Richie Kotzen: um rostinho bonito com bastante talento

Resenha - Richie Kotzen (Carioca Club, São Paulo, 19/03/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ana Clara Salles Xavier
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Nem sempre ter um rostinho bonito significa falta de talento. E isso RICHIE KOTZEN provou no seu segundo show aqui em São Paulo, dessa vez com os instrumentos plugados na tomada e com os outros dois integrantes de sua banda.

2711 acessosSlash: ele não tem afinidade com Poison e cena glam metal anos 805000 acessosAxl Rose: Afinal de contas, o que houve com sua voz?

Marcado para as 20:00 do último sábado, 19/03, o show começou sem grandes atrasos e com o Carioca Club já bastante cheio, especialmente na pista e em frente ao palco. Todo mundo queria estar bem perto de um dos guitarristas mais talentosos da atualidade. Com a primeira música do set, “Best of times” se iniciou o show. Sem grandes introduções nem suspense, KOTZEN, o baterista MIKE BENNET e o baixista DANIEL PEARSON apareceram no palco e começaram a tocar. Simples assim.

Alguns guitarristas são apenas... guitarristas. Mas não RICHIE KOTZEN. Além de tocar muito (impressionante vê-lo solando como um louco sem palheta), ainda é dono de uma voz maravilhosa. Posso parecer parcial com essa afirmação, mas não tem o que falar. A voz dele É maravilhosa. Isso ele mostrou em todas as músicas como “Long way from home”, “Love divine” e “Fooled again”. Fazer o que esse cara faz ao vivo, definitivamente é para poucos.

O público, apesar de estar feliz por ver um cara desses ao vivo não parecia lá muito animado. Foi a partir de “Shine” (cover da ex-banda do guitarrista, MR. BIG) que a recepção ficou mais calorosa. Lógico que todo mundo entoou o refrão e isso se repetiu em praticamente em todas as músicas a partir daí.

Outro momento inesquecível foi em “Stand”. Foi lindo ver a galera toda cantando a capela já quando a música tinha acabado. Parecia até um culto. Um culto ao deus do rock n’ roll onde era o pastor. Ele cantou como aqueles negros de corais de igrejas norte-americanas e até esboçou um sorriso nesse momento. Coisa rara de se ver.

Em um show de rock, não adianta só ser um bom guitarrista ou cantor. A cozinha também conta muito para que a apresentação seja perfeita; e KOTZEN sabe disso. Por isso tem músicos tão competentes ao lado dele. Isso, DANIEL PEARSON mostrou na introdução de “Doing what the devil says to do”.

Foi só antes de tocar “Paying dues” que KOTZEN conversou com o público. Agradeceu a presença de todos, disse que estava muito feliz de estar lá, desejou paz e amor e anunciou que seria a última música. Se alguém ainda tinha dúvidas sobre a voz do cara, essas foram sanadas nesse momento. Mesmo depois de 12 músicas ele ainda teve fôlego pra cantar no tom original e lógico, sem desafinar uma nota que fosse.

O bis do show contou com “Remember” emendando o final de “Let’s say goodbye” (como aconteceu no show acústico no Blackmore) agradou as meninas apaixonadas. Ouvi muitas delas falando pros amigos: O KOTZEN tocou a minha música, eu não acredito que ele tocou a minha música. E “Go faster” encerrou de vez o segundo show do cara em São Paulo.

KOTZEN pode vir quantas vezes quiser ao Brasil, pois vê-lo ao vivo sempre faz bem para o público.

SET LIST
Best of times
Long way from home
Love divine
Fooled again
Faith
Cold
Shine
High
Stand
You can't save me
Doing what the devil says to do
Peace sign
Paying dues
Remember
Go faster

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 23 de março de 2011


SlashSlash
Ele não tem afinidade com Poison e cena glam metal anos 80

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Poison"

Guitar WorldGuitar World
Os 20 melhores álbuns de Hair Metal dos anos 80

Sexo é ProibidoSexo é Proibido
Capas censuradas por conteúdo erótico

Cornos do RockCornos do Rock
A dor e o peso do chifre em três belas canções

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Richie Kotzen"0 acessosTodas as matérias sobre "Mr Big"0 acessosTodas as matérias sobre "Poison"


Axl RoseAxl Rose
Afinal de contas, o que houve com sua voz?

PreconceitoPreconceito
Dificuldades de ser roqueiro em cidade do interior

HumorHumor
Não basta um machado na mão para ser Black Metal

5000 acessosEntrevistas: Coices e tretas entre artista e entrevistador5000 acessosDio: as músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalista5000 acessosAnthrax: Scott Ian apresenta a solução para o Phil Anselmo5000 acessosBarbas: cinco das mais influentes do Rock5000 acessosHeavy Metal: as palavras mais comuns para nomes de banda3103 acessosUli Jon Roth: O Último Guardião das Cordas Sagradas

Sobre Ana Clara Salles Xavier

Ana Clara Salles, 24 anos, paulistana. Fã do Guns n' Roses, Black Label Society, Judas Priest, Led Zeppelin e Beatles, no seu acervo musical tem espaço também para bandas dos anos 80 como Sisters of Mercy e Depeche Mode. Afinal, como já disse uma vez Friedrich Nietzsche: "sem música, a vida seria um erro".

Mais matérias de Ana Clara Salles Xavier no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online