Matérias Mais Lidas

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemA banda de forró que uniu Nenhum de Nós, Legião, Titãs e Paralamas na mesma música

imagemIggor Cavalera manda ver em "Dead Embryonic Cells" ao vivo; confira drumcam

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemComo foram os últimos meses de Renato Russo e a causa da sua morte

imagemNovo álbum do Krisiun será lançado em julho; veja capa e tracklist

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemTobias Forge, do Ghost, diz que ABBA deveria receber um Prêmio Nobel

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil


Overkill: aula de Thrash Metal em São Paulo

Resenha - Overkill (Carioca Club, São Paulo, 05/11/2011)

Por Durr Campos
Em 06/11/11

Uma aula de thrash metal! Esta é a perfeita definição para o que presenciei no Carioca Club no último sábado, 5 de novembro, quando os norte-americanos do OVERKILL, veteranos no estilo, estiveram na capital paulista pela terceira vez em uma década para desfilar todo o seu poderio sonoro em cerca de uma hora e vinte minutos de peso, velocidade, muita propriedade e os vocais – perfeitos para o gênero – do mítico Bobby "Blitz" Ellisworth que, ao lado do baixista D.D Verni, mantém a banda na ativa há 30 anos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Texto: Durr Campos/ Fotos: Pierre Cortes

A Negri Concerts, responsável por trazer o quinteto ao país, já é especialista em promover ótimas turnês de grandes nomes internacionais. Em 2011, pelo menos quinze shows tiveram o nome da empresa envolvido. Nem parece, mas há 20 anos essa realidade era completamente oposta quando pensávamos em concertos desse porte por aqui. Bem, isso é assunto para outro momento, vamos ao que interessa: o OVERKILL. O line-up permaneceu o mesmo desde a última visita ao Brasil no ano passado, ou seja, além de Bobby e D.D, vieram os guitarristas Dave Linsk e Derek Tailer, além do exímio baterista Ron Lipnicki.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Antes, porém, falemos do opening act da noite, nada mais nada menos que o TORTURE SQUAD, recém-chegado de uma bem-sucedida turnê na Europa. Acreditem ou não, mas eu nunca os vi ao vivo até aquela noite em que, para minha sorte, realizaram um baita show! Tá certo que o tempo destinado ao quarteto foi bastante modesto – cerca de 30 minutos, mas os músicos souberam aproveitar cada segundo e desfilaram um repertório de respeito. O vocalista Vitor Rodrigues é um dos front-man mais vigorosos que já pude assistir, assim como Castor (baixo), Almicar Cristófaro (bateria) e o mais novo membro da "tortura", o guitarrista André Evaristo, ótimos no que fazem. Destaques para as músicas "Pandemonium" e "Generation Dead".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Breve pausa para adaptações no palco, pontualmente às 20h o OVERKILL já estava em cena com "The Green and Black", que também abre o mais recente álbum deles, Ironbound, lançado em 2010, seguida da excepcional "Rotten to the Core" – do primeiro, Feel the Fire (1985), cantada em uníssono – e "Wrecking Crew", clássico absoluto do irretocável Taking Over (1987). Bobby não parava de agitar um segundo sequer, realizando aquelas corridinhas até o pedestal características. Ali já era nítida a interação entre banda e audiência, bem como a qualidade de som no Carioca, que estava beirando a perfeição.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

De volta ao início dos anos noventa com o álbum "Horroscope" (1991), seguiram com "Infectious", uma das mais interessantes daquele registro, assim como as duas seguintes, "Bring Me the Night", outra das novas, e a velocíssima "Hammerhead", presente no já citado debut. Ótimas escolhas, especialmente pela semelhança na estrutura e soluções de ambas as canções, mesmo que 25 anos as separem na discografia do grupo. "Ironbound" foi um dos highlights da apresentação. Já conhecida da maioria, pessoalmente acho-a uma das mais intricadas do OVERKILL e detentora de uma das linhas de guitarra mais belas já forjadas dentro deste estilo musical que idolatramos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Coma", a segunda do Horroscope tocada, provocou um mosh-pit impressionante, intensificado por uma de minhas favoritas de todos os tempos, "Hello from the Gutter", do terceiro álbum Under the Influence (1988). Vale lembrar que este foi o single daquele disco, que anos mais tarde apareceu em um episódio da série escrachada Beavis and Butt-head. "Bastard Nation", infelizmente única tocada do W.F.O. (Wide Fucking Open), de 1994, encerrou a primeira parte do set.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O encore teve início com "Elimination", do Years of Decay" (1989), outra estrela solitária de um álbum tão importante. Pela reação geral, incluindo aí um empolgadíssimo Vitor Rodrigues (Torture Squad), poderiam ter tocado mais umas cinco daquele trabalho que ninguém iria reclamar. Para encerrar, dois covers(!): "Fuck You", dos punks do The Subhumans, e a versão maravilhosa de Dirty Deeds Done Dirt Cheap, do AC/DC. Penso que seria mais prudente incluírem mais canções próprias haja vista a limitação de horário exigida pela casa, mas a competência com que executaram ambas me venceu e quando percebi já estava cantando junto.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Set-list do Overkill:

1. The Green and Black
2. Rotten to the Core
3. Wrecking Crew
4. Infectious
5. Bring Me the Night
6. Hammerhead
7. Ironbound
8. Coma
9. Hello from the Gutter
10. Bastard Nation
Encore:
11. Elimination
12. Fuck You (The Subhumans cover)
13. Dirty Deeds Done Dirt Cheap (AC/DC cover)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Torture Squad: banda disponibiliza apresentação completa no programa Showlivre

imagemMatanza Ritual vai lançar músicas próprias, revela Jimmy London

imagemComo Jimmy trouxe músicos do Korzus, Angra e Torture Squad para o Matanza Ritual


Death Metal: mais cinco álbuns nacionais que você deve escutar


Câncer na língua: entenda a doença de Bruce Dickinson


Sobre Durr Campos

Graduado em Jornalismo, o autor já atuou em diversos segmentos de sua área, mas a paixão pela música que tanto ama sempre falou mais alto e lá foi ele se aventurar pela Europa, onde reside atualmente e possui família. Lendo seus diversos artigos, reviews e traduções publicados aqui no site, pode-se ter uma ideia do leque de estilos que fazem sua cabeça. Como costuma dizer, não vê problema algum em colocar para tocar Napalm Death, seguido de algo do New Order ou Depeche Mode, daí viajar com Deep Purple, bailar com Journey, dar um tapa na Bay Area e finalizar o dia com alguma coisa do ABBA ou Impetigo.

Mais matérias de Durr Campos.