Blind Guardian: entrando em campo com o jogo ganho no RJ

Resenha - Blind Guardian (Fundição Progresso, Rio de Janeiro, 04/08/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcelo Prudente, Fonte: Rock On Stage, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Fazer comparações ou pautar um assunto usando de referência outro é quase sempre uma cilada. Pode haver distorções do real sentido daquela comparação e a probabilidade de falar besteira é bem grande. Mas como o bom é cutucar a onça com vara curta, cá estou indo ao encontro das probabilidades e possíveis distorções.

Blind Guardian: liberada "Point Of No Return", primeira música do projeto orquestradoLemmy: "Eddie Van Halen nunca chegará aos pés de Hendrix!"

Assistir um show dos alemães do Blind Guardian é como assistir um jogo amistoso de uma seleção, apenas uma absurda falta de bom senso pode vir colocar todo trabalho por terra. Com a banda alemã a engrenagem é a mesma. É subir no palco, deixar brilhar o talento individual e não cometer a insensatez de estruturar um repertório cansativo... e voilà: um show que agradará todos os fãs.

E foi como esse bom senso que a banda subiu ao palco da Fundição Progresso na noite do último Domingo. Divulgando o já não tão novo, "At the Edge of Time", a banda mostrou que - para o bem ou mal - ainda é uma referência no, hoje, combalido 'power metal' germânico.

Com um atraso de mais de meia hora do horário programado, 21h00, "Sacred Worlds" é a escolhida para começar a 'ode' à cavaleiros, guerreiros e às obras de J. R. Tolkien. A canção é o DNA da banda com orquestrações aliada a passagens pesadas e boas harmonias vocais.

Sempre muito gentil com a platéia o vocalista, Hansi Kürsch, dá boas vindas e convida todos a uma viagem ao tempo, no ano de 1990, com a canção "Welcome to Dying". "Nightfall" dá continuidade ao show com sua melodia certeira e refrão simples, porém, para lá de convidativo, o que não pode ser dito da única representante do álbum "A Twist in the Myth", "Fly". A canção não é execrável, mas é fato que a banda tem em sua discografia músicas de maior expressão e apelo. Não custava relembrar os bons momentos como em "Bright Eyes".

Como é dito na gíria policial: a casa caiu mesmo quando Hansi, sempre comunicativo, apresenta a próxima canção, baseada no livro "O Silmarillion" e que conta a batalha entre rei Fingolfin e o senhor do escuridão Morgoth, "Time Stands Still (At the Iron Hill)". Por ser uma das canções mais importantes da banda, a recepção foi pra lá de calorosa. "Traveler in Time" ganha suspiros entusiasmados do público, mas é prejudicada por um áudio embolado. A qualidade de som em toda apresentação oscilava em ora alto e nítido e ora uma massa sonora de difícil compreensão.

"Agora é hora de nos acalmarmos um pouco", diz o vocalista. Ledo engano, Hansi. "Mordred's Song" nunca foi um momento calmo nas apresentações da banda, muito pelo contrário, a canção sempre foi acompanhada de muita euforia por parte do público. O novo álbum volta representado pela empolgante, "Tanelorn (Into the Void).

Vale ressaltar que o novo disco, "At the Edge of Time", é bem similar aos trabalhos da banda nos anos 1990. E talvez o melhor desde "Nightfall in Middle-Earth" (1998). Lógico que são épocas diferentes; a banda está, hoje, com outra formação e a experiência conta a favor de um trabalho maduro e bem dosado. Mas é fato que os alemães quiseram rememorar as glórias vividas no passado, trazendo ao novo trabalho canções de maior qualidade e equiparadas ao que a banda já realizou de bem feito. Sem pestanejar, conseguiram com sobras.

Se alguém nunca escutou o som da banda e tiver em dúvida por onde começar, a trinca "Lord of the Rings", "Valhalla" e "Imaginations from the Other Side" é um ótimo começo. Nessas canções estão contidas todas facetas - ou grande parte delas - que a banda faz questão de impregnar sua obra. A primeira etapa do show foi concluída da forma mais apropriada e em grande estilo com público catando cada verso das músicas citadas.

Na volta ao palco, "Wheel of Time" não consegue agregar muito ao saldo positivo da noite, deixando a responsabilidade de cativar o público nas mãos, ou nos versos, da insubstituível, "The Bard's Song (In the Forest)". Nem o fã mais viking da banda conseguiu ficar imune à suavidade e delicadeza da canção, levando alguns desses "inabaláveis guerreiros" às lágrimas.

E se até esse momento do show alguém tivesse colocando em cheque o poderio sonoro da banda, tal dúvida certamente foi desintegrada pela avalanche chamada "Mirror Mirror". Sem dúvida a canção está na seleta categoria de ser referência. E acredite amigo, são para pouquíssimas canções e bandas essa honraria. E esse seria o final da apresentação dos alemães nas terras cariocas. Mas com os incessantes pedidos do público, só ficou no seria mesmo. "Majesty", sim, é a cereja que faltava no bolo, na festa e na celebração dos bardos.

Como foi comentado no começo da matéria, o Blind Guardian é o tipo de banda que entra em campo, ou palco, com o jogo ganho. Só uma completa irresponsabilidade e falta de bom senso de seus integrantes para colocar o resultado da partida em risco. Vida longa aos 'trovadores' alemães.

Resenha também publicada no Rock On Stage e no Território da Música.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Blind Guardian"


Blind Guardian: liberada "Point Of No Return", primeira música do projeto orquestrado

Heavy Metal: dez grandes canções acústicas feitas por bandas do gêneroHeavy Metal
Dez grandes canções acústicas feitas por bandas do gênero

Power metal: os 10 discos essenciais segundo o TeamRockPower metal
Os 10 discos essenciais segundo o TeamRock

Stephen King: Top 5 das canções inspiradas em sua obraStephen King
Top 5 das canções inspiradas em sua obra


Lemmy: Eddie Van Halen nunca chegará aos pés de Hendrix!Lemmy
"Eddie Van Halen nunca chegará aos pés de Hendrix!"

Oito razões pra dormir com um bateristaOito razões pra dormir com um baterista
Oito razões pra dormir com um baterista

Di'Anno: Harris é como Hitler e o Maiden é entediante!Di'Anno
"Harris é como Hitler e o Maiden é entediante!"

Max Cavalera: triste ver uma banda tão importante virar uma merdaGuitarristas: você consegue identificar todos nesta imagem?Zakk Wylde: O assassinato atribuido à "seita" do guitarristaAudioslave: filmagem profissional de Serj Tankian cantando "Like a Stone"

Sobre Marcelo Prudente

Marcelo Prudente, 28 anos, nascido em Volta Redonda/Rio de Janeiro. É profissional da área de Comunicação, trabalha com Publicidade e Jornalismo. Começou a tomar gosto pela música quando criança por influência dos pais e tio. Louco pela carreira do velho madman, Ozzy Osbourne. Curte também Iron Maiden, Kiss, Rammstein, Rob Zombie, Alice Cooper, etc. E já perdeu a conta dos bons shows que já assistiu e dos ótimos discos que tem. Para mais informação: http://rockonstage.blogspot.com/. Long live to Rock n' Roll.

Mais matérias de Marcelo Prudente no Whiplash.Net.