com quase 30 anos de estrada, a banda acumula repertório que agrada os entusiastas às melodias e velocidade e àqueles que não abrem mão de acentuado peso nas linhas de guitarra, baixo e bateria. Dito isso, uma mescla com canções do quilate de "Waiting for the Thunder", "I’m Alive", "Power", "If I Could Fly", "Hell Was Made in Heaven", "Dr Stein", "Are You Metal" e "Where The Rain Grows" caiu como uma luva e colaborou para o saldo positivo da noite.

Assim como na primeira encarnação da Hellish Tour, o ‘grand finale’ é reservado para reunião entre Kai Hansen e a atual encarnação do Helloween com Andi Deris (vocal), Michael Weikath (guitarra), Markus Grosskopf (baixo), Sascha Gerstner (guitarra) e Dani Löble (bateria). Para tal, o medley com Halloween/How Many Tears/ Heavy Metal (Is the Law) e a execução de "I Want Out" conseguiram encerrar com louvor mais esse capitulo do metal germânico em terras brasileiras.

As escorregadelas da noite ficaram por conta do desnecessário e enfadonho solo de bateria Dani Löble e os problemas técnicos com a guitarra de Sascha Gerstner, que gerou visível insatisfação e irritação do músico, levando-o abandonar o palco por diversas vezes. E é por conta dessas bolas na trave que a Hellish 2013 tira a nota 9.

Fonte:
http://www.rockonstage.blogspot.com.br/ -


Outras resenhas de Helloween e Gamma Ray (Fundição Progresso, Rio De Janeiro, 30/11/2013)

Resenha - Helloween e Gamma Ray (Fundição Progresso, Rio De Janeiro, 30/11/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Helloween: incrível performance de fã no The X-Factor

Para entender: o que é power metal?

Helloween: Michael Kiske realmente não gosta de heavy metal? Vocalista responde


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Marcelo Prudente

Marcelo Prudente, 28 anos, nascido em Volta Redonda/Rio de Janeiro. É profissional da área de Comunicação, trabalha com Publicidade e Jornalismo. Começou a tomar gosto pela música quando criança por influência dos pais e tio. Louco pela carreira do velho madman, Ozzy Osbourne. Curte também Iron Maiden, Kiss, Rammstein, Rob Zombie, Alice Cooper, etc. E já perdeu a conta dos bons shows que já assistiu e dos ótimos discos que tem. Para mais informação: http://rockonstage.blogspot.com/. Long live to Rock n' Roll.
Mais matérias de Marcelo Prudente.