Resenha - Amon Amarth (Carioca Club, São Paulo, 24/02/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pierre Cortes, Fonte: Heavy Nation
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O Viking Metal é, sem dúvida alguma, uma das vertentes do Metal que mais tem atraído o público que gosta de som extremo. Há vários representantes do estilo e os suecos do AMON AMARTH são um exemplo notável, tanto em termos de sonoridade quanto em termos de público. E para a felicidade dos apreciadores do gênero, o Carioca Club foi o local escolhido para a única apresentação da banda em nossas terras.

Amon Amarth: um dos grandes álbuns ao vivo da história do metalLed Zeppelin: a inspiração por trás de "Kashmir"

O dia estava quente, tanto pelo clima quanto pelo entusiasmo dos headbangers presentes. Afinal de contas, tratava-se de um evento muito aguardado. E isso justificou a casa simplesmente lotada. Exceto na apresentação dos noruegueses do IMMORTAL, jamais havia visto tanta gente no Carioca Club.

Antes dos vikings suecos adentrarem o palco, o público presenciou o ORDO DRACONIS BELLI. Uma banda de abertura? Que nada. Trata-se de um grupo responsável em realizar performances que nos remetem ao período das batalhas medievais. Praticamente uma introdução à temática da noite para provocar ainda mais os presentes. Muito bom.

Todos aguardavam a banda da noite até que tudo escureceu. Era chegado o momento e lá estavam eles. O Carioca Club foi ao delírio. Iniciaram a apresentação com a furiosa "War of the Gods", do Sutur Rising, seu mais recente álbum. Era lindo ver a performance da banda aliada à loucura dos fãs que agitavam sem parar. Na sequência tocaram "Runes to my Memory" do incrível With Oden on our Side.

O som estava impecável. Era possível ouvirmos todos os instrumentos, assim como a voz potente de Johan Hegg. Ele, na verdade, era um destaque no palco. Não somente pela bela performance e imponência, mas também por conta da interação junto ao público. Um verdadeiro guerreiro viking. E o que dizer da iluminação? Escura, justamente para criar um clima, uma atmosfera da época dos guerreiros bárbaros e sanguinários. O ambiente ficou soturno, obscuro, grandioso. Johan Sörderberg e Olavi Mikkonen, os guitarristas, estavam absurdamente incríveis. Riffs de guitarra fortes e solos intensos transmitiam a agressividade e fúria do grupo. Prova disso foram execuções de músicas como "Death in Fire" e "Free Will Sacrifice", dos álbuns Versus the World e Twilight of the Thunder God, respectivamente. Maravilhoso.

O show prosseguiu com músicas que caminhavam por seus diversos trabalhos lançados e não decepcionaram a plateia que, a cada instante, parecia estar mais revigorada e receptiva, mesmo diante do calor intenso que ali se fazia presente.

O AMON AMARTH realizou um set poderoso, com cerca de uma hora e meia de duração, mostrando que seu som é potente, feroz, intenso e que, sem sombra de dúvida, é uma referência no estilo. Viking Metal do mais alto quilate. E para nós, fãs brasileiros, resta aguardar sua próxima vinda em nosso país tendo a certeza que, se isso acontecer, veremos novamente um show de deixar qualquer fã de boca aberta.

Setlist
War of the Gods
Runes to my Memory
Destroyer of the Universe
Live Without Regrets
Thousand Years of Oprression
Pursuit of Vikings
For Victory or Death
The Hero
Valhalla Awaits Me
Slaves of Fear
Fate of Norns
Bleed for Ancient Gods
Under Northern Star
Free Will Sacrifice
Cry of the Black Birds
Death in Fire
Victorious March
Twilight of the Thunder God
Guardians of Asgaard




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Amon Amarth"


Amon Amarth: um dos grandes álbuns ao vivo da história do metalAmon Amarth: novo álbum "Berserker" será lançado em CD nacional

Wacken: anunciadas as primeiras atrações de 2020Wacken
Anunciadas as primeiras atrações de 2020

Amon Amarth: Johan está arrependido por ter detonado o HammerfallAmon Amarth
Johan está arrependido por ter detonado o Hammerfall

Kiss: as dez mais pesadas releituras de músicas da bandaKiss
As dez mais pesadas releituras de músicas da banda

Amon Amarth e Abbath: bandas visitam o cristo redentorAmon Amarth e Abbath
Bandas visitam o cristo redentor


Led Zeppelin: a inspiração por trás de KashmirLed Zeppelin
A inspiração por trás de "Kashmir"

Separados no nascimento: Robert Plant e Patrícia PillarSeparados no nascimento
Robert Plant e Patrícia Pillar

MMA: os lutadores que curtem Rock e Heavy MetalMMA
Os lutadores que curtem Rock e Heavy Metal

AC/DC: isso sim é uma bela estrada para o infernoBlack Sabbath: um Tony Iommi que você não conheciaQueen: Paul Rodgers relembra de sua "insana" experiência com a bandaPearl: neta de Ozzy caracterizada como Princesa das Trevas

Sobre Pierre Cortes

Pierre Cortes, paulistano, bacharelado em Publicidade e em Cinema, amante da fotografia e escrita, apreciador do Heavy Metal e todas as suas subdivisões desde o início dos anos 80, colaborador do Whiplash.Net desde 2011, Twitter - @pierrecortes.

Mais matérias de Pierre Cortes no Whiplash.Net.