Nervochaos: Uma noite de Brutal Heavy Metal em Fortaleza

Resenha - Nervochaos (Grab Club, Fortaleza, 17/06/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Já está se tornando um hábito ir ao GRAB, no bairro Antônio Bezerra, em Fortaleza, aos domingos e ser presenteado com atuações matadoras de bandas do underground cearense e de outros estados, com o envolvimento de produtores como Emydio Filho, da Gallery Productions, que, desta vez trouxe à Fortaleza a banda de old school death metal NERVOCHAOS. Ao contrário de certas produtoras das quais nem falaremos mais, esta é um exemplo de produtora que vem há muito tempo batalhando pelo fortalecimento da cena underground, trazendo shows nacionais e internacionais à Fortaleza, lançando CDs (como o da própria KRENAK), etc. O ambiente demorou a lotar, mas, foi uma excelente oportunidade para conferir o mais brutal heavy metal, os novos lançamentos de ENCÉFALO, KRENAK e NERVOCHAOS e a volta à ativa da TEMPUS EDAX RERUM.

NervoChaos: turnês no México e Canadá anunciadasDimebag Darrell: namorada fala sobre a vida e a morte do músico

Outro ponto a ser lembrado são as bancas com merchandising das bandas, onde sempre é possível encontrar além do material dos artistas que estão no palco, CDs full length e EPs de outras valorosas bandas do underground nacional, camisas, zines e até mesmo fitas demo, fazendo a alegria de apaixonados por música que (orgulhosamente) nunca vai passar na novela das oito. Mesmo em eras de MP3, seja esta legal ou pirateada, ainda não inventaram prazer maior que tirar o plástico de um CD, ler o encarte ou ter a sensação de exclusividade ao colocar para tocar aquela demo que só você tem.

A banda ENCÉFALO iniciou a tarde de porradaria com seu death metal veloz e agressivo, com musicas complexas, com algumas mudanças de andamento e muito boa qualidade para uma plateia ainda pequena nesta tarde de domingo. O show começou logo com três porradas sem pausa: All Hate in My Soul, Reactions e Despair. O show incluíu uma cover para "Black Metal", do VENOM e terminou com a faixa que merecudamente nomeia o excelente CD de estréia dos caras, "Slave of Pain". Destaque especial para a cozinha de Rodrigo (d), sempre destruidor, metralhando a bateria com muita raiva, um verdadeiro monstro. Recentemente postei alguns drum-cams aqui no Whiplash.Net. Vai chegar o dia em que terei que postar algum desse cara também.

Você pode conferir o som da banda em seu myspace:
http://www.myspace.com/bandaencefalo

A próxima banda a subir ao palco do Grab foi a KRENAK, banda de death metal furioso que também estava lançando seu debut, "Decimation", também sob a tutela da Gallery Productions. Esta foi a hora do Grab tremer. Raiva, ódio, indignação e dor misturadas no violento vocalista e baixista Felipe Ferreira. Pessoalmente, não gosto da arte do CD, mas o som que eles fazem, eles o fazem muito bem. Acabei não resistindo e comprando o disco pra assistir de camarote a apresentação dos caras, enquanto lia suas letras. E foda-se as letras, o importante ali era extravasar toda a raiva que encapsulamos na maior parte do tempo. Outro ponto bastante interessante e elogiável é que, assim como as bandas que já são mais conhecidas mundialmente, o KRENAK resolveu executar seu disco na íntegra (e na ordem). Destaques para "Fantasy of Flesh", "Hipocrisy on War" (uma das mais matadora) e para a faixa título. Pra encerrar o magnífico show, os caras escolheram "Carnal", do VADER, como se já não tivéssemos presenciado violência suficiente.

O som dos caras você confere aqui:
http://www.myspace.com/krenakband

Em seguida, o momento mais esperado do show. Os paulistas do NERVOCHAOS invadiram o palco do grab como uma horda sedenta de sangue, despejando destruição e caos. Tambem lancando cd "To The Death", o sexto da carreira (que inclui "Live Rituals" ao vivo), a banda já começou o set apresentando músicas que farão parte da nova obra (que ainda não chegou às lojas) com material dos CDs anteriores, principalmente o último "Battalions of Hate", botando todo mundo pra bater cabeça. Guller, vocal e guitarra, declarou: "Deus nao esta aqui, Pazuzu is here" (o demônio exorcizado no filme) ao anunciar a faixa de abertura do último álbum. E o show continuou com muito metal extremo e brutal. Algumas faixas vieram encadeadas, não dando aos cerca de duzentos bangers nenhum segundo para respirar. Destaque para o baixista Felipe Freitas, possuido, bangueando sem parar e arrebentando com seu baixo de seis cordas. Guiller não esqueceu de agradecer à produção e ao público de uns duzentos bangers (inclusive crianças, coisa comum de se encontrar no Grab), enquanto anunciava novos hinos de perdição e morte. Surpreendente é descobrir o quanto estes mesmos caras que no palco são a encarnação de toda a maldade, são simpáticos fora dele, especialmente o guitarrista Quinho e o batera Edu.

Para finalizar, a grande surpresa da noite. Enquanto o NERVOCHAOS deixava o palco, os integrantes da próxima banda se preparavam para tomá-lo. E o tomaram com bastante propriedade. Chamava atenção a preparação da banda com dois teclados no palco. E em pouco tempo, estavam ali sete caras enlutados com um som com algo de death, doom e algo de heavy metal tradicional. Era a TEMPUS EDAX RERUM, com seu pagan doom metal, que executou apenas cinco faixas, mas longas e belíssimas. Destaque para a faixa que dá nome a banda e que infelizmente ficou de fora da sua demo "Ritos, Sacrifícios e Gloria", e é, sem dúvida, uma obra prima, progressiva até a tampa (embora isso seja negado pelos integrantes). A banda finalizou o set e a noite com uma cover do ROTTING CHRIST, "The Sign of Evil Existence". O tempo que a tudo devora não conseguiu por um fim à carreira desta banda, que retorna aos palcos com nova formação após longo hiato.

O som dos caras você confere aqui:
http://www.myspace.com/tempusedaxrerumbr

E, ao contrário do que as mentes fracas podem imaginar, neste show (como em qualquer outro de metal extremo), nem sombra de qualquer ato de violência aconteceu. Isto é tão verdadeiro que a presença de pequenos headbangers é comum no Grab. Em shows de outros tipos de música, isso quase nunca é um fato.

Set List ENCEFALO
1 - All Hate im My Soul
2 - Reactions
3 - Despair
4 - Nightmare
5 - Destrocter
6 - Black Metal (cover VENOM))
7 - Last Gate
8 - Slave of Pain

Set List KRENAK
1 - Dead Nature
2 - Possed
3 - Annihilate The Almighty
4 - Collective Misery
5 - Decimation
6 - Self Oblivion
7 - Surveillance of Emptiness
8 - Fantasy of Flesh
9 - Hipocrisy on War
10 - Carnal (cover VADER)

Set List NERVOCHAOS
1 - The Mark Of The Beast (do novo álbum "To The Death")
2 - To The Death (do novo álbum "To The Death")
3 - Pazuzu Is Here
4 - Putrid Pleasures
5 - Sheep Amongst Wolves (do novo álbum "To The Death")
6 - Gospel of Judas (do novo álbum "To The Death") / Infernal World
7 - Mighty Justice
8 - Cold Feelings
9 - Total Satan / Dark Chaotic Destruction
10 - Perish Slowed
11 - Pure Hemp

Set List TEMPUS EDAX RERUM
1 - Entidade Antiga
2 - Sinfonias da Morte
3 - Ritos, Sacrifícios e Glória
4 - Tempus Edax Rerum
5 - The Sign of Evil Existence (cover ROTTING CHRIST)

Crédito das Fotos: Barcelos Saxon




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Nervochaos"Todas as matérias sobre "Krenak"Todas as matérias sobre "Encéfalo"Todas as matérias sobre "Tempus Edax Rerum"


NervoChaos: turnês no México e Canadá anunciadas

Krisiun: se não tivessem agido rápido, a banda poderia ter sido presa, diz MoysesKrisiun
Se não tivessem agido rápido, a banda poderia ter sido presa, diz Moyses

Death Metal: 5 álbuns nacionais que não se pode deixar de escutarDeath Metal
5 álbuns nacionais que não se pode deixar de escutar


Dimebag Darrell: namorada fala sobre a vida e a morte do músicoDimebag Darrell
Namorada fala sobre a vida e a morte do músico

Avenged Sevenfold: The Rev dizia que não passaria dos 30Avenged Sevenfold
The Rev dizia que não passaria dos 30

Linkin Park: Chester Bennington abre o jogo sobre seu vícioLinkin Park
Chester Bennington abre o jogo sobre seu vício

Roadrunner: os melhores frontmen de todos os temposHeavy Metal: nove ótimas músicas suaves do gêneroQueen: primeiro frontman do Smile sentiu ciúmes da banda e de FreddieSeparadas no nascimento: Tarja Turunen e Virgem Maria

Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.