Blur: banda encerra o Planeta Terra com espírito londrino em SP

Resenha - Blur (Campo de Marte, São Paulo, 09/11/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Jorge A. Silva Junior
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Surgido no início da década de 1990 como um dos principais representantes do Britpop, o BLUR foi responsável por encerrar a 7ª edição do Festival Planeta Terra, que aconteceu no Campo de Marte, em São Paulo, neste sábado (9). Com sucessos que emplacaram nas rádios do Reino Unido - entre eles "Parklife", "Coffee & TV" e "Song 2" -, a banda inglesa mostrou em uma hora e meia ter competência de sobra em cima do palco e proporcionou um ótimo espetáculo para um público de 28 mil pessoas.

1816 acessosLiam Gallagher: declarando guerra contra vocalista do Blur5000 acessosGene Simmons: "Não me importa se você é Axl Rose"

Pela segunda vez no Brasil - a primeira aconteceu em 1999, durante a turnê do álbum '13' - o BLUR desembarcou na capital paulista com sua formação original e duradoura: Damon Albarn (vocal), Graham Coxon (guitarra), Alex James (baixo) e Dave Rowntree (bateria). Assim como ocorreu nos últimos shows pela América do Sul (Peru, Argentina, Uruguai e Chile), o repertório esteve focado em seus grandes sucessos, tudo ao melhor estilo "coletânea ao vivo".

O fato de não gravar um álbum de estúdio desde 'Think Tank' (2003), além do hiato de seis anos até 2009, não diminuiu a qualidade da apresentação. Para quem duvida, basta conferir o DVD 'No Distance Left To Run', que registra o retorno do grupo frente a 80 mil pessoas no Hyde Park, em Londres. A capital inglesa, inclusive, pode ser a melhor tradução da sonoridade do BLUR. Poucas bandas se identificam tanto com uma cidade quanto o BLUR com a cinzenta Londres.

E com a tradicional pontualidade britânica, o quarteto subiu ao palco às 21h30 para fazer o público pular logo de cara com "Girls And Boys" (Parklife, 1994). Foi notável a satisfação dos fãs ao ver a banda pela primeira vez, afinal poucos presentes tiveram a oportunidade de estar no Credicard Hall há 14 anos.

Sem deixar a poeira baixar, o show seguiu com uma canção de seus primórdios, a empolgante "There's No Other Way" (Leisure, 1991). Vale destacar a capacidade do vocalista Damon Albarn, 45, em ter o público nas mãos durante todo o tempo. Mesmo quando não está correndo ou pulando, ele consegue ser o centro das atenções no palco. A título de curiosidade, ele foi o criador do projeto GORILLAZ, que trazia os integrantes como desenhos e fez bastante sucesso no início do século.

Em momentos mais cadenciados, mas não menos empolgantes, os fãs deram um show a parte ao cantarem em uníssono os hits "Beetlebum", "Tender" e "End Of A Century". Independentemente do rótulo, o BLUR tem consistência de sobra para compor com qualidade. Grande parcela disto se deve ao guitarrista Graham Coxon, 44, que chegou a deixar o grupo em 2002. E na voz dele, inclusive, "Coffee & TV" - famoso clipe da caixinha de leite - garantiu um dos pontos altos da noite.

Foto: Jorge Junior
Foto: Jorge Junior

Outro que também tomou conta do microfone foi ator britânico Phil Daniels (Quadrophenia, 1979) durante "Parklife", que teve seu refrão gritado a plenos pulmões pelo público que seguia se divertindo como nunca. Foi recebida com este mesmo entusiasmo "Country House", que levou Damon Albarn a cantar junto da galera na grande que divide o palco da pista. A música também tem uma história curiosa. Ela foi lançada em single, no Reino Unido, em 14 de setembro de 1995, mesmo dia que o OASIS colocava no mercado o compacto "Roll With It". Deu-se inicio, então, a chamada "batalha do Britpop" para ver qual banda venderia mais. O BLUR levou a melhor na disputa, causando a ira dos irmãos Gallagher.

A novidade no repertório ficou por conta da balada "Under The Westway", composta especialmente para o encerramento das Olimpíadas de Londres em 2012. Já no final da apresentação, quando o relógio marcava 23h20, os fãs tiveram seu momento de maior êxtase com a emocionante "The Universal", na qual seu refrão - "really, really, really could happen..." - tomou conta do Campo de Marte de forma impressionante. No final dela não foi difícil ver gente com os olhos marejados.

Para fechar a ótima apresentação, nada melhor que o maior sucesso comercial do grupo. Com este espírito e muita euforia dos fãs, "Song 2" mal precisou que Damon Albarn levasse na garganta, já que a tarefa ficou por conta de 28 mil vozes.

Quem teve a sorte de presenciar esta segunda passagem do BLUR por São Paulo pode afirmar sem medo de errar que sentiu, mesmo que por uma hora e meia, todo o espírito londrino mergulhado em Britpop da melhor qualidade.

BLUR em São Paulo
Data: 09 de novembro de 2013
Local: Campo de Marte
Duração: 1h30

Damon Albarn - vocal
Graham Coxon - guitarra
Alex James - baixo
Dave Rowntreee – bateria

Set List

1. Girls And Boys
2. There’s No Other Way
3. Beetlebum
4. Out Of Time
5. Trimm Trabb
6. Caramel
7. Coffee & TV
8. Tender
9. To The End
10. Country House
11. Parklife (com Phil Daniels)
12. End Of A Century
13. This Is A Low

Bis

14. Under The Westway
15. For Tomorrow
16. The Universal
17. Song 2

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Noel GallagherNoel Gallagher
"Ninguém está se fudendo para o que Liam pensa"

1816 acessosLiam Gallagher: declarando guerra contra vocalista do Blur0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Blur"

Rolling StoneRolling Stone
Revista elege os melhores rocks com mais de sete minutos

Capas de álbunsCapas de álbuns
O que existe ao redor de grandes artes?

BlurBlur
Após cinco horas no palco, Damon Albarn é retirado por seguranças

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Blur"

Gene SimmonsGene Simmons
"Não me importa se você é Axl Rose"

Roger WatersRoger Waters
Irritado com os "cameramen de celular"

Arch EnemyArch Enemy
Angela Gossow fala sobre dificuldade em ser mãe

5000 acessosRodolfo Abrantes: "Raimundos como banda não me interessa"5000 acessosDe AC/DC a ZZ Top: Origens dos nomes de bandas e artistas de rock5000 acessosLynyrd Skynyrd x Neil Young - Amigos ou inimigos?4776 acessosSedentos por Sangue: confira 5 belas canções sobre Vampiros5000 acessosRamones: Morre o baterista e produtor Tommy Ramone5000 acessosFotos de Infância: Avril Lavigne

Sobre Jorge A. Silva Junior

Jorge Junior é paulistano, jornalista diplomado e colaborador do Whiplash.Net desde 2009. Tem mais de 400 matérias e notas publicadas, que somam aproximadamente um milhão e meio de acessos. Também realizou a cobertura de shows de grande porte, entre eles Ringo Starr, Eric Clapton, Deep Purple, System Of A Down, Red Hot Chili Peppers e Ozzy Osbourne. O autor pode ser seguido no Twitter: @jorgejunior85.

Mais matérias de Jorge A. Silva Junior no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online