Creedence: Reunindo diversas gerações de roqueiros no RJ

Resenha - Creedence Clearwater Revisited (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 18/03/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Gabriel von Borell
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

No último domingo (18), o Citibank Hall, no Rio de Janeiro, reuniu diversas gerações de roqueiros que tinham por objetivo ver ao vivo duas figuras lendárias do rock n’ roll da década de 60/70, e que hoje formam o Creedence Clearwater Revisited, Stu Cook e Doug Clifford. Respectivamente baixista e baterista, a dupla ganhou fama mundial há mais de 40 anos quando, ao lado do vocalista John Fogerty e de seu já falecido irmão Tom (guitarra), foram tentar a sorte no mundo da música com o Creedence Clearwater Revival.

5000 acessosThe Voice Kids: até Brian May ficou impressionado com brasileiro5000 acessosHetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica

Fotos de Néstor J. Beremblum, cedidas pela T4F.

Os anos passaram, a banda acabou, batalhas judiciais foram travadas entre os ex-integrantes, e desde 1995 Cook e Clifford seguem na estrada para se apresentar pelo mundo com o seu “Revisited”. Mesmo que o vocalista original não goste nada disso. Atualmente, Fogerty, que passou com sua turnê solo pelo Brasil no ano passado, é substituído pelo carismático John Tristao. O grupo é completado pelo guitarrista Tal Morris e pelo tecladista Steve Gunner.

E então com o título Creedence Clearwater Revisited, a banda mostrou aos cariocas que ainda dá conta do recado e empolgou os fãs, estejam eles na casa dos 20, 30, 40, 50, e por aí vai. Apesar de a casa de shows não ter ficado cheia, a noite foi animada e a plateia permaneceu o tempo inteiro disposta a aproveitar e curtir a apresentação de Cook e cia.

O relógio passava um pouco de 20h, horário previsto para começar o show, quando o grupo surgiu no palco para abrir com “Born on the Bayou”, do álbum de 1969, “Bayou Country”. Bem humorados e simpáticos, em um determinado momento Cook explicou que eles nunca tiveram a intenção de fazer com que o projeto alcançasse grandes plateias, mas isso acabou acontecendo. "Nós realmente nunca tivemos qualquer intenção de tocar para um público tão grande, mas um amigo queria promover alguns shows. Então conversamos sobre o assunto, depois começamos a tocar e jamais imaginávamos que essas poucas apresentações iriam se tornar tão grandiosas", disse o baixista.

E assim a banda seguiu agradando o público com clássicos como “Green River”, “Who’ll Stop the Rain”, “Susie Q” e “Hey Tonight”. Nesse momento, o Creedence Clearwater Revisited parou para apresentar a sua formação ao público. Entre piadinhas e gozações promovidas pelos integrantes, Clifford deixou sua bateria e veio até o microfone, na frente do palco, para falar um pouco sobre a carreira deles ao longo de todas essas décadas e manifestar a satisfação com o momento atual do grupo. Enquanto isso, os fãs o escutavam atentamente e aplaudiam as tiradas do músico.

Dando sequência ao show, o Creedence Clearwater Revisited apresentou uma de suas músicas mais conhecidas: “Long as I Can See the Light”. O público, como resposta, vibrou intensamente e cantou a letra com entusiasmo do início ao fim. Depois vieram “Down on the Corner” e “Lookin’ Out my Backdoor”. Até que “Heard Through the Grapevine” botou todo mundo para dançar. Na hora de “Midnight Special” não foi diferente e o público cantava animado o repetido refrão da música. Porém, o momento de maior empolgação da noite aconteceu na volta da banda ao palco, depois de “Fortunate Son”. E claro que foi ao som de “Have You Ever Seen the Rain”. A plateia não tinha cantado tão alto e tão forte até então.

Completando a dobradinha do primeiro bis, o Creedence Clearwater Revisited executou “Travelin’ Band”. Em seguida, retornando ao palco para a última parte do show, o grupo tocou “Molina”, “Good Golly Miss Molly” e “Up Around the Bend”. Desse jeito, com o dever cumprido depois de uma hora e meia de apresentação, e sob aplausos efusivos do público, a banda se despedia carinhosamente do Rio de Janeiro. Agora o Creedence Clearwater seguirá em breve para São Paulo, onde se apresenta no próximo dia 25 para os fãs da cidade.

Set list:

1- Born on the Bayou
2- Green River
3- Lodi
4- Commotion
5- Who'll Stop the Rain
6- Suzie Q
7- Hey Tonight
8- Long as I Can See the Light
9- Down on the Corner
10- Lookin' Out My Back Door
11- I Heard It Through the Grapevine (cover de Smokey Robinson & The Miracles)
12- Solos
13- Midnight Special
14- Bad Moon Rising
15- Proud Mary
16- Fortunate Son

Bis 1:
17- Have You Ever Seen the Rain?
18- Travelin' Band

Bis 2:
19- Molina
20- Good Golly Miss Molly (cover de Little Richard)
21- Up Around the Bend

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Creedence Clearwater Revival"

VietnãVietnã
A representação do conflito no rock da década de 60

PerformancePerformance
Baixista rouba o show em cover do Creedence

Mais capasMais capas
A história do rock no Google Street View

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Creedence Clearwater Revival"

The Voice KidsThe Voice Kids
Até Brian May ficou impressionado com brasileiro

MetallicaMetallica
Hetfield fala sobre Dave Mustaine, Load e homossexualidade

Iron MaidenIron Maiden
Uma releitura de "The Trooper" pelo Cine

5000 acessosRob Halford: "Heterossexuais não conseguem cantar no Judas"5000 acessosCradle Of Filth: Dani Filth explica seu conceito de religião5000 acessosTimo Tolkki: surtando no Facebook com a filha contra brasileiros?5000 acessosKiss: Peter Criss toca guitarra no Carnaval de São Paulo?5000 acessosBlack Sabbath: 12 bandas influenciadas pelos mestres nos detalhes1550 acessosCosméticos: o segredo da pele viçosa de Mick Jagger

Sobre Gabriel von Borell

Gabriel von Borell, nascido em 30/03/85, jornalista. Não vive sem música e também não se apega a rótulos musicais. Acredita que todo preconceito é burro, inclusive o musical. Escuta de tudo um pouco, considerando que um jornalista deve estar aberto pra conhecer e comentar sobre qualquer músico ou banda. Pode ser encontrado no Twitter em @gabrielborell.

Mais matérias de Gabriel von Borell no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online