Matérias Mais Lidas

imagemRegis Tadeu se garante e não retira uma palavra do que disse sobre Di'Anno e Iron Maiden

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemComo foram os últimos meses de Renato Russo e a causa da sua morte

imagemAC/DC: Angus Young recorda como fazia para ouvir rock em seus tempos de garoto

imagemHelloween divulga vídeo de "Best Time", com participação de Alissa White-Gluz

imagemIron Maiden: Bruce fala sobre groupies; "parei de transar com elas quando me apaixonei"

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemIggor Cavalera manda ver em "Dead Embryonic Cells" ao vivo; confira drumcam

imagemTobias Forge, do Ghost, diz que ABBA deveria receber um Prêmio Nobel


Stamp

Andre Matos: show de altíssima qualidade no Rio de Janeiro

Resenha - Andre Matos (Teatro Odisséia, Rio de Janeiro, 12/09/2010)

Por Victor Cezar
Em 16/09/10

Injustiça. Esse é o sentimento que fica após presenciar tamanho profissionalismo em mais uma apresentação da banda de Andre Matos na capital fluminense.

Ao longo da tarde, uma pequena quantidade de fãs fiéis deu origem a duas grandes filas – sendo uma para quem não possuía ingresso - que só cresceria no decorrer do dia. As dependências do local (o simpático Teatro Odisséia, até então desconhecido pela maioria, mas que aos poucos vem abrindo suas portas para a música pesada) ficariam claramente lotadas.

Diga-se de passem, apesar da péssima acústica, o lugar se mostrou uma escolha acertada para a banda – principalmente se comparado a Niterói e Campo Grande, locais de não tão fácil acesso, em detrimento da Lapa, que fica na Zona Central da cidade. Um oásis no meio da bagunça musical que a Lapa promove, no geral.

Com certo atraso, os portões se abriram. A banda de abertura, a local Empürios, baseou seu set em composições próprias que integrarão o seu debut "Cyclings", a ser lançado no próximo ano. Apesar de desconhecida pela maioria das pessoas ali presentes, deixou uma impressão muito positiva, com um som bem intrincado e cercado de competência individual (além de simpatia por parte dos integrantes).

E eis que, após um rápido trabalho por parte dos roadies (também ovacionados , em especial por meio de apelidos), o show teve seu característico início com "Leading On" – faixa de abertura do álbum mais recente, Mentalize (2009). O público, evidentemente, foi à loucura com a seqüência que ainda incluía a marcante "I Will Return", futuro clipe da banda.

"Essa é para vocês", indicou Andre – como de costume - antes da aclamada "Rio", cantada em uníssono. Desnecessário citar que as faixas de Time to Be Free já se tornaram clássicas absolutas e estão na ponta da língua de todos. Mais ou menos o que aconteceu na seguinte, "Mentalize", pesada e ideal para ser executada ao vivo.

"Fairy Tale", habitualmente aplaudida por ter sido um enorme sucesso, foi um espetáculo à parte. Durante a tradicional pausa no início da canção, a platéia começou a cantar "Parabéns a Você" para Andre Matos, que estaria fazendo aniversário dois dias depois. Certamente um momento muito emocionante, que rendeu um sincero agradecimento por parte do vocalista, que citou a apresentação do dia anterior (em Brasília, no festival Porão do Rock) e chamou o público de "exemplo". "Só aqui no Rio mesmo, hein" – disse ele, com uma visível alegria em seu rosto . A reação dos cariocas foi imediata.

A energética "How Long" marcou presença, assim como o "Viper Medley" (Living for the Night/A Cry From the Edge), que sempre é muito aguardado pelos fãs (prinpalmente pelos mais saudosistas). Uma necessária pausa foi dada para um solo de guitarra, capitaneado pelo excelente Andre "Zaza" Hernandes, que logo depois teve a companhia de Hugo Mariutti, praticamente o segundo frontman da banda.

Rapidamente, "Separate Ways", cover do famoso hit do Journey, surgiu como uma avalanche. O mesmo pode ser dito sobre a clássica do Angra, "Lisbon", sempre bem recebida e presença obrigatória nos shows desde que foi lançada.

Mais um solo, desta vez de bateria, foi executado pelo já veterano Eloy Casagrande. Momentos como esse sempre geram muitas discussões, porém a inegável competência do jovem impressionou até mesmo quem não se interessa pelo instrumento.

Uma surpresa em relação à ultima vez em que vieram – muito bem-vinda, diga-se de passagem – foi a inclusão de altamente ovacionada "Holy Land" no lugar de "Powerstream". Apesar da última ser muito boa, a sede por clássicos era evidente, visto que o setlist atual dos paulistanos privilegia os trabalhos mais recentes do grupo. Antes dela, inclusive, executaram com maestria "Letting Go", a já considerada "nova Carry On".

A "original" viria logo a seguir, causando o habitual furor na audiência, já que foi um tema que marcou a vida de muita gente. Destaque para a performance do sempre impressionante Fábio Ribeiro (teclados).

Uma jam entre os músicos (com direito a "Another One Bites the Dust" do Queen!), além da apresentação dos membros da banda (inclusive o novo baixista, Bruno Ladislau, carinhosamente apelidado de "Judas") e da equipe técnica precederam o corriqueiro encerramento com "Endeavour". A música, que apesar de recente também já pode ser considerada um clássico, sempre emociona e provoca um efeito muito interessante com cada componente saindo aos poucos até restar apenas o vocalista - certamente o melhor fim de show da carreira deles.

Ao se assistir um show deles, a sensação de "injustiça" abordada no início da resenha fica muito evidente. É difícil entender o que diabos acontece com o Metal nacional, pois músicos de um calibre tão alto e extremamente solícitos aos fãs (chegaram a dar autógrafos após o show e ainda tirar fotos) deveriam estar tocando em casas de show maiores e muito mais estruturadas. É uma pena, resta torcer para que a situação melhore e que a comunidade como um todo (fãs, promotores e músicos "picaretas") tomem vergonha na cara.

Parabéns a todos que tornaram essa noite possível. Mais uma vez, a banda Andre Matos fez um show de altíssima qualidade (tal qual ocorreu em 2008 e 2009) e não decepcionou os cariocas, fluminenses e pessoas de outros estados que vieram apenas para ver o show. Que a próxima vez chegue logo!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp



Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash


Sobre Victor Cezar

Colaborador sem descrição cadastrada.

Mais matérias de Victor Cezar.